Por que os Estados Unidos não estão preparados para as novas regras de guerra
Governança

Por que os Estados Unidos não estão preparados para as novas regras de guerra

“Todos eles fazem isso: Rússia, China, Irã … Todos eles estão lutando contra essas coisas chamadas guerras das sombras e elas são muito eficazes”, diz um ex-paraquedista e acadêmico.

Sean McFate é um ex-paraquedista da 82ª Divisão Aerotransportada do Exército dos EUA; ele também trabalhou como empreiteiro militar privado na África Ocidental. Hoje ele é professor da Universidade de Defesa Nacional e da Georgetown’s School of Foreign Service, ambas em Washington.

Seu livro The New Rules of War, publicado no início de 2019, analisa as maneiras pelas quais a guerra deve mudar para que os Estados Unidos tenham sucesso. A repórter de guerra Janine di Giovanni o entrevistou sobre a visão dele para o futuro do conflito.

P: Qual a sua queixa? Qual é o seu argumento?

R: Escrevi este livro porque estava com raiva. Eu perdi bons amigos no Iraque e no Afeganistão. Como contribuintes, jogamos seis trilhões de dólares pela janela. E, como veterano, dói-me ver a nossa imagem nacional manchada. Mesmo assim, temos os melhores militares do mundo – até mesmo nossos adversários sabem disso. Então qual o problema?

Não são os militares – temos um grande exército. O problema é que nosso QI estratégico é baixo. A guerra é ganha e perdida no nível estratégico – não no nível tático ou operacional. Então, para onde podemos mandar as pessoas para que elas possam treinar a pensar estrategicamente para vencer? Temos uma carência disso. As escolas militares estão moribundas, as universidades civis geralmente não tocam nesse assunto.

Temos sorte, não inteligência.

P: O que você quer dizer com isso?

R: Por que estamos fazendo coisas como comprar mais porta-aviões da classe Ford ou F35s? Isso deveria parar. Eu cortaria as caras armas convencionais e reforçaria as coisas que são muito eficazes na guerra moderna como a guerra política, influência estratégica, lei, poder econômico e a dissimulação. Quer impedir a invasão russa no Báltico? Esqueça as demonstrações de força – a dissuasão militar é obsoleta. Em vez disso, comece uma “revolução de cores” em sua fronteira. Moscou é paranoica e transferiria recursos para esmagá-la. Quer a China fora do Mar da China Meridional? Pare de enviar grupos de transportadoras para a região. Em vez disso, apoie secretamente a insurgência Uigur. A segurança do regime interno vai roubar a atenção de Pequim.

Os militares não podem mais solucionar seus problemas como antes na era da informação global, e isso está levando a guerra para as sombras. Hoje, a negação plausível é mais potente do que o poder de fogo: vencedores e perdedores não são mais decididos no campo de batalha, mas por aqueles que podem discernir a verdade das mentiras. As melhores armas hoje não disparam balas.

P: Então, digamos que você seja nomeado conselheiro de segurança nacional amanhã. O que mudaria?

R: A primeira coisa que eu faria seria pressionar para cortar o orçamento do Departamento de Defesa pela metade. E depois aumentaria o orçamento do Departamento de Estado, que se deteriorou muito. Mas o Departamento de Estado precisa de uma revolução cultural própria.

Temos que pensar sobre o que é guerra e o que é conflito armado, e então: como alcançamos nossos efeitos estratégicos? Por que o Irã é uma ameaça à segurança nacional? Nós pensamos nisso como existencial – e é se você for como Israel ou a Arábia Saudita, mas não os Estados Unidos. Esquecemos o que é uma ameaça existencial.

Eu implementaria para nós estratégias em todo o mundo que utilizassem e aproveitassem as novas regras de guerra. Todos eles fazem isso: Rússia, China, Irã … Todos eles estão lutando contra essas coisas chamadas guerras das sombras e são muito eficazes. Devemos voltar a isso. E costumávamos fazer isso durante a Guerra Fria, mas esquecemos como.

P: O que é uma guerra das sombras? Como você descreveria isso?

R: As guerras das sombras são um certo tipo de guerra em que a negação plausível eclipsa o poder de fogo em termos de eficácia. Pense em como a Rússia estava na Crimeia. Nas táticas de guerra mais antigas, quando eles colocavam o pé em outro estado, eles mandavam os tanques. Agora, em 2019, não é assim que eles fazem. Eles têm apoio militar, mas usam meios secretos e clandestinos. Eles usam forças especiais, mercenários, representantes, propaganda – coisas que lhes dão uma negação plausível. Eles fabricam o nevoeiro da guerra e depois a aproveitam para ganhar.

P: Então, devemos voltar, de certa forma, às táticas da Guerra Fria?

R: Não quero cair na armadilha de uma nova Guerra Fria…, mas já fizemos isso no passado.

Uma das preocupações que destaco no livro, mas não proponho uma resposta, é esta: como especialista em guerra e observador, vejo que a guerra está ficando mais furtiva. Como nós, como uma democracia, seguimos a guerra nas sombras sem perder nossa alma democrática? Aprendemos durante as audiências da Igreja em 1975 e 1976 que segredos e democracia não são compatíveis. Nós lutamos contra isso? Esta não deve ser uma operação de uma ramificação apenas.

P: Sua ideia de que haverá mais “guerras de sombra” ou guerras por procuração no futuro foi aceita ou rejeitada?

R: Está sendo colocada de lado. Quer dizer, verdadeiros profetas de guerra são como Cassandra da mitologia grega: ela tinha o dom da previsão, mas a maldição era que ninguém podia acreditar nela. Há exemplos disso em todo o meu livro: Billy Mitchell, JC Fuller – há um cara chamado William Olson nos anos 1980 no auge da Guerra Fria. Ele viu além da rivalidade EUA-Soviética e viu um mundo pós 11 de setembro. E há outros!

P: As histórias que você conta sobre esses homens e mulheres são algumas das partes mais tocantes de seu livro. Eles eram visionários, mas foram punidos por isso. Algumas das passagens são perturbadoras – o caso de Billy Mitchell, por exemplo, que previu o poder aéreo e foi ridicularizado, desprezado.

R: Sim e eles fizeram isso com extremo preconceito. Mas enquanto isso você tem os laboratórios de ideias (ou, em inglês, think tanks), ou seja, as empresas multinacionais em Washington DC. Eles estão insistindo em uma visão de guerra que seja confortável para eles e da qual possam, francamente, na minha opinião, lucrar. E isso é extremamente perigoso. Mas meu livro está chegando ao Departamento de Defesa, aos estabelecimentos de segurança nacional. Sei disso porque sempre recebo convites de generais duas, três estrelas, para falar sobre suas gestões. Eles o fazem porque concordam com isso, mas não querem ser pegos dizendo esse tipo de coisa a eles mesmos.

P: Quem está entendendo a situação? Quem está ouvindo quais são as novas regras de guerra? E quem são seus inimigos?

R: A CIA e os comandos de Operações Especiais gostam, as unidades de Operações Especiais, os veteranos, os fuzileiros navais e as forças terrestres do Exército geralmente adoram. Quem não gosta? Força Aérea e Marinha, os serviços de alta tecnologia, Lockheed Martin e, claro, laboratórios de ideias. A maioria dos think tanks em Washington DC ganha dinheiro da Raytheon e de todos esses grupos envolvidos. Muitos deles amam e fetichizam a tecnologia. Mas, como você sabe, uma das coisas que a África me ensinou é que, em última análise, as guerras são política e não há solução tecnológica para isso. Não há míssil que consertará as circunstâncias políticas na Síria ou em Taiwan. Mas é assim que nós pensamos. Por isso enfrentamos dificuldades.


Pesquisa adicional feita por Misia Lerska. Uma versão editada desta entrevista apareceu na edição de novembro / dezembro da MIT Technology Review americana.

Nossos tópicos