Por que o Facebook está usando o Ray-Ban para reivindicar o direito sobre nossos rostos
Humanos e tecnologia

Por que o Facebook está usando o Ray-Ban para reivindicar o direito sobre nossos rostos

Para construir o metaverso, o Facebook precisa que nós nos acostumemos com os óculos inteligentes.

No início de setembro, o Facebook lançou seus novos óculos “Ray-Ban Stories” de US$ 299. Os portadores podem usá-los para gravar e compartilhar imagens e vídeos curtos, ouvir música e atender chamadas. As pessoas que comprarem esses óculos logo estarão em espaços públicos e privados, fotografando e gravando o resto de nós, e usando o novo aplicativo “View” do Facebook para classificar e enviar esse conteúdo.

Meu problema com os óculos está, em parte, no que eles são agora, mas, acima de tudo, no que eles vão se tornar e como isso vai transformar nosso meio social.

Como nos sentiremos conduzindo nossas vidas em público, sabendo que a qualquer momento as pessoas ao nosso redor podem estar usando tecnologia de vigilância furtiva? As pessoas gravam outras em público há décadas, mas ficou mais difícil para uma pessoa comum detectar quando estiver sendo gravada, e os novos óculos do Facebook vão tornar isso ainda mais difícil, já que eles se parecem com acessórios comuns e carregam a marca Ray-Ban.

O legado de confiança dessa marca pode fazer com que os óculos do Facebook atraiam muito mais pessoas do que os Snap Spectacles, do Snapchat, e outros óculos com câmera. (O Facebook também tem cerca de 2 bilhões de usuários a mais que o Snapchat.) E o Facebook pode tirar proveito da cadeia de suprimentos global e da infraestrutura de varejo da Luxottica, a empresa-mãe de Ray-Ban. Isso significa que o produto não terá que ser lançado aos poucos, poderá ser feito globalmente.

Os óculos do Facebook podem se tornar especialmente populares durante esses tempos de pandemia, pois oferecem uma maneira de gravar imagens e sons sem a necessidade de tocar no telefone ou em qualquer outra superfície. Eles também podem ser um sucesso entre os pais que precisam prestar atenção aos filhos, mas ainda querem capturar momentos espontâneos.

À primeira vista, gravar com os óculos do Facebook pode não parecer muito diferente de tirar uma foto ou gravar um vídeo com um smartphone. No entanto, a forma como os óculos cobrem os olhos do usuário e criam fotos e vídeos do ponto de vista dessa pessoa muda o que essa atividade significa para os grupos sociais.

Com este produto, o Facebook está reivindicando o rosto como propriedade de sua tecnologia. Os óculos se tornarão um visualizador perpétuo, priorizando a perspectiva de cada usuário sobre a experiência de pertencer a um grupo. Como resultado, as pessoas que as usam podem se sentir mais atraídas para capturar cenas de seu ponto de vista único do que realmente participar. Além disso, como mais de uma pessoa por vez pode estar usando os óculos em um determinado grupo, esse efeito pode ser ampliado e a coesão social pode ser ainda mais fragmentada.

No início deste ano, escrevi um artigo sobre ética com Catherine Flick, da De Montfort University, no Reino Unido, que foi publicado no Journal of Responsible Technology de maio de 2021. Argumentamos que a implantação desenfreada de “óculos inteligentes” levanta sérias questões imprevistas sobre o futuro da interação social pública.

As histórias de Ray-Ban são um passo em direção à visão de longo prazo de Mark Zuckerberg para o Facebook de construir e participar do “metaverso”. O capitalista de risco Matthew Ball descreve o metaverso como um espaço de “interoperabilidade sem precedentes” com uma economia integrada e contínua. Zuckerberg o explicou como um espaço compartilhado que unifica muitas empresas e experiências mediadas, incluindo mundos real, virtual e aumentado.

Zuckerberg chama o Ray-Ban Stories “um marco no caminho” para óculos imersivos de Realidade Aumentada (RA). Em 2020, o Facebook anunciou o Projeto Aria, que usa óculos RA para mapear o terreno de alguns espaços públicos e privados. Este esforço de mapeamento visa acumular informações de geolocalização e de propriedade intelectual para atender às necessidades de dados de futuros usuários de óculos de realidade aumentada e, provavelmente, avançar na contribuição do Facebook para o metaverso. Como Zuckerberg mencionou em um vídeo apresentando o Ray-Ban Stories, ele planeja substituir os telefones celulares pelos óculos inteligentes do Facebook.

Os óculos fornecem pistas sociais diferentes dos smartphones. Podemos saber quando alguém está ao telefone porque podemos ver o aparelho nas mãos das pessoas. Descobrir quem está usando os óculos do Facebook será mais desafiador. Em parte, o experimento do Google Glass falhou porque o Glass parecia diferente dos óculos normais e podíamos facilmente identificar e evitar quem os usava. Mas Ray-Ban Stories se parece muito com Ray-Bans normais.

Com Ray-Ban Stories, nem sempre podemos saber quem está gravando, quando ou onde, ou o que acontecerá com os dados coletados. Uma pequena luz indica que os óculos estão gravando, mas não é visível de longe. Há um som “obturador” baixo quando a pessoa usando os óculos tira uma foto, mas é difícil para terceiros ouvirem. Mesmo que ouçam, não saber o que alguém pretende fazer com uma gravação pode causar preocupação a qualquer pessoa que preze pela privacidade.

O aplicativo View do Facebook “promete ser um espaço seguro”, de acordo com uma avaliação, mas o upload de dados por meio do aplicativo View para outros aplicativos do Facebook não deixa claro quais políticas de privacidade se aplicam e como o conteúdo que os óculos gravam podem ser usados. Pessoas que usam Ray-Ban Stories também podem ser submetidas a vigilância adicional. O aplicativo View afirma que os comandos de voz de um usuário podem ser gravados e compartilhados com o Facebook para “melhorar e personalizar a experiência”. O usuário deve escolher a opção de desativar essa configuração para evitar isso.

Quando algumas (mas não todas) das pessoas com quem interagimos estão usando os Ray-Ban Stories, podemos não ser capazes de cooperar totalmente uns com os outros. Podemos não querer ser gravados. Ou, se não tivermos os óculos do Facebook ou não estivermos no Facebook, talvez não possamos participar de atividades sociais da mesma forma que fazemos com os Ray-Ban Stories.

Até agora, o Facebook não tinha um dispositivo portátil de hardware no mercado que funcionasse com um telefone celular e software de back-end, e está claro que a empresa é nova nisso. Ele lista apenas cinco regras de “responsabilidade” para as pessoas que compram os óculos. Acreditar que as pessoas realmente cumprirão essas regras é ingênuo ou muito otimista.

Esses óculos são o primeiro passo do Facebook em direção à construção de um ecossistema completo de hardware para as próximas tentativas da empresa de criar o metaverso. Com o Ray-Ban Stories, ele ganhou novos recursos para coletar dados sobre o comportamento, localização e conteúdo das pessoas, mesmo que a empresa ainda não use essas informações, à medida que trabalha em direção a objetivos mais ambiciosos.

Enquanto o Facebook conduz um enorme teste beta em nossos espaços públicos, as pessoas preocupadas ficarão ainda mais alertas em público e podem até tomar medidas evasivas, como usar chapéus ou óculos, ou se afastar de qualquer pessoa que use Ray-Bans. Se o Facebook adicionar a tecnologia de reconhecimento facial a esses óculos no futuro, como a empresa está considerando, as pessoas terão que encontrar novas contramedidas. Isso nos rouba a paz.

O Ray-Ban Stories já está à venda nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Irlanda, Itália e Austrália. A maneira como as pessoas usam e respondem ao dispositivo varia muito entre os países que têm diferentes normas sociais, valores, leis e expectativas de privacidade. O Facebook pode ser uma das primeiras empresas a tentar implantar óculos de câmera inteligente, mas não será a última. Muitas outras versões virão, e precisaremos olhar não apenas para Ray-Bans, mas para todos os tipos de dispositivos que nos gravam de maneiras mais sutis.

Agora saia e compre algumas armações pretas grandes,

Com lentes tão escuras que eles nem saberão seu nome,

E a escolha é sua, pois elas vêm em dois tipos,

Com imitação de brilhantes ou óculos de sol baratos.

—ZZ Top

S.A. Applin é um antropólogo e consultor sênior cuja pesquisa explora as áreas da atividade humana, algoritmos, Inteligência Artificial e automação no contexto de sistemas sociais e sociabilidade. Você pode encontrar mais em @anthropunk, sally.com, e PoSR.org.


Saiba mais sobre os óculos do Facebook na análise de Rafael Coimbra:

Nossos tópicos