Coração de um porco geneticamente editado é transplantado para um humano pela primeira vez na história
Health Innovation por Einstein

Coração de um porco geneticamente editado é transplantado para um humano pela primeira vez na história

O procedimento é único e altamente experimental, mas a técnica pode ajudar a reduzir as listas de espera de transplantes no futuro.

A notícia: o coração de um porco foi transplantado para um ser humano pela primeira vez na história. David Bennett Sr., 57 anos, um homem com doença cardíaca terminal, recebeu o coração geneticamente modificado durante uma operação de oito horas realizada no dia 7 de janeiro, no Centro Médico da Universidade de Maryland (EUA), que emitiu um comunicado no dia 10. A operação foi um último esforço em nome de Bennett, que havia sido considerado inelegível para um transplante convencional de coração. Antes do procedimento, ele estava no hospital há mais de seis semanas por conta de sinais de arritmia com risco de vida. “Era morrer ou fazer esse transplante”, disse ele no comunicado à imprensa. “Eu quero viver. Eu sei que é um tiro no escuro, mas é minha última chance”.

Cirurgião Bartley P. Griffith (esquerda) e paciente, David Bennett

A técnica: Dez genes do porco doador foram alterados antes que o transplante pudesse ocorrer. Três desses genes fazem com que os corpos humanos rejeitem órgãos de porco, então eles foram eliminados. Além disso, seis genes foram inseridos para ajudar a controlar a aceitação imunológica do coração do porco, e um gene adicional foi eliminado para impedir o crescimento excessivo do tecido cardíaco do porco.
A equipe de Maryland também usou uma droga experimental para suprimir o sistema imunológico e prevenir a rejeição, e uma nova máquina para bombear fluido no tecido para garantir que o coração do porco permanecesse em forma até o procedimento. A Food and Drug Administration (FDA) deu sinal verde de emergência para o procedimento na véspera de Ano Novo, de acordo com o New York Times.

O que vem a seguir: A demanda por órgãos é vasta, com quase 107.000 pessoas na lista de espera para transplante nos EUA; 17 deles morrem todos os dias, de acordo com a Health Resources and Services Administration, uma agência federal.

Os primeiros resultados parecem promissores para Bennett, que deve deixar de usar o bypass coração-pulmão em que confiava para mantê-lo vivo. Ele será monitorado de perto nos próximos dias e semanas para detectar quaisquer sinais de rejeição ou infecção.

Nova fronteira: Embora o xenotransplante, o processo de transplante de órgãos ou tecidos de animais para humanos, tenha uma longa história e muitas vezes malsucedida, novas tecnologias de edição de genes estão tornando-o mais viável. O porco editado por genes na operação do início de janeiro foi fornecido pela Revivicor, uma das várias empresas de biotecnologia que trabalham para desenvolver órgãos de porco para transplante em humanos.

A Revivicor também esteve por trás de um transplante bem-sucedido de rim de porco em um paciente humano em outubro passado, o que foi um marco importante na comprovação da viabilidade de suas técnicas. Além da Revivicor , o cientista de Harvard (EUA), George Church, foi cofundador de uma empresa, a eGensisis , que está trabalhando no uso da edição de genes CRISPR para tornar órgãos de animais adequados para transplantes humanos, embora o cronograma ambicioso inicialmente proposto não tenha sido cumprido.

Último vídeo

Nossos tópicos