ONU deposita esperanças em tecnologias de remoção de carbono que quase não existem
Natureza e espaço

ONU deposita esperanças em tecnologias de remoção de carbono que quase não existem

O planeta está a caminho de ultrapassar níveis de aquecimento muito perigosos, deixando-nos com cada vez menos opções.

O tão esperado relatório climático da ONU, o Sixth Assessment Report (AR6), divulgado no dia 9 de agosto, ofereceu um lembrete importante de que a remoção de grandes quantidades de dióxido de carbono da atmosfera será essencial para prevenir os perigos mais graves do aquecimento global. Mas também ressaltou que as tecnologias necessárias quase não existem — e serão tremendamente difíceis de implantar.

As temperaturas globais continuarão subindo até meados do século, não importa o que façamos neste momento, de acordo com a primeira edição do sexto relatório de avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, como é mais conhecido). Quanto mais quente ficará, no entanto, dependerá da rapidez com que cortamos as emissões e com que ampliamos as formas de absorver o dióxido de carbono do ar.

Os cientistas do clima dizem que precisaremos remover o carbono, em parte, para equilibrar as fontes de emissões que ainda não sabemos como eliminar ou limpar, como voos em aviões e o uso de fertilizantes. A outra razão, mais sinistra, é que talvez tenhamos que reverter o planeta depois que ele cruzar os perigosos limiares de temperatura.

O relatório da ONU descobriu que os gases de efeito estufa provavelmente elevarão as temperaturas mundiais a pelo menos 1,5 ° C acima das condições pré-industriais nos próximos 20 anos, alimentando ondas de calor, inundações e secas mais comuns e severas. Quando isso acontecer, a remoção de carbono será essencialmente a única maneira de trazer a mudança climática de volta a uma condição mais segura, porque o gás do efeito estufa persiste por centenas a milhares de anos na atmosfera. (Uma última alternativa é, talvez, alguma forma de geoengenharia que reflita o calor de volta ao espaço, mas essa ideia controversa apresenta todos os tipos de preocupações.)

O modelo usado para criar o cenário mais otimista no relatório, que limita o aquecimento a 1,5˚C, assume que o mundo descobrirá maneiras de remover cerca de 5 bilhões de toneladas de dióxido de carbono por ano em meados do século, e 17 bilhões em 2100. (O cenário é conhecido como SSP1-1.9, e esses números são baseados em uma análise de dados anteriores por Zeke Hausfather, um cientista do clima do Breakthrough Institute e colaborador da avaliação da ONU.)

Isso requer o desenvolvimento de tecnologias e técnicas capazes de extrair anualmente da atmosfera tanto CO2 quanto a economia dos Estados Unidos emitiu em 2020. Em outras palavras, o mundo precisaria criar um novo setor de sucção de carbono que opere na escala das emissões de todos os carros, usinas de energia, aviões e fábricas da América nos próximos 30 anos ou mais.

Só poderíamos eliminar menos se reduzirmos as emissões ainda mais rápido, nos resignarmos a maiores riscos climáticos, ou ambos.

No modelo acima, quase toda a remoção de carbono é obtida por meio de uma abordagem “artificial” conhecida como bioenergia com captura e armazenamento de carbono, ou BECCS. Basicamente, esse modelo requer o cultivo de safras que consomem CO2 e, em seguida, o uso da biomassa colhida para criar calor, eletricidade ou combustíveis, enquanto captura e armazena as emissões resultantes. Mas, apesar dos bilhões e bilhões de toneladas de remoção de carbono que os modelos climáticos estão apostando por meio do BECCS, isso só foi feito em projetos de pequena escala até agora.

A menor quantidade remanescente de remoção no modelo é feita por meio de soluções “naturais” como reflorestamento e plantio de árvores (veja a ilustração abaixo).

Emissões positivas e negativas em SSP1-1.9

Baseado no modelo de sistema de energia IMAGE usado para produzir o cenário SSP1-1.9 apresentado no AR6.

[Emissões Positivas/Soluções Climáticas Naturais/Remoção de Carbono Artificial/C02 total]

A escala de remoção de carbono necessária no modelo de sistema de energia usado para criar o cenário SSP1-1.9 descrito acima. ZEKE HAUSFATHER, O INSTITUTO DA DESCOBERTA

Sabemos que florestas, solo, turfeiras e outros sistemas naturais absorvem níveis significativos de dióxido de carbono, mas tem se mostrado desafiador desenvolver mercados e sistemas que incentivem, mensurem e verifiquem isso de forma confiável. Enquanto isso, outros enfoques técnicos também não estão maduros, incluindo máquinas de sucção de carbono e várias maneiras de acelerar os processos pelos quais os minerais e os oceanos absorvem e armazenam CO2.

A avaliação do IPCC observou inúmeras outras limitações e dificuldades.

Por um lado, embora a remoção de carbono reduza o nível de gases de efeito estufa na atmosfera, o relatório observa que esse efeito pode ser compensado em algum grau. Estudos de modelagem descobriram que os oceanos e a terra começam a liberar mais CO2 em resposta às mudanças na química atmosférica ao longo de certos períodos de tempo, minando os benefícios.

Além disso, embora a remoção de carbono possa reduzir gradualmente os aumentos de temperatura e a acidificação dos oceanos, ela não reverte magicamente todos os impactos climáticos. Ou seja, ainda levaria séculos para trazer os oceanos de volta aos níveis em torno dos quais construímos nossas cidades costeiras, enfatiza o relatório. Poderia haver quase danos irreversíveis aos mantos de gelo, recifes de coral, florestas tropicais e também a certas espécies, dependendo de quanto mais quente o mundo fica antes de cortarmos profundamente as emissões e aumentarmos a remoção de carbono.

O capítulo cinco do relatório apresenta uma variedade de outras compensações e incógnitas em torno de quase todas as abordagens potenciais para a remoção de carbono em larga escala.

As máquinas de sucção de carbono requerem grandes quantidades de energia e materiais. Plantar mais árvores para sequestro de carbono ou safras para combustíveis irá competir com o cultivo de alimentos para uma população global em expansão.

A própria mudança climática vai minar a capacidade das florestas de absorver e armazenar dióxido de carbono, à medida que os riscos de secas, incêndios florestais e infestações de insetos aumentam com o aumento das temperaturas. E ainda há uma incerteza científica considerável sobre os efeitos colaterais de várias abordagens baseadas no oceano sobre os ecossistemas marinhos.

A boa notícia é que existem várias maneiras de remover o carbono do ar e um número crescente de grupos de pesquisa e empresas estão trabalhando para desenvolver métodos melhores e mais baratos. Mas, como o relatório deixa claro, estamos ficando para trás em uma corrida com apostas muito altas.

Nossos tópicos