O uso da tecnologia como protagonista do marketing irá revolucionar seu negócio 
Negócios e economia

O uso da tecnologia como protagonista do marketing irá revolucionar seu negócio 

Martech pode ser definido como o conjunto de softwares que garantem a entrega da mensagem correta para a pessoa certa na hora certa, o nirvana dos marqueteiros. Por meio da automação e da personalização em escala estas ferramentas estão revolucionando o marketing das empresas.

Faz quase duas décadas que o marketing — definido como a arte de criar e entregar valor satisfazendo as necessidades dos consumidores — deixou de ser apenas arte. O marketing digital aumentou as possibilidades, saímos de uma caixa de 6 cores para 6 milhões de cores e novos protagonistas como desenvolvedores, cientistas de dados e estatísticos entraram em cena.

No entanto, muitas empresas ainda seguem uma crença iniciada séculos atrás: a de aceitar desperdícios e imprecisões nos investimentos de marketing. O varejista americano John Wanamaker — considerado um dos pioneiros do marketing no século XX, por anunciar em espaços de meia página e página inteira de jornais e por contratar redatores em tempo integral — costumava dizer algo como: “metade dos meus dólares em publicidade não funciona, o problema é que não sei qual metade”.

Wanamaker morreu antes da grande crise de 1929, e de lá para cá, tanto tempo de decisões empíricas em campanhas de marketing também fez surgir crenças como a de que o investimento em marcas e estratégias de venda pode ser dispensável — mesmo nos momentos em que mais é preciso manter ou aumentar o faturamento e o fluxo de caixa. Uma pesquisa realizada pela McKinsey em 2019 mostrou o ceticismo dos executivos financeiros de grandes empresas com o marketing: 45% disseram que recusaram ou reduziram orçamentos de marketing por falta de clareza sobre seu valor. Por essa razão, 40% acreditam que os investimentos em marketing deveriam ser suspensos durante recessões

Marketing na pandemia

Com muito sacrifício, a pandemia provou que investimentos em marketing, aliados à tecnologia e inteligência de dados, podem salvar negócios — vide a necessidade de digitalização de quase todos os processos das empresas desde março do ano passado. Restrições recomendadas pelas autoridades de saúde, como a necessidade de distanciamento social, fizeram aumentar o tempo das pessoas dedicado às telas. Uma pesquisa do app Annie, realizada em 2020, concluiu que os adultos de Brasil, Argentina, Canadá, México e Estados Unidos têm passado em média 4 horas e 10 minutos por dia no celular, tempo 20% maior do que em 2019.

Para se ter uma dimensão do que mais tempo online significa, de acordo com o Instituto Gartner, diariamente em todo o planeta, 2,2 milhões de terabytes de novos dados são gerados em média. E uma previsão para 2020 apontava um acúmulo de 40 trilhões de gigabytes de dados no mundo. Imagine o desafio de separar o joio do trigo. O lado bom é que já temos tecnologia e conhecimento disponíveis para essa missão. Por isso, em plena era dos dados e da informação, os desperdícios devem ser cada vez mais inaceitáveis. Como filtrar o que é útil e confiável?

Ferramentas de automação e personalização em escala conhecidas como martechs estão revolucionando o marketing e se provando essenciais para a sobrevivência e crescimento de muitas empresas. Elas são a base da transformação digital do marketing e ganham cada vez mais atenção das empresas, sobretudo durante a pandemia.

Uma expressão dessa realidade pode ser vista, por exemplo no Burger King, que em novembro de 2020, renomeou o posto de seu vice-presidente de vendas e marketing no Brasil, Ariel Grunkraut, para CMTO (Chief Marketing Transformation Officer), o que sinaliza maior foco em inovação tecnológica para o funil de vendas. A empresa também anunciou investimentos para a abertura de novas lojas e em tecnologia para a reestruturação interna. O objetivo é fazer marketing não apenas para atrair os clientes até as lojas, mas também continuar o engajamento com a marca quando os consumidores saem das lojas. Afinal, marketing boca a boca sempre foi o mais eficaz para a construção de reputação de uma marca, só que agora ele é feito mais pelas redes sociais e aplicativos de mensagem.

Uma das pioneiras no investimento em tecnologias para o marketing é a fabricante de bens de consumo Procter & Gamble, ao aderir a compra programática de mídia há quase uma década. E o tema vem ganhando mais enfoque na companhia. Em 2019, a P&G anunciou ousados investimentos na construção de uma estrutura de coleta e análise de dados utilizando aplicativos próprios. Assim, não precisa ficar dependente das gigantes de tecnologia para obter dados e insights sobre mais de 1,5 bilhão de consumidores no planeta. Em paralelo, a P&G reduziu gastos com publicidade em mais de US$ 1 bilhão. As estratégias coordenadas resultaram no aumento do volume das vendas.

O mercado de Martechs

As martechs são capazes de captar e refinar os dados de navegação e localização que revelam comportamentos e preferências; fornecer informações estruturadas; insights para melhor embasamento de decisões — tudo isso com a velocidade e experiência que os consumidores desejam. As martechs também permitem o planejamento e a execução de estratégias cada vez mais sofisticadas de construção de marca e fidelização.

Na Amazon, por exemplo, tecnologias de aprendizado de máquina e inteligência artificial tomam decisões rotineiras, como a definição de preços, promoções e recomendações de produtos. “A Amazon usa tecnologias modernas para executar operações do dia a dia, com um sistema de dados e métricas ultra granular, de ponta-a-ponta, em tempo real, orientado por inputs e movido por Inteligência Artificial”, dizem Ram Charan e Julia Yang, no livro “O Sistema Amazon”, lançado em janeiro no Brasil. “Tudo o que importa pode ser rastreado, medido e analisado simultaneamente, com decisões rotineiras automatizadas”. Não à toa, a empresa virou referência global, e Jeff Bezos, seu fundador, chegou ao posto de pessoa mais rica do planeta.

Como se vê, ao reduzir desperdícios e otimizar investimentos, sobra maior capacidade financeira para investir em infraestrutura e talentos, gerar valor aos consumidores a partir de inovações e conveniência, e lucros aos acionistas. Ou seja, a materialização do ganha-ganha. Anunciantes vendem mais e consumidores têm uma melhor experiência ao não serem interrompidos com publicidade pouco relevante para cada realidade individual — como sempre foi na mídia tradicional.

A inteligência dessas automações é construída por especialistas em processos de funil de vendas do marketing, cientistas de dados e estatísticos. Reduzir desperdícios em marketing, portanto, não significa que é recomendado diminuir os investimentos. O ideal é realocar os recursos na contratação e desenvolvimento de talentos, melhorias e atualização de infraestrutura.

Este conjunto de tecnologias quando bem utilizando consegue gerar mensagens muito relevantes para as pessoas. É por isso que hoje muitas pessoas comentam que têm certeza de que seus smartphones escutam suas conversas e parece até mesmo que leem pensamentos, de tão precisas as publicidades exibidas em ferramentas digitais, como o Instagram.

Imagine que você comprando uma camiseta em uma loja e deixando voluntariamente seu e-mail para receber promoções. No dia seguinte ao abrir seu Facebook a marca te apresenta um anuncio de um produto relevante para quem comprou a mesma camiseta, é isso o que a tecnologia é capaz de fazer.

Condições para prosperar

As soluções de martechs podem atuar de forma estratégica em todas as partes do funil de vendas — da captura da atenção do cliente à conversão em venda, passando pela compreensão dos hábitos e interesses de cada consumidor. Ou seja, as martechs se preocupam tanto com branding — a construção do de percepção e valor da marca — quanto com o desempenho de anúncios publicitários e conversão em vendas.

Até quatro anos atrás, elas eram praticamente desconhecidas pela grande maioria dos profissionais de marketing. Mas entre 2018 e 2019, o total de empresas de martechs existentes no Brasil cresceu 37%, somando 266 startups especializadas, de acordo com levantamento da Liga Insights. E há muito espaço ainda para este mercado crescer. Segundo um estudo publicado em 2018 pela McKinsey (do qual participei da elaboração), 58% das empresas num grupo 79 líderes de dez setores no Brasil ainda estavam iniciando a transformação do seu marketing digital, a partir da inteligência em integração de dados. Outro dado chamou ainda mais a atenção: menos de 2% possui uma visão sistêmica das soluções disponíveis para fazer as vendas crescerem.

Ou seja, existe ainda muito espaço para o mercado de martechs crescer ao mostrar provar seu valor às marcas, consumidores e investidores. No entanto, é preciso ter em mente que implementar um ecossistema de martech depende de uma série de mudanças nas grandes organizações. O modelo operacional recomendado é o de times ágeis multidisciplinares, misturando funcionários da empresa da área de marketing, comunicação, tecnologia, com especialistas das startups em transformação do marketing digital, marcas, cientistas de dados e engenheiros. Mas este formato demanda uma cultura de colaboração, autonomia e abertura à inovação, além de uma dinâmica de gestão de pessoas atualizada para o século 21.

Nossos tópicos