Sobre desastres “inúteis” vs. “úteis”
Governança

Sobre desastres “inúteis” vs. “úteis”

De acidentes de carro a ataques terroristas, as catástrofes muitas vezes mudaram a forma como vivemos, diz a historiadora Mar Hicks.

P: Qual foi o papel dos desastres na formação da sociedade ao longo da história?  

R: Os desastres tendem a tornar as falhas e as desigualdades estruturais de longa data bastante óbvias. Eles as forçam a um ponto crítico. E, idealmente, esses eventos terríveis então forçam as pessoas a considerar os problemas contínuos que foram ignorados pelos que estão no poder.  

P: Você faz uma distinção entre desastres úteis e inúteis. O que faz com que os desastres sejam de um jeito e não de outro?  

R: Um desastre útil, de alguma forma, produz mudanças regulatórias ou legislativas. Mas ao falarmos sobre a utilidade de algum desastre, nunca devemos soar de forma superficial. Devemos estar sempre atentos ao fato de que em quase todos os casos pessoas morreram e vidas foram arruinadas. Um dos primeiros desastres que observamos ao longo do meu curso é um episódio de cólera em Londres em meados do século XIX. Esse episódio em particular foi realmente útil para fazer Londres instalar mais esgotos para que a água potável das pessoas não se misturasse com o lixo. Um dos lados negativos é que um desastre útil é algo que você quase sempre só vê quando as pessoas mais ricas e privilegiadas de uma sociedade são atingidas. Você vê muitos desastres “inúteis” quando as pessoas afetadas são desproporcionalmente pobres ou minorizadas. Seus problemas não são vistos como adversidades daqueles que estão no poder ou de todos os cidadãos, e podem ser colocados de lado.  

P: Você acha que a pandemia atual corre o risco de se tornar um desastre inútil?  

R: Não gostaria de falar com firmeza sobre isso ainda, porque as coisas ainda estão se desenrolando. Mas se olharmos para trás na história e vermos como as mudanças geralmente ocorrem, definitivamente corremos o risco de não ter esses mecanismos. 

P: Você poderia dar um exemplo de como diferentes sistemas sociais, políticos, tecnológicos trabalharam juntos para criar mudanças após um desastre?  

R: O desastre do coronavírus não é um evento independente, mas uma combinação de falhas de infraestrutura sistêmicas durante um período de anos. Os resultados que estamos enfrentando atualmente podem parecer repentinos, mas foram projetados por nossos sistemas de saúde, político, econômico e social. O exemplo da indústria automotiva no início do século 20 mostra a necessidade de pensar sobre como os desastres são repentinos e graduais. Uma nova tecnologia entrou em jogo. Então, conforme a infraestrutura rodoviária foi construída, ela começou a matar e aleijar muitas pessoas. As pessoas batiam em painéis com bordas afiadas ou eram empaladas nas colunas de direção, tudo porque os fabricantes de automóveis se recusavam a gastar tempo e dinheiro extras para colocar uma coluna de direção dobrável ou tornar os cintos de segurança padrão.  Portanto, houve um grande impulso em meados do século 20, em grande parte liderado por defensores da segurança do consumidor como Ralph Nader, para tentar fazer o governo federal prestar atenção. As pessoas sabiam o que havia de errado por muito tempo: os médicos vinham reformando seus próprios automóveis com cintos de segurança há décadas.  Mas foi preciso muita pressão para criar vontade política para dizer que os fabricantes de automóveis deveriam ser regulamentados e que os carros deveriam ter alguns equipamentos de segurança. Ao mesmo tempo, as leis não eram suficientes.  Também deveria haver uma agência reguladora para garantir que os fabricantes de automóveis fossem seguir essas leis.  Foi assim que surgiu a Administração Nacional de Segurança Rodoviária (em inglês, NHTSA). O preço de evitar um desastre é esse processo constante de tentar mitigar os danos e planejar sistemas que não escalem de forma prejudicial. Você também pode ver a história da poluição e a criação da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (em inglês, EPA). Ou o incêndio na fábrica do Triangle Shirtwaist em 1911 e como isso fez surgir várias leis trabalhistas. Muitas vezes, esses desastres causam mudanças, mas apenas com luta. As pessoas realmente colocam suas vidas em risco e constantemente precisam se certificar de que essas mudanças não sejam revertidas.  

Mar Hicks ministra um curso no Instituto de Tecnologia de Illinois sobre a história de desastres. Foto de cortesia 

P: Como você tem vivenciado essa pandemia pessoalmente, como você usou a história para dar sentido aos desafios que enfrentamos atualmente?  

R: Em geral, com nossa situação atual, parece que temos um bom controle das causas fundamentais do que está acontecendo, mas estamos tendo muitos problemas para mobilizar o suporte necessário para possíveis soluções. O que é realmente difícil em relação aos desastres de saúde pública é que, mesmo nas democracias, as medidas de saúde pública devem ser amplamente obrigatórias. Vacinas, sistemas de esgoto sanitário você não pode optar por não participar desses sistemas como cidadão, porque então não funcionam. Então isso levanta muitas questões difíceis em relação ao autoritarismo. Especialmente em um momento de crise, tende a haver um exagero do governo. Por outro lado, sem medidas de saúde pública de ponta a ponta, não é possível mitigar e impedir a propagação de um vírus.  

P: As pessoas estão definitivamente preocupadas que a resposta ao coronavírus seja usada como uma desculpa para minar as proteções de privacidade.  Que lições existem sobre como prevenir esse tipo de exploração?  

R: Se voltarmos para o 11 de setembro, foi um momento propício para os governos colocarem em prática medidas que revogam os direitos civis das pessoas e nunca mais as reverterem. Em outras palavras, os direitos não se perdem somente durante a crise, mas no futuro próximo e potencialmente para sempre. Infelizmente, uma das maiores lições que podemos aprender com desastres anteriores é ter uma resposta sólida a eles. Não podemos permitir que um desastre chegue a um ponto em que tenhamos de nos apressar em resolvê-lo com medidas autoritárias realmente rígidas ou em que a vigilância e a anulação do direito das pessoas à privacidade pareçam necessárias. Quando isso acontece, torna-se muito difícil parar a queda em direção a mais e mais medidas que eliminam a privacidade a serviço de um bem maior.  

P: Já ultrapassamos esse ponto?  

R: Não acho que nada seja uma conclusão previsível, e acho que os governos estão tentando ser muito sensíveis a esse assunto. Mas acho que no nível federal temos uma verdadeira crise de liderança. Muitas decisões erradas foram tomadas para nos colocar nessa situação.  

P: Parece que nunca vimos um desastre que tenha afetado tanto a todos ao mesmo tempo. Isso significa que não temos um órgão de governo específico para assumir a responsabilidade pela produção de novos tipos de regulamentos. Como isso muda o desafio da recuperação?  

R: É definitivamente desafiador, mas existem precedentes para o que está acontecendo agora. Já vimos pandemias que ultrapassaram as fronteiras.  Você também pode analisar praticamente todas as situações em que uma guerra afetou muitos países diferentes ou, na memória mais recente, desastres econômicos como a crise econômica de 2008. Um dos motivos pelos quais esse desastre pode parecer diferente é que certos países, incluindo os Estados Unidos, estavam tão despreparados para isso, que piorou muito rapidamente. Mas a crise da Covid-19 é na verdade meio semelhante a outros desastres em que precisamos da cooperação nacional e internacional para tentar fazer coisas como reduzir as emissões de carbono e não tivemos uma resposta adequada.  

P: É inevitável que sempre ignoremos os avisos até que ocorra um desastre?  

R: O fato é que muitas vezes os avisos não são ignorados. Mas quando a infraestrutura funciona, não notamos. Quando há realmente uma boa resposta federal ao desastre, ela o atravanca completamente. Então, precisamos desses desastres para efetuar uma mudança sistêmica? Acho que não. Mas às vezes aqueles que estão no poder não são forçados a agir sem um desastre impossível de ignorar.  

Esta entrevista foi condensada e editada para maior clareza.  

Nossos tópicos