Os novos paradigmas das entregas de Soluções de Produtos e Serviços digitais
Negócios e economia

Os novos paradigmas das entregas de Soluções de Produtos e Serviços digitais

O ano de 2020 começou com expectativas otimistas em muitos segmentos. No entanto, logo no início do ano, foram confirmados os primeiros casos de Covid-19, que se espalharam rapidamente e culminaram em uma crise mundial, fazendo com que todas as economias do mundo sofressem impactos negativos.

Diante desse cenário, mais do que nunca, o desafio de muitas empresas agora é criar experiências engajadoras e relevantes para os usuários e consumidores. Elaborar estratégias diferenciadas e inovadoras pode ser uma maneira de impulsionar o crescimento dos negócios e fidelizar clientes, mesmo diante de uma crise.

Com a maioria dos serviços offline parados por conta da pandemia, e os padrões de comportamento de consumo mudando dia após dia, o digital se faz cada vez mais essencial para entregar soluções às necessidades que as pessoas estão passando (e descobrindo) diariamente, seja para ajudar com alternativas de como cozinhar mais com menos, ou até de como fugir do tédio. Com o reforço do direcionamento consumer-centered, é importante unir as forças de User Experience, junto com Customer Experience e Service Design na entrega de produtos e serviços que gerem valor e tragam resultados não só para as empresas, mas principalmente para o dia a dia dos consumidores.

Para 2020, o relatório de tendências da consultoria Gartner se baseou em duas categorias: “como a tecnologia digital é experimentada e como as experiências digitais serão construídas. […] o que significa que oferecer uma experiência digital que garanta um resultado mensurável exigirá excelência criativa e execução consistente do processo”. E, dentre as tendências apresentadas, estão por exemplo a multiexperiência (mesclar toque, voz e gesto na jornada digital de um consumidor em um dispositivo ou aplicativo), as máquinas sem interface (abandono dos modelos de interface própria e tradicionais – com a substituição pelos aplicativos que podem ser executados diretamente nos próprios dispositivos móveis dos consumidores) e o design inclusivo (princípio que busca a melhor maneira de atender as necessidades especiais de todas as comunidades possíveis – abrangendo não só deficiências físicas, mas também sensibilidades culturais e padrões de comportamento).

Se a transformação digital já era um tema que fazia parte das discussões corporativas, agora virou pauta diária. Com as novas regras de distanciamento social e a preferência pelo ambiente online, as empresas têm um desafio em dobro: como migrar de vez para o online e trazer inovação para seus produtos/serviços. Afinal, o que antes era desejo agora virou necessidade. As pessoas querem tudo cada vez mais rápido e urgente e cada vez mais comprar experiências, e não apenas produtos – o que traz à tona a ideia de Don Norman de que “nenhum produto é uma ilha. Um produto é mais que um produto. É um compilado coerente e integrado de experiências”. E isso vale para todas as esferas, desde produtos físicos, digitais, B2C ou B2B – independente do setor, muitas das pessoas e as expectativas são as mesmas.

Mas, no paralelo, temos uma crise mundial afetando drasticamente a economia da maioria dos países. As empresas estão com os orçamentos comprometidos e fazendo todos os esforços possíveis para não perderem funcionários e até mesmo a própria marca. Cada investimento precisa ser milimetricamente calculado. Não há espaço para erros básicos. E, os consumidores, ao mesmo tempo em que precisam economizar e acabam fazendo suas compras priorizando as necessidades do dia a dia, também buscam por serviços que ajudem a manter sua saúde – física e mental – em casa. A compra por impulso está perdendo força e as pessoas passam a ser muito mais críticas nas escolhas, o que torna o cenário mais e mais difícil para empresas que ainda estão distantes da transformação digital e da inovação.

Então chegamos no ponto chave desta equação que, apesar de estar na lista de tendências, poderia ser considerada uma premissa para que qualquer projeto digital seja executado com excelência e para que os tais “desejos do consumidor” sejam atendidos: o Renascimento da pesquisa de UX. Segundo Gartner, “A pesquisa de UX e as metodologias de teste associadas trazem insights humanos essenciais para que as iniciativas de design sejam bem sucedidas. Cada vez mais, o valor de entender os usuários, o que eles fazem e por que fazem tal ação é visto como um diferencial para as organizações. A pesquisa de UX identifica os recursos e os designs que os produtos ou experiências devem ter para impulsionar o uso, a satisfação do cliente, a lealdade e o ROI”.

Em um cenário onde falamos de estratégias omnichannel, uso de IOT, inteligência artificial, inclusão digital, e muitas outras ideias tecnológicas, é preciso sempre reforçar: de nada adianta o investimento se as necessidades do consumidor não forem levadas como ponto chave de cada decisão. Os processos precisam ser cada vez menos produtos e muito mais pessoas. E isso só reitera a importância do time de “experiências”, com os profissionais de UX (que focam no design de um único ponto de contato do cliente por vez), de CX (que orquestram todos os pontos de contato de todos os canais) e o SD (que consideram todos os canais e pontos de contato – de uma perspectiva organizacional) que fazem com que todo esse processo seja otimizado para entregar o melhor produto em todos os aspectos: branding, design, usabilidade e função – e sem necessariamente ter um produto 100% perfeito e sim, um que atenda 100% aos desejos e necessidades dos consumidores.

A verdade é que não sabemos por quanto tempo ficaremos nesse cenário de crise, distanciamento e incertezas, e se esse novo “normal” será de fato o nosso futuro. O mais importante são os aprendizados que o período está nos proporcionando. Cada vez mais as empresas precisam se reinventar e inovar de forma rápida e eficaz. O mundo está sempre em mudança, e em tempos de crise essas mudanças se fazem cada vez mais urgentes. Para isso, é importante contar com os profissionais de UX, CX e SD, sempre colocando o consumidor no centro de todas as decisões, para entregar a melhor experiência e atender suas reais necessidades.

Nossos tópicos