fbpx
Próximo desafio da Blockchain: Moldar o modelo de negócios
Inovação

Próximo desafio da Blockchain: Moldar o modelo de negócios

Conforme aumenta a adoção da tecnologia de registro distribuído, as empresas enfrentam vários novos desafios, desde ênfase demasiada na tecnologia até a orientação de serviços profissionais.

A história da adoção de blockchain no mercado se assemelha muito ao caminho percorrido por outras tecnologias disruptivas: uma primeira indústria explora o que é possível, outras dão forma e substância ao que é plausível e o mercado ajuda a definir o que é prático. Não é mais uma questão de saber se a tecnologia vai funcionar – ela funciona. O que está em jogo agora é como cada setor ajustará a adoção do blockchain para atender às suas necessidades.

O sentimento coletivo sobre o blockchain está aumentando, junto a implementações significativas nos setores público e privado. Ao mesmo tempo, uma nova era de maturidade está se iniciando, na qual as organizações avançam com maior intenção e seriedade ao enfrentar os obstáculos que vêm com a adoção de tecnologias disruptivas.

Alguns desses obstáculos estão enraizados no desenvolvimento da tecnologia de blockchain e registro distribuído: velocidade e escala de processamento, interoperabilidade e maturidade da stack de tecnologia, entre outros. Devido à sua natureza técnica, esses desafios são provavelmente mais reconhecíveis e entendidos dentro de um contexto como o blockchain, que são inerentemente técnicos. E embora ainda não estejam totalmente resolvidos, o progresso está sendo feito.

Conforme o blockchain e a adoção de ativos digitais aumentam, novos e diferentes tipos de desafios estão surgindo – desafios que ressaltam as implicações operacionais decorrentes da adoção pelo mercado. Classificamos esses novos desafios de mercado da seguinte forma:

  • Foco inicial em tecnologia pesada: ênfase exagerada no desenvolvimento e implantação de tecnologia.
  • Modelos operacionais multipartidários: os mecanismos legais e de governança que facilitam as interações, como contratação, resolução de disputas e garantia de terceiros, não foram alcançados.
  • Clareza regulatória: as políticas precisam ser estudadas e elaboradas para se alinhar aos novos modelos de negócios digitais.
  • Variabilidade geográfica: diferentes áreas geográficas estão assumindo uma variedade de posições dentro do contexto de blockchain e ativos digitais.
  • Orientação de serviços profissionais: apesar da orientação limitada sobre contabilidade e auditoria, a profissão precisa evoluir com a tecnologia.

Foco primário em tecnologia pesada. É compreensível que o foco inicial de uma tecnologia emergente como o blockchain deva ser mais no desenvolvimento do que nos desafios urgentes do mercado que afetam a adoção de longo prazo. Mas um foco inicial em tecnologia pesada pode tornar mais difícil resolver outros desafios do mercado que impedem a adoção duradoura e torná-los mais urgentes à medida que a tecnologia amadurece.

Conforme o blockchain e a adoção de ativos digitais aumentam, novos desafios estão surgindo – desafios que ressaltam as implicações operacionais decorrentes da adoção pelo mercado.

Modelos multipartidários

Qualquer discussão sobre os desafios do mercado no contexto do blockchain também deve incluir modelos de negócios com várias partes. Por sua própria natureza, o blockchain representa uma solução multipartidária que transforma um processo linear, isolado e ponto-a-ponto em uma forma de governança ponto-a-ponto distribuída. O blockchain democratiza as informações e o acesso a elas.

Apesar de seus muitos benefícios potenciais – incluindo economia de custos, compartilhamento de riscos e remoção do atrito de anos de processos ineficientes – os modelos ponto-a-ponto costumam demorar mais para entregar retorno sobre o investimento. Eles exigem uma nova maneira de compartilhar informações e criar valor e evocar uma série de problemas a serem superados, desde propriedade de dados e privacidade até governança, financiamento, responsabilidades civis / criminais e muito mais. Isso é verdade mesmo em um ecossistema de cadeia de suprimentos vertical, onde os interesses são alinhados de forma mais natural, semelhante às plataformas com enfoque industrial desenvolvidas pela IBM.

Um modelo de negócios horizontal com várias partes apresenta seu próprio tipo de desafio de mercado – o que alguns podem considerar uma reunião não natural de concorrentes em potencial para um propósito comum. Isso nem sempre é fácil, mesmo quando os efeitos de redes maiores e outros benefícios estratégicos são compreendidos pelos participantes. Por um lado, algumas organizações são mais eficientes e estratégicas do que outras. E poucas organizações querem arriscar a vantagem competitiva e o valor da marca que levaram anos para construir.

O sentimento coletivo sobre o blockchain está aumentando, junto a implementações significativas nos setores público e privado.

A Blue Cross Blue Shield Association, junto a uma coalizão de empresas da Blue Cross Blue Shield, está procurando usar a tecnologia blockchain. Shahzad Shah, diretor executivo e arquiteto-chefe da Blue Cross Blue Shield Association, vê a estrutura de governança como o “fator crítico para resolver o paradoxo da coopetição. Como é improvável que todos os membros da coalizão tenham um alinhamento completo em todos os momentos, a capacidade de se reunir em torno de uma forma comum de trabalho e tomada de decisões é a base de nossa coalizão. Não começamos construindo a tecnologia; começamos unificando nossos objetivos e decidindo como iremos operar e tomar decisões. Esta abordagem colaborativa para um modelo operacional de várias partes ajuda a construir confiança e facilita o compartilhamento de dados necessário para transformar o processo de dados do provedor”.

Clareza regulatória

Para o blockchain – e outras tecnologias disruptivas – um desafio é encontrar o equilíbrio certo entre a inovação no blockchain e as políticas regulatórias que o governarão. A regulamentação é necessária e pode ser uma força para o bem. Ele fornece um efeito de solicitação muito necessário no mercado à medida que uma nova tecnologia atinge a adoção comum. Mas quando não está alinhado com a inovação à medida em que ela está ocorrendo, pode retardar a adoção.

O Blockchain está sendo aplicado em setores altamente regulamentados, como serviços financeiros, ciências biológicas e farmacêutico, entre outros, o que pode estar aumentando a tensão. Estabelecer regulamentações sobre privacidade, Prevenção à Lavagem de Dinheiro (PLD), conhecer seu cliente (em inglês, KYC), sanções econômicas, proveniência material, relatórios fiscais, segurança de dados e muitos outros, para acomodar a aplicação tática da tecnologia blockchain em um ambiente operacional apresenta um obstáculo substancial a ser superado. Isso também é importante, pois as implicações de longo prazo podem ainda não ser totalmente compreendidas pelas autoridades regulatórias e as aplicações do blockchain estão em constante evolução.

“Não começamos construindo a tecnologia; começamos unificando nossos objetivos e decidindo como iremos operar e tomar decisões”. Shahzad Shah, diretor executivo e arquiteto-chefe da Blue Cross Blue Shield Association

Terri Cobb, líder da aliança IBM na Deloitte Consulting LLP, apontou que as empresas podem um dia precisar provar que estão tomando as medidas necessárias para proteger os dados em sua posse. Os servidores LinuxONE da IBM têm uma maneira de fazer isso usando criptografia pervasiva. “A criptografia pervasiva protege os dados do blockchain, estejam eles em trânsito ou em repouso. Esta é uma maneira altamente segura de controlar os dados no servidor e quando eles vão para outro sistema. É também mais um exemplo de como o blockchain está influenciando como os negócios são feitos”.

Variabilidade geográfica

Com o blockchain baseado em uma arquitetura multipartidária e muitas vezes internacional, diferentes regiões geográficas estão assumindo posições distintas sobre o status do blockchain e dos ativos digitais. Isso pode significar desafios na adoção transfronteiriça de blockchain, mesmo sem levar em conta questões regulatórias, e tornar os tipos de iniciativas globais que o blockchain promete mais difíceis de realizar.

Para ajudar a mitigar a percepção de riscos, algumas jurisdições adotaram uma posição regulatória precoce e, às vezes, forte com relação a criptomoedas e ativos digitais. Outros implementaram regulamentações que incentivam o desenvolvimento dessa tecnologia, em vez de se concentrar no gerenciamento de problemas.

Além de criptomoedas e ativos digitais, diferentes jurisdições têm regulamentações variadas com impacto direto nos modelos de blockchain internacionais, mesmo que ele não seja o foco. Por exemplo, o Regulamento Geral de Proteção de Dados que rege a proteção de dados e privacidade na União Europeia (EU) declara um “direito ao esquecimento” que permite aos cidadãos da UE solicitarem que seus dados pessoais sejam apagados dos repositórios de armazenamento de rede – uma disposição que pode ser incompatível com o caráter imutável da tecnologia de banco de dados digitais.

As visões regulatórias sobre a adoção da nuvem, padrões abertos nacionais em interfaces de programação de aplicativos, requisitos de segurança cibernética e informações de saúde, entre outros, também variam de país para país. Uma plataforma de blockchain homogênea transfronteiriça pode ter dificuldades para cumprir esses regulamentos em diferentes regimes.

Mesmo dentro de um determinado país, especialmente se eles forem grandes o suficiente e os governos forem estratificados, podemos observar variabilidade nas posições regulatórias. Veja os EUA – alguns estados introduziram legislação relacionada ao blockchain e outros não, com os efeitos da legislação sendo altamente desiguais. A nível federal, parece não haver maior medida de coesão. Por exemplo, não há uma voz única sobre o tratamento de criptomoedas: a Receita Federal dos Estados Unidos (IRS) trata criptomoedas como propriedade, enquanto outras agências federais, como a Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC) e a Comissão de Valores Mobiliários (SEC) aplicam uma abordagem avaliativa para determinar o status de uma determinada criptomoeda e qual das duas agências tem jurisdição adequada.

Diz-se que a regulamentação segue a inovação e às vezes trabalha para acompanhá-la. Blockchain não é exceção. A busca por clareza regulatória pode resultar em um conjunto mais realista e prático de princípios orientadores globais e padrões da indústria que as jurisdições individuais podem decidir adotar.

Existem algumas evidências de que isso já está acontecendo. Por exemplo, o Grupo de Ação Financeira Internacional, uma organização intergovernamental criada para combater a lavagem de dinheiro, emitiu recentemente um conjunto de recomendações que detalham as diretrizes regulatórias sobre moedas virtuais, incluindo criptomoedas e trocas das mesmas destinadas à adoção por suas jurisdições membros.

Orientação de terceiros

A falta de harmonia regulatória pode levar a interpretações confusas e possivelmente incorretas dos requisitos e à não conformidade inadvertida. À medida que mais informações são registradas em blockchains, a orientação dos serviços profissionais é crítica para fazer julgamentos corretos sobre os regulamentos operacionais. E, é claro, o desafio se torna ainda mais urgente quando o modelo de blockchain ultrapassa as fronteiras.

Como pode um auditor, por exemplo, usar requisitos regulamentares para testar e certificar-se que um procedimento está em conformidade se os requisitos não são claros?

“Vemos o blockchain como uma tecnologia que pode resolver alguns dos nossos desafios de negócios e os desafios que nossos clientes enfrentam, mas a questão é ‘Por que o blockchain?’” Sumeet Bhatia, chefe de inovação, Zurich Insurance NA

A adversidade enfrentada pela orientação de serviços profissionais em um mundo controlado por blockchain vai além da clareza regulatória. Ela se estende a um entendimento completo de como a transação subjacente funciona operacionalmente no contexto da tecnologia blockchain. A tecnologia alterou a transação de alguma forma simplesmente porque ela ocorreu em um blockchain? Como você testa a conformidade PLD / KYC dentro da construção deste novo mundo digital? Essas e outras questões provavelmente levarão os auditores a desenvolver uma compreensão mais profunda da tecnologia blockchain e representam um desafio de mercado substancial.

Blockchain é mais que um projeto tecnológico

Estes são apenas alguns dos desafios do mercado que confrontam a adoção mais ampla do blockchain hoje – e agora eles estão recebendo o tipo de atenção focada que adversidades puramente técnicas desfrutaram nos anos anteriores. Essa evolução é uma marca de maturidade que muitas vezes sinaliza a adoção mais ampla de tecnologias disruptivas e o tipo de adoção que vemos hoje no contexto do blockchain.

Como Sumeet Bhatia, chefe de inovação da Zurich Insurance NA, explica: “Vemos o blockchain como uma tecnologia que pode resolver alguns dos nossos desafios de negócios e os desafios que nossos clientes enfrentam, mas a questão é ‘Por que o blockchain?’ A adoção do blockchain não deve ser uma solução em busca de um problema, mas o contrário. Na Zurich, conforme adotamos uma mentalidade de inovação para encontrar soluções, começamos com as declarações do problema e, em seguida, desenvolvemos os casos de uso apropriados. Recentemente, iniciamos o compartilhamento e reconciliação de dados de várias partes no processo de renovação do grupo cativo, que hoje é muito manual e baseado em papel. Embora este seja um caso de uso muito básico, os primeiros resultados apontam para uma adoção mais ampla de soluções de blockchain dentro da Zurich Insurance, gerando um ROI significativo”.

À medida que o blockchain encontra seu caminho nos planos estratégicos das organizações, novos desafios emergirão, exigindo perspectivas multidisciplinares. Mas, assim como os aplicativos de blockchain se tornam mais matizados e familiares, o mesmo deve acontecer com os desafios do mercado. Isso é o que acontece quando uma tecnologia passa da fase inicial de experimentação para a produção e, finalmente, para a produção em escala.

Nossos tópicos