“Parem de dar doses de reforço até que mais pessoas do mundo sejam vacinadas”, diz a OMS
Biotecnologia

“Parem de dar doses de reforço até que mais pessoas do mundo sejam vacinadas”, diz a OMS

A agência global de saúde pediu uma moratória para todos os reforços até o final de setembro.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu a suspensão de qualquer dose de reforço até o final de setembro, para que mais pessoas em países de baixa renda possam ser vacinadas primeiro.

O diretor-geral da agência, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que mais de 4 bilhões de doses de vacina já foram administradas globalmente, mas 80% delas foram para países mais ricos.

E ele disse que enquanto os países de alta renda administraram quase 100 vacinas para cada 100 pessoas, os países mais pobres administraram apenas 1,5 para 100 pessoas.

“Eu entendo a preocupação de todos os governos em proteger seu povo da variante Delta”, disse ele em coletiva de imprensa. “Mas não podemos aceitar que os países que já usaram a maior parte do suprimento global de vacinas usem ainda mais, enquanto as pessoas mais vulneráveis ​​do mundo permanecem desprotegidas”.

Ele disse que uma moratória aos reforços até o final de setembro permitiria que pelo menos 10% da população de cada país fosse vacinada. Casos de infecção e mortes estão aumentando na África, já que a variante Delta não é controlada, anunciou a OMS em 3 de agosto. As mortes aumentaram 80% apenas nas últimas quatro semanas, enquanto menos de 2% da população do continente está totalmente vacinada.

A intervenção mais recente da OMS ocorre no momento em que vários países começaram a anunciar vacinas de reforço ou estão considerando fazê-lo. Israel começou a administrar a terceira injeção no mês passado, e França, Alemanha e Emirados Árabes Unidos anunciaram planos para iniciar um programa de reforço. Outros, como o Reino Unido e os Estados Unidos, ainda estão considerando isso. Os EUA compraram doses adicionais da vacina Pfizer, mas não tomaram nenhuma decisão sobre se devem começar a implementá-las.

O conhecimento científico sobre se os reforços são necessários ainda é incerto. “As evidências estão evoluindo, estão aparecendo”, disse Kate O’Brien, diretora de imunizações da OMS, a repórteres na coletiva. “Não temos um conjunto completo de evidências sobre se isso é necessário ou não”.

A Pfizer divulgou dados no mês passado que sugeriam que uma terceira dose fornecia uma forte proteção adicional contra a variante delta. Mas os esquemas de vacinas existentes demonstraram oferecer boa proteção contra todas as principais variantes preocupantes.

No entanto, a OMS deseja redirecionar a atenção para obter uma proporção maior da população mundial vacinada antes que os países considerem qualquer tipo de reforço. A agência tem como meta vacinar 40% da população mundial até o final do ano e 70% até meados de 2022.

“Precisamos de uma reversão urgente do quadro onde a maioria das vacinas indo para países de alta renda passe a ser a maioria indo para países de baixa renda”, disse Tedros, que pediu aos fabricantes de vacinas para se concentrarem na doação para COVAX, o esquema estabelecido para distribuir vacinas aos países mais pobres. No final de julho, ele afirmou que este sistema precisava de uma grande injeção de fundos para atingir seus objetivos.

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse que a OMS apresentou uma “falsa dicotomia” e afirmou à AP que os EUA teriam vacinas suficientes para doar aos países mais pobres e, ao mesmo tempo, poderiam administrar vacinas de reforços, se necessário.

Nossos tópicos