Por que as cidades voltarão mais fortes depois da Covid-19
Cidades inteligentes

Por que as cidades voltarão mais fortes depois da Covid-19

A pandemia mostrou que os benefícios da densidade superam em muito as desvantagens.

A pandemia de coronavírus apresenta uma ironia cruel para os moradores urbanos. De que servem as cidades se a própria qualidade que as torna tão dinâmicas — a facilidade de se conectar com as pessoas e se reunir em grandes grupos para tudo, desde um jogo de beisebol a uma ópera — agora as torna mais perigosas do que antes?

Essa questão está no cerne das preocupações sobre o futuro das cidades em um mundo pós-covid. O distanciamento social, o uso de máscaras e as restrições às aglomerações continuarão em muitos lugares, pelo menos até que um número suficiente de pessoas seja vacinado para que as comunidades alcancem a imunidade coletiva. Os centros das cidades permanecem em grande parte dormentes, seus escritórios e centros de trânsito desprovidos de trabalhadores não essenciais. Ao mesmo tempo, os cofres municipais estão sofrendo enormes prejuízos com a perda de receita tributária. Menos visitantes e vendas significam menos financiamento para serviços vitais da cidade, incluindo escolas públicas e saneamento, ou para amenidades queridas, como parques.

Além dessas dificuldades econômicas, parece sensato fugir das cidades durante uma pandemia.

Uma das primeiras cidades dos Estados Unidos a ser vitimada pela Covid-19 não foi Nova York, a maior cidade da América? A densidade de tais lugares não os torna, inevitavelmente, locais perfeitos ​​para vírus altamente contagiosos? As pessoas não fogem instintivamente para o campo durante as epidemias, pelo menos desde a Idade Média?

De fato, estudos mostram que a vida urbana pode não ser tão arriscada como se pode imaginar. Em junho do ano passado, pesquisadores da Johns Hopkins e da University of Utah descobriram que a densidade não estava ligada às taxas de infecção nos condados dos EUA, depois de contabilizar a população da área metropolitana, fatores socioeconômicos e infraestrutura de saúde; pelo contrário, a conectividade entre os condados por meio de coisas como viagens era mais importante para a disseminação viral e mortalidade. Um artigo publicado pelo IZA Institute of Labor Economics da Alemanha em julho descobriu que, embora o covid-19 fosse mais provável de aparecer mais cedo em condados mais densos, não havia correlação entre a densidade populacional e o número geral de casos e mortes.

Em outras palavras, em se tratando do coronavírus, densidade não é destino. A cidade de Nova York foi inicialmente o epicentro da pandemia nos Estados Unidos, em parte por causa de seu status de destino internacional, mas seu número de casos semanais caiu conforme as medidas de segurança foram assimiladas. (O número de casos aumentou novamente no outono passado, conforme os pontos quentes ressurgiram e os feriados chegaram, e novamente em fevereiro, quando novas variantes se espalharam, embora a vacinação mantenha a promessa de reduzi-las novamente.)

Os condados rurais no Alasca, Colorado e Texas — longe de centros populacionais densos — foram duramente atingidos no início de 2021, cada um com mais de 100 casos diários para cada 100.000 residentes, de acordo com o New York Times. No entanto, cidades de alta densidade na Ásia e na Austrália foram capazes de controlar o coronavírus no ano passado. Até a China, onde a Covid-19 foi descoberta pela primeira vez, controlou efetivamente a pandemia para seus 1,4 bilhão de habitantes, 60% dos quais vivem em cidades.

As cidades são resilientes, assim como seus habitantes.

Isso não quer dizer que a densidade é irrelevante para a transmissão da Covid-19, ou que entendemos perfeitamente como a doença se propaga. Algumas pesquisas, incluindo um estudo publicado em julho passado pela JAMA Network Open, conectou a densidade populacional à disseminação do coronavírus. Um estudo publicado na revista PLOS One em dezembro concluiu que a “densidade importa”, embora pareça fazer mais diferença nos estágios finais dos surtos do que no início.

Outros artigos com foco na Índia e na Argélia, liderados por pesquisadores da University of North Bengal e da University of Khemis Miliana, respectivamente, relataram ligações moderadas e fortes entre densidade e infecções. Ao mesmo tempo, grandes cidades como Seul, Hong Kong e São Francisco contiveram o coronavírus com intervenções rápidas e agressivas, como o fechamento de bares e casas noturnas.

Independentemente de como interpretamos essas descobertas, é claro que a densidade urbana confere vários benefícios durante uma pandemia. Por um lado, cidades densas tendem a ter melhores hospitais do que áreas menos povoadas. E é mais fácil para os moradores da cidade terem acesso a cuidados médicos. O mesmo se aplica aos cuidados preventivos, que, embora ainda não existam em muitos lugares, têm repetidamente demonstrado reduzir as taxas de doenças crônicas e as visitas aos prontos-socorros.

A urbanização já estava em alta antes da pandemia e, apesar dos atrativos da vida no campo, é provável que essa tendência persista. À medida que nos recuperamos do covid, vale a pena lembrar o que nos atraiu para as cidades em primeiro lugar. Elas hospedam pessoas de diferentes habilidades, experiências e ambições no mesmo local. Estudos mostram que essa proximidade com outras pessoas facilita a inovação, seja ela cultural ou científica. E, como vimos durante a pandemia, as telecomunicações não são um substituto perfeito para as conexões cara a cara que todos ansiamos. (Também não fornecem o tipo de ambiente educacional que alguns alunos precisam para ter sucesso acadêmico e social).

Na melhor das hipóteses, as cidades distribuem recursos de forma eficiente e equitativa aos seus cidadãos. Enquanto muitas ficam aquém desse ideal, como a pandemia revelou, o paradigma alternativo para a ocupação humana — expansão — tem desvantagens significativas. Viver longe dos outros impõe custos à produtividade econômica, ao meio ambiente e, em alguns casos, à felicidade das pessoas. As mudanças climáticas, agravadas pelo uso de automóveis e aviões, aumentam esses custos.

Mesmo que a densidade não seja uma panaceia para esses desafios, é uma das nossas melhores apostas para superá-los. Depois de um ano de doença e morte, devemos nos tranquilizar com outra lição da pandemia: as cidades são resilientes, assim como seus habitantes.

Andrew Giambrone é um jornalista freelance residente na cidade de Nova York que escreve sobre política, cidades e questões sociais. 

Nossos tópicos