Por que é tão difícil tornar a tecnologia mais diversificada
Governança

Por que é tão difícil tornar a tecnologia mais diversificada

Tracy Chou, membro de nossa lista de Inovadores com menos de 35 anos de 2017, reflete sobre os obstáculos que encontrou como empreendedora de tecnologia.

Em 2017, a MIT Technology Review reconheceu Tracy Chou como membro da nossa lista 35 inovadores com menos de 35 anos. Na época, Chou dedicava-se a expor os problemas de diversidade do Vale do Silício. Como engenheira no Pinterest, ela publicou uma postagem em seu blog que foi amplamente divulgada pedindo às empresas de tecnologia que compartilhassem dados sobre quantas mulheres trabalhavam em suas equipes de engenharia. Ela coletou as respostas em um banco de dados público que revelou como muitas equipes técnicas em grandes empresas ainda eram homogêneas.

Cerca de um ano depois, Chou fundou uma empresa chamada Block Party centrada no assédio online, dando aos usuários do Twitter mais controle sobre quais tweets aparecem em seus feeds e menções. O serviço conquistou os primeiros clientes pagantes em janeiro.

Com sua nova empresa, Chou quer solucionar alguns dos problemas que ela vivenciou em primeira mão na indústria de tecnologia, incluindo o tipo de assédio online do qual ela tem sido alvo. Aqui, conversamos com Chou, que mora em San Francisco, para saber mais sobre o que é necessário para fazer mudanças no setor de tecnologia e o que empreendedores como ela estão enfrentando.

Tracy Chou, disse a Wudan Yan: Quando conversamos pela última vez, eu tinha acabado de sair do Pinterest. Sempre fui atraída por empresas menores: entrei no Pinterest quando ele tinha cerca de 10 funcionários e saí quando tinha cerca de 1.000. Parecia que era hora de seguir em frente e fazer algo novo.

Já trabalhei para muitas startups e identifiquei alguns dos problemas estruturais relacionados a elas e seu financiamento, e como esses fatores influenciam os problemas que são resolvidos. Muitos fundadores trabalham naturalmente em problemas que os afetam diretamente: é mais fácil saber o que é importante ou o que pode ser melhorado com a tecnologia.

Ao pensar sobre meus próximos passos, rememorei os produtos em que trabalhei e me fiz as seguintes perguntas: Eu me importo com isso? Existe algo a ser feito que pode ser comercialmente viável? Existem muitos problemas realmente importantes que não serão resolvidos naturalmente apenas por meio de uma startup.

Acabei criando a Block Party, que reúne alguns segmentos diferentes da minha experiência. Trabalhei como engenheira em várias empresas de rede social, monitorando, moderando e aumentando a qualidade do conteúdo, e descobri como o design do produto influencia o comportamento da comunidade. Não apenas criei ferramentas de moderação no Quora que revisavam a qualidade do conteúdo, mas também tomei medidas punitivas contra as pessoas que violaram as políticas do site.

Também passei muito tempo observando como a falta de diversidade e representação nas equipes significava que os produtos eram desenvolvidos de forma distorcida. Por exemplo, equipes não diversificadas de pessoas que geralmente não são alvo de abusos e assédio não tendem a criar proteções contra isso em seus aplicativos.

A última experiência que vivi e que me levou a montar a Block Party foi ter sofrido mais ataques e assédios online. No ano passado, eu definitivamente recebi mais ataques virtuais de cunho anti-asiático. Às vezes, eram pessoas reais me atacando, e outras vezes eu atraía trolls apenas por ter uma presença online.

Se você pudesse renascer como qualquer pessoa no mundo amanhã, como projetaria o mundo hoje? Você não gostaria de projetar um mundo imensamente desigual, onde a maioria das pessoas está em uma posição desprivilegiada, porque muito provavelmente seria você se você nascesse como qualquer pessoa amanhã.

Comecei a usar a internet muito jovem e, no início, ela era uma forma divertida de me conectar com os amigos. Eu usava o AOL Instant Messenger, que era a melhor maneira de conversar com meus colegas no ensino médio: eu não tinha um telefone celular e não podia monopolizar a linha telefônica que compartilhava com minha família. Também usava algumas plataformas de blog, como Xanga e LiveJournal. Eles eram populares naquela época.

No entanto, não tardou muito para que alguém criasse uma página anônima no Xanga dedicada a me odiar. Eu acho que era alguém da escola, porque fazia referência a coisas do colégio. Uma grande parte desse ódio era motivada porque eu me saía bem academicamente. Isso não me incomodou muito na época, apenas quando cresci e olhei para trás. Eu achava que essa pessoa era apenas insegura e invejosa. Achei um pouco triste e confuso que alguém escrevesse posts completos dedicados a tentar fazer com que eu me sentisse mal.

Eu não denunciei. Para quem eu teria denunciado? Nem passou pela minha cabeça ir à minha escola e relatar isso. E eu não queria necessariamente que meus professores ou coordenadores vissem a página, já que era um conteúdo repleto de ódio.

Meus pais não me criaram para ser alguém que falaria abertamente sobre essa situação e desafiaria o status quo. Definitivamente, não fui encorajada a falar contra o sistema de forma alguma. Como muitos outros filhos de imigrantes asiáticos nos Estados Unidos, cresci acreditando que este não é meu país, e meus pais e eu estamos aqui tentando encontrar oportunidades. Não tínhamos uma rede de proteção. Cresci mais com a mentalidade de fazer um bom trabalho, trabalhar duro e tentar ter sucesso.

Meu pai, que é engenheiro, me ensinou um experimento mental filosófico quando eu era bem jovem: Se você pudesse renascer como qualquer pessoa no mundo amanhã, como projetaria o mundo hoje? Você não gostaria de projetar um mundo imensamente desigual, onde a maioria das pessoas está em uma posição desprivilegiada, porque muito provavelmente seria você se você nascesse como qualquer pessoa amanhã. Você gostaria de criar um mundo muito mais igualitário. Isso me fez pensar que não gostava que o mundo fosse tão desigual e tantas pessoas tivessem muito menos sorte do que eu.

Esse sentimento me fez pegar o privilégio que tenho e retribuí-lo, tornando o mundo um pouco mais justo. Eu fui para Stanford e trabalhei em empresas que as pessoas da área de tecnologia consideram confiáveis. Assim, posso tentar amplificar mais vozes ou perspectivas diferentes.

Quando decidi criar a Block Party, investiguei um pouco sobre o assunto e conversei com outros que já trabalharam com anti-assédio e com quem estava construindo soluções para entender como era o mercado. Muitas empresas não entendiam a verdadeira experiência do usuário ao lidar com o assédio — parecia que muitas pessoas estavam abordando esse problema puramente de um ângulo comercial, porque não sabiam o que era vivenciar essas situações por si mesmas. Algumas pessoas estavam construindo modelos de machine learning para detectar conteúdo tóxico e pensaram que isso resolveria o problema.

Como alguém que lida com isso, entendo muito mais o impacto emocional. Existem certas coisas que são emocionalmente angustiantes de ler, mesmo que seja improvável que sejam sinalizadas por um algoritmo. Por exemplo, uma vez recebi uma longa mensagem de um homem que dizia basicamente: “Você deve sorrir mais e então ficará mais atraente”.

Essa mensagem me incomodou por algumas semanas antes de perceber o quão manipuladora e inadequada era. O impacto foi muito emocional, e o significado da mensagem, sem mencionar o ponto de vista antifeminista e retrógrado que ela continha, foi mais profundo do que qualquer algoritmo poderia captar.

Meus desafios para conseguir financiamento para a Block Party começaram quando me inscrevi para participar da curso de inverno de 2020 da Y Combinator, uma aceleradora dedicada a financiar startups em estágio inicial. No Vale do Silício, se alguém quiser ter credenciais, a Y Combinator é uma das melhores opções. Eu me inscrevi, ironicamente, porque previ que YC, composta principalmente de homens brancos que não entenderiam necessariamente os problemas que eu queria enfrentar, seria muito cético. Meu pensamento era que se eu tivesse um selo de aprovação YC, isso poderia dissipar um pouco do ceticismo em torno do meu produto.

Fui ao campus YC em Mountain View, Califórnia, para minha entrevista. Eles colocaram os candidatos em salas diferentes com uma banca de entrevistadores, e cada sala tinha uma lista dos entrevistadores impressa do lado de fora. Quando fui para a minha, vi aquela lista de nomes e pensei: “Isso não vai ser bom”. Dos quatro nomes, três eram homens brancos.

As entrevistas duraram apenas 10 minutos e a minha começou com a pergunta sobre o que eu estava construindo. Eu respondi: “A Block Party cria ferramentas para os usuários lidarem com o assédio online e dá às pessoas mais controle sobre sua experiência digital”. E a próxima pergunta foi: “Você diz que é um produto para o consumidor, mas isso implica um mercado de massa, e esse é um problema muito específico. Certo?”

O resto da entrevista foi mais ou menos assim: uma declaração forte seguida de “Certo?” Todo o tom da entrevista foi: o assédio online é um pequeno problema que já está sendo resolvido, então por que você está trabalhando nisso? Saí da entrevista enfurecida.

Depois de ser rejeitada pela Y Combinator, arrecadei um financiamento complementar para estender o meu inicial, cerca de US$ 1,5 milhão. Isso pode parecer uma boa quantia de dinheiro em alguns mercados, mas não é o suficiente para contratar os engenheiros, então eu tive que ser muito mais criativa na forma como construí o produto — tive que criá-lo sozinho. A Block Party não teria chegado onde está hoje se eu não fosse engenheira.

No verão passado, como parte da incubadora Fix the Internet da Mozilla, fui convidada para monitorar a seção AMA (Ask Me Anything, em inglês) do fórum online Reddit em um esforço para aumentar a Block Party. Eu inicialmente recusei porque minha primeira reação foi: Reddit é a fazenda de trolls. Em algum momento, me convenci do oposto de meu primeiro instinto. Pensei: “Pode não ser tão ruim! Já vi bons AMA!”

Dentro de 10 ou 15 minutos do início do AMA, os trolls assumiram o controle, apresentando argumentos maliciosos e abafando todas as minhas respostas.

Mas dentro de 10 ou 15 minutos do início do AMA, os trolls assumiram o controle, apresentando argumentos maliciosos e abafando todas as minhas respostas. Eles disseram: “Olha, ela tem muito medo de responder às perguntas”. Eu tinha respondido, mas minhas respostas simplesmente seriam abafadas ou desapareceriam. No momento em que os moderadores do Reddit fecharam o tópico, muitas, muitas horas depois, havia milhares de comentários, a maioria dos quais eram coisas horríveis, terríveis. Foi uma experiência muito traumática.

Em seguida, houve alguns tópicos no 4Chan referenciando aquela sessão AMA, solicitando que os trolls do 4Chan e do Reddit lançassem um ataque à Block Party Eles enviaram uma tonelada de solicitações para nossa lista de espera por meio do formulário de registro e criaram centenas de contas com meu nome e foto de perfil no Substack, onde postaram conteúdo racista e misógino. Por algumas semanas, foi um pesadelo em todos os lugares que eu ia online. Não consegui nem me conectar novamente ao Reddit porque minha caixa de entrada estava transbordando de mensagens de assédio. Era irônico que, se eu desenvolvesse um software anti-assédio, acabasse sendo assediada por isso.

Eu tenho um perseguidor, um assediador online que passou a me perseguir no mundo real, o que me deixou com mais medo. Eu me perguntei: “Esses trolls publicarão minhas informações pessoais ou farão algo pior?” Quando fui prestar queixas à polícia sobre o meu perseguidor, me senti péssima. A polícia fez observações do tipo “A vítima acredita que o suspeito está obcecado por ela”, o que suaviza a verdade: recebo milhares de tweets dessa pessoa. Ele voava para os lugares onde eu estava. Ele fazia check-in e check-out no aeroporto mais próximo de mim e me disse em qual motel estava hospedado quando tentou me encontrar em San Francisco.

Uma vez, alguém que trabalha com segurança privada me disse que uma das melhores coisas que você pode fazer nessa situação é transformar sua mentalidade em uma que seja muito proativa: pense, se você fosse o perseguidor, o que faria? Isso o ajuda a estruturar suas defesas. Mudar sua mentalidade para uma atitude proativa significa ter um pouco mais de liberdade e isso realmente ajuda. Porque se você se sente desamparado e sob ataque, isso é muito debilitante.

Por mais desagradáveis ​​que minhas experiências tenham sido, eu trato tudo isso como uma pesquisa de usuário para a Block Party.

Quero que o assédio online acabe e, se puder participar da solução desse problema — seja com a Block Party ou não —, fico feliz. Espero transformar todas as minhas experiências de criação de produtos, trabalhando com empresas e plataformas do Vale do Silício em algo positivo, junto as minhas próprias experiências relacionadas ao assédio.

Wudan Yan é uma jornalista independente que mora em Seattle, Washington.

Nossos tópicos