A política espacial está finalmente entrando no século 21
Natureza e espaço

A política espacial está finalmente entrando no século 21

Três grandes conclusões da Conferência de Segurança do Espaço Exterior de 2021 da ONU.

Nunca houve tanto movimento no espaço como agora. A atividade comercial explodiu ao longo dos últimos cinco anos, à medida que empresas espaciais privadas lançaram foguetes, colocaram satélites em órbita e licitaram missões à lua.

Mas alguns especialistas temem que essa onda de atividade esteja indo muito à frente dos acordos internacionais que regulam quem pode fazer o quê no espaço. A maioria dessas políticas foi escrita e adotada muito antes do aquecimento do setor espacial comercial.

Agora, os países estão percebendo que precisam atualizar esses acordos. No final de setembro, o Instituto Das Nações Unidas Para Investigação Sobre Desarmamento realizou sua Conferência Anual de Segurança do Espaço Exterior em Genebra, Suíça (os participantes tiveram a opção de comparecer de forma virtual ou pessoalmente). Durante dois dias, diplomatas, pesquisadores e oficiais militares de todo o mundo se reuniram para discutir ameaças e desafios, controle de armas e segurança espacial. Suas conversas permitiram vislumbrar como seriam as novas políticas espaciais.

Aqui estão algumas das lições mais importantes.

Uma corrida armamentista pode estar se formando

Alguns especialistas temem que o espaço possa se transformar no próximo campo de batalha. O uso de tecnologias de contraespaço tem aumentado. Por exemplo, a Rússia e a China realizaram recentemente testes de mísseis antissatélite, e os EUA há muito possuem capacidades semelhantes.

“Afirmo que estamos assistindo ao desenrolar de uma corrida armamentista”, disse Benjamin Silverstein, analista de pesquisa para o projeto espacial do Carnegie Endowment for International Peace. “Provavelmente já ultrapassamos o ponto em que é prudente concentrar nossos principais esforços na prevenção dessa situação”.

Silverstein disse que, em vez de dissuasão, as novas políticas devem se concentrar em mitigar as consequências negativas desta corrida armamentista. Ele instou os Estados a usarem as Nações Unidas e seus recursos diplomáticos para esclarecer e melhorar as relações entre atores rivais.

Haiyang Lai, vice-diretor do Ministério de Relações Exteriores da China, apontou que futuros conflitos no espaço podem prejudicar a segurança de mais do que apenas os países envolvidos. Ele citou a criação da Força Espacial dos EUA como prova de que pelo menos um país já declarou publicamente o espaço como o próximo campo de combate.

“Acreditamos fortemente que a guerra espacial não pode ser vencida e não pode ser travada”, disse ele.

Tratados devem ser atualizados

A partir deste ano, 111 nações já assinaram o Tratado do Espaço Sideral, de 1967, que proíbe atividades militares nos corpos celestes. O primeiro documento internacional a se comprometer com a preservação do caráter pacífico do espaço e nasceu em uma época em que a ameaça de uma guerra nuclear dominava a opinião pública.

Hoje, o comércio espacial depende muito da lei do devido respeito, ou do princípio de que os estados devem respeitar e levar em consideração os interesses de outros estados. Mas com a proliferação de entidades comerciais e não governamentais no espaço, algumas nações concordam que é hora de mudar as regras.

“O espaço está se tornando cada vez mais congestionado”, disse Abimbola Alale, diretor-gerente da Nigerian Communications Satellite Limited, que cria o potencial para mais conflitos e colisões. Embora os estados sejam atualmente responsáveis ​​por suas próprias atividades espaciais nacionais, bem como por empresas espaciais privadas que operam dentro de suas fronteiras, os membros do painel concordaram que, ao contrário do Tratado do Espaço Sideral de 1967, qualquer tratado futuro deve levar em consideração os direitos e obrigações de atores não-estatais.

A tecnologia certa pode ajudar

Especialistas dizem que é possível usar a tecnologia para ajudar a regular o tráfego espacial e a defesa, mas isso exigirá o desenvolvimento de uma melhor “consciência da situação espacial”, um termo que se refere a manter o rastreamento de objetos em órbita e prever onde eles estarão a qualquer momento. Embora haja algumas limitações para fazer isso, muitos atores estatais e privados já contam com sistemas de rastreamento para operar com segurança no espaço.

Tecnologias como telescópios melhoraram muito na última década e, combinadas com computadores mais poderosos, agora oferecem uma imagem mais clara das atividades espaciais. Como vários painelistas apontaram, porém, o futuro da segurança espacial depende em parte de quão bem esses e outros avanços podem ajudar os países e empresas a entenderem os planos e motivos uns dos outros.

No entanto, Silverstein disse que antes de chegarmos a qualquer acordo que potencialmente resolva nossos desafios espaciais, devemos tentar resolver nossas diferenças primeiro.

“Os sistemas espaciais estão inextricavelmente ligados a tudo o que fazemos na Terra”, diz ele. “É muito difícil dizer que podemos enfrentar uma corrida armamentista no espaço sem abordar as situações terrestres”.

Nossos tópicos