Organizações exponenciais mudam seus mercados e sobrevivem – e por isso você precisa inovar!
Inovação

Organizações exponenciais mudam seus mercados e sobrevivem – e por isso você precisa inovar!

Como as organizações exponenciais podem ser um potente modelo a ser seguido pelos mais diversos empresários? E quais os negócios inovadores que têm tudo para serem grandes apostas de crescimento?

Crescimento acima da média, capacidade de atender muitos clientes com baixo custo e inovar de maneira rápida. Se você é um empreendedor, com certeza já desejou que essas características correspondessem à realidade da sua empresa. Criar negócios altamente escaláveis e duráveis é um desafio para muitos empreendedores.

Uma pesquisa feita com mais de 500 CEOs realizada pela KPMG mostrou que 45% dos entrevistados globais acreditam que os negócios só devem voltar ao normal em 2022. Apesar disso, 66% deles estão confiantes no crescimento de suas empresas nos próximos 3 anos. 2020 foi um verdadeiro desafio para os empreendedores da maior parte dos mercados, apesar disso, muitos negócios se destacaram em meio às adversidades, e as organizações exponenciais com capacidade de reinvenção se destacaram em alguns setores.

O que são organizações exponenciais?

Possivelmente você já escutou alguém utilizar o termo exponencial para definir uma empresa. Mas, o que ele realmente significa e como saber se uma organização é realmente exponencial?

A melhor maneira de responder essa pergunta é recorrer à principal fonte sobre esse assunto no mercado. Em 2014, Salim Ismail, Yuri Van Geest e Michael S. Malone lançaram o livro sobre esse modelo de organização. Intitulado aqui no Brasil como “Organizações exponenciais: por que elas são 10 vezes melhores, mais rápidas e mais baratas que a sua (e o que fazer a respeito)”, o livro é um guia para criar negócios escaláveis. Segundo os autores, as organizações exponenciais são aquelas que criam formas, negócios ou metodologias disruptivas e inovadoras, que fazem com que seus resultados sejam pelo menos dez vezes melhores e mais impactantes que as empresas tradicionais.

As organizações exponenciais utilizam da tecnologia e da inovação para gerar resultados significativos de maneira ágil e com custos reduzidos. Existem alguns princípios norteadores desse modelo, são os 6D:

Digitalização: criar negócios cada vez mais digitais deve ser uma das principais preocupações das organizações que querem tornar-se exponenciais. É a partir da digitalização que as empresas podem tornar os processos mais ágeis, reduzir custos, e claro, inovar.

Decepção: faz parte do processo de criação de uma organização exponencial, a decepção pode acontecer nos estágios iniciais das empresas, em que o negócio ainda não atingiu a capacidade de escalabilidade. Mas, é preciso aprender com essas dores, levando esses aprendizados para que a organização ganhe mais maturidade.

Disrupção: é um aspecto fundamental para as organizações se destacarem, e partir dela que se consegue pensar diferente, enxergar mercados e caminhos futuros e colocar em prática metodologias inovadoras e diferenciadas.

Desmaterialização: diz respeito à descentralização dos artefatos físicos. As organizações exponenciais precisam ter o “mindset em nuvem” mais do que qualquer outra. Os dados e ferramentas precisam estar disponíveis em qualquer lugar e a qualquer momento. A possibilidade de trabalho remoto também pode ser uma das características dessas organizações. Ademais, a desmaterialização faz a empresa ganhar em agilidade.

Desmonetização: quando a empresa começa a apresentar um fluxo sólido de crescimento, torna-se possível oferecer serviços a um custo menor, dessa maneira, pode-se conseguir também um alto volume de clientes. A partir do aprendizado e da observação de padrões, é possível reduzir valores da produção de produtos e serviços diversos. Por exemplo, construir do zero um software personalizado para um cliente pode ter um custo mais elevado, mas a partir do momento de desenvolver essa primeira solução, é possível replicar suas bases, oferecendo-as para outros clientes.

Democratização: trata-se de oferecer serviços a variados tipos de mercados e clientes. Muito dessa democratização é viabilizada pelo passo anterior, a desmonetização.

Construir organizações exponenciais está muito ligado a capacidade das empresas se adaptarem e se reinventarem e, dessa forma, sobreviverem às adversidades, fazendo com que elas tenham um forte diferencial competitivo no mercado.

Organizações exponenciais versus tradicionais

Até aqui, você já deve ter imaginado que o modelo de pensamento exponencial não é uma realidade para todas as empresas. A verdade é que a menor parte delas tem esse tipo de atributo. Tudo começa a partir da construção de uma cultura organizacional, as empresas com culturas mais rígidas tendem a ter dificuldade de criar negócios tão escaláveis com rapidez, isso acontece porque normalmente os processos são mais burocráticos, com infinitas camadas de hierarquia e longas etapas para se criar novas metodologias, serviços e produtos.

Muitas vezes, nas organizações tradicionais, mesmo que os colaboradores sejam verdadeiros intraempreendedores, eles não têm abertura para inovar, às vezes, sequer para dar novas ideias. Por isso, os colaboradores também precisam encontrar identificação no modelo organizacional das instituições, bem como, a empresa necessita fazer a contratação de funcionários levando em consideração seus atributos.

Eu costumo dizer que a corrida das empresas não é mais o maior contra o menor, a corrida da vez é sobre velocidade, e as organizações exponenciais se destacam nesse aspecto. A agilidade é fundamental para a escalabilidade e para entregar valor aos clientes com menos custo e muita rapidez. Mas, engana-se quem pensa que as organizações exponenciais não estão preocupadas com qualidade, não é porque os produtos e soluções são entregues de maneira rápida, que a qualidade fica a desejar. A rapidez na entrega está ligada a ausência de longos processos burocráticos, atuação com tecnologias modernas, forte capital intelectual dos colaboradores e o grande senso de aprendizado ao utilizar as experiências de projetos anteriores, além de uma preocupação constante em entender as dores dos clientes e conectá-las com as soluções.

As organizações exponenciais têm o pensamento disruptivo, por isso, a inovação é uma constante dentro dessas empresas. Pensando nisso, o próximo passo desse artigo é analisar alguns modelos de negócios inovadores.

Modelo de negócios inovadores

Chegamos até aqui, e se você está se perguntando quais são os caminhos para descobrir modelos de negócios que podem ser exponenciais, eu te respondo que os negócios inovadores possuem um grande potencial para isso. A seguir, alguns exemplos desses formatos:

Economia compartilhada

Quando pensamos em economia compartilhada, a primeira coisa que nos vem à mente são negócios como Uber e Airbnb. Sim, esses são bons exemplos, mas, aqui, proponho que o nosso pensamento vá um pouco além. Por que negócios como a Uber e Airbnb fizeram tanto sucesso em países diversos? Quais são outros modelos de negócios de economia compartilhada que temos a oportunidade de desbravar?

Os primeiros negócios desse modelo surgem em meio à crise financeira dos anos de 2008. De um lado, quem utiliza os serviços passa a buscar por produtos com custos menos elevados, e de outro lado, diversos desempregados passam a ver na economia compartilhada uma opção de geração de renda.

Para esse modelo funcionar, temos inicialmente o empreendedor que observou o cenário e viu a oportunidade de desenvolver um negócio inovador, ou seja, um pensamento disruptivo. Além disso, temos também outra característica de uma empresa exponencial: o uso da tecnologia para facilitar o processo, já que a maioria das iniciativas de economia compartilhada utilizam sites ou apps.

Atualmente, muito além dos gigantes da economia colaborativa, temos outras empresas observando cenários e desbravando o mundo desse tipo de negócio. Vou citar aqui, dois exemplos de negócios desse modelo que surgiram em Minas Gerais: a Allugator, que oferece locação de aparelhos eletrônicos, a Singu, que oferece serviços de salão de beleza no modelo delivery.

Segundo uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, 74% dos brasileiros já usaram alguma modalidade de consumo colaborativo pelo menos uma vez. Aalém disso, 88% estão predispostos a consumir de forma colaborativa. Ou seja, esse modelo de negócio tende a crescer cada vez mais.

People as a service

Certamente, você já escutou falar no termo SaaS, que é a venda de softwares como serviços, assim como o termo IaaS, que significa infraestrutura como serviço. O termo que talvez poucas pessoas tenham escutado no Brasil é o people as a service, que significa pessoas como serviço.

Se formos pensar em um modelo de gestão semelhante a esse, podemos citar o outsourcing, que é um formato em que uma empresa contrata outra organização e seus funcionários para desempenhar funções específicas. Essa forma de negócio é utilizada muitas vezes com o objetivo de redução de custos, mas uma das grandes diferenças dele para o People as a Service é que neste último o objetivo está para além dos custos, já que foca também em contratar temporariamente pessoas que possuem soft skills e hard skills específicas para desenvolvimento de um projeto. Outro diferencial do People as a Service é contratar profissionais específicos, equipes ou squads inteiros para realizar um projeto, muitas vezes de maneira remota.

Ademais, o fator exponencial desse modelo está relacionado à redução de custos, a possibilidade do trabalho a distância e do aproveitamento do aprendizado para produzir negócios com cada vez mais agilidade. Apostar em negócios do modelo people as a service é percorrer caminhos que ainda não são muito aproveitados e desenvolver negócios inovadores. Aqui, posso relatar o exemplo que vivemos na própria Samba Digital, ao oferecer a opção de people as a service para os nossos clientes, com a locação de squads, recebemos vários feedbacks de como o repertório digital, design de negócios e assertividade na seleção garantiu uma entrega de projetos de maneira mais ágil e com mais qualidade, tornando mais possível a construção de uma organização exponencial.

Neste modelo, um dos diferenciais é contar com uma empresa por trás de todo o gerenciamento dos projetos e cuidado com os colaboradores. Esse é um dos aspectos que tornam esse formato ainda mais eficaz.

Buy one Give one

Para além das vitrines e e-commerces, os consumidores estão cada dia mais preocupados em conhecer profundamente as marcas que consomem. Especialmente as gerações mais jovens preocupam-se com como as marcas têm lidado com assuntos de impacto social. E as empresas têm percebido esse comportamento, não é à toa que diversas organizações já chegaram até a encerrar contratos com influenciadores digitais com atitudes que não correspondiam ao público alvo da marca, por exemplo.

Segundo um estudo da Capgemini, 79% dos consumidores compram com base na responsabilidade social ou impacto ambiental. Nesse sentido, negócios que utilizam o modelo Buy One Give One são grandes destaques. O modelo funciona com a venda de produtos com caridade embutida, ou seja, a cada produto comprado há uma doação para pessoas em situação de vulnerabilidade ou instituições.

Mas, por que esse tipo de negócio é inovador e tende a ser exponencial?

O comportamento do consumidor mudou muito, o consumo desenfreado vem ganhando novos olhares, novas análises e o consumo consciente já é uma realidade para grande parte dos consumidores. Environmental, Social, and Governance (ESG) devem ser uma preocupação das empresas que querem se destacar. No Brasil, por exemplo, temos a varejista de vestuários Reserva, que a cada peça de roupa vendida tem o compromisso de viabilizar a entrega de 5 pratos de comida para pessoas em situação de vulnerabilidade.

Criar soluções inovadoras tem a ver com resolver as dores dos clientes, e o modelo de buy one give one, mostra que ser exponencial é pensar nas dores como um todo, resolvendo problemas e causando impacto social.

Para criar uma organização exponencial é preciso observar o mercado, não ter medo de mudar e tampouco de inovar. Novas instituições são abertas diariamente, para você ter uma ideia, segundo dados do Ministério da Economia, em Curitiba é possível formalizar uma empresa em 22 horas. Mas, quantas delas representam negócios inovadores e quantas têm potencial para se tornarem negócios exponenciais?

Este artigo está chegando ao fim, mas a minha certeza é que essa é uma discussão que só começou. Almejo que esse texto tenha causado inquietações, e que a sua empresa comece a trilhar os caminhos para se tornar exponencial e inovadora, sem medo de errar e com um sonho grande para conquistar.

Nossos tópicos