Ondas de rádio da Terra atingiram dezenas de estrelas
Natureza e espaço

Ondas de rádio da Terra atingiram dezenas de estrelas

À medida que continuamos nossa busca por vida extraterrestre, um novo estudo estima quantos outros mundos já podem ter nos vistos.

Por bilhões de anos, a Terra tem jogado um jogo cósmico de esconde-esconde.

Uma nova pesquisa publicada em 23 de junho na revista Nature postula que cerca de 1.700 estrelas estão na posição certa para terem detectado vida na Terra há 5.000 anos. Essas estrelas, a 100 parsecs (ou cerca de 326 anos-luz) do Sol, foram encontradas usando dados do Transiting Exoplanet Survey Satellite da NASA e da missão Gaia da Agência Espacial Europeia.

E com milhares de exoplanetas já encontrados orbitando outras estrelas em nosso universo, poderíamos já ter visto vida em outros planetas surgir e desaparecer? Será que eles nos viram?

“O universo é dinâmico”, diz Lisa Kaltenegger, diretora do Carl Sagan Institute na Universidade Cornell, e principal autora do estudo. “As estrelas se movem, nós nos movemos. Primeiro, a Terra gira em torno do sol, mas o sol gira em torno do centro de nossa galáxia”.

Cerca de 70% dos exoplanetas são encontrados usando o método de trânsito: quando um planeta passa entre uma estrela e um observador, a estrela escurece o suficiente para confirmar a presença de um corpo celeste previamente invisível.

Kaltenegger e a co-autora Jackie Faherty, do Museu Americano de História Natural, compilaram uma lista de estrelas que verão ou viram a Terra em trânsito durante suas vidas. Destas, elas encontraram sete estrelas com exoplanetas potencialmente habitáveis em suas órbitas.

Estatisticamente, uma em cada quatro estrelas tem um planeta que existe na “zona de Cachinhos Dourados” — nem muito quente, nem muito frio, e suficientemente longe de uma estrela para sustentar a vida. Mas como determinar se exoplanetas distantes atendem a esses critérios?

Quando os exoplanetas em trânsito bloqueiam a luz estelar, parte dessa luz passa para a atmosfera. Energia e luz interagem com as moléculas e átomos desse planeta e, quando a luz atinge o telescópio de um astrônomo, os cientistas conseguem determinar se ela interagiu com substâncias químicas como oxigênio ou metano.

A combinação dos dois, diz Kaltenegger, é a impressão digital para a vida.

“O que é realmente interessante é que as pessoas poderiam ter visto que a Terra era um planeta habitável há cerca de 2 bilhões de anos, por causa do acúmulo de oxigênio na atmosfera”, diz ela.

A ideia de estudar trânsitos para descobrir se estamos sendo observados não é novidade. Kaltenegger atribuiu grande parte de sua inspiração a um plano que o Instituto SETI, que busca por inteligência extraterrestre, teve na década de 1960.

Em 1960, um radioastrônomo chamado Frank D. Drake foi a primeira pessoa a tentar detectar transmissões de rádio interestelares, focando em duas estrelas a 11 anos-luz de distância e com idade semelhante à do nosso sol. Embora essa tentativa tenha sido malsucedida, cientistas e entusiastas amadores continuaram procurando por esses sinais desde então.

Entretanto, se os sinais que enviamos estão sendo recebidos é uma questão completamente diferente. No novo estudo, Kaltenegger e Faherty relataram que ondas de rádio feitas pelo homem já haviam percorrido as 75 estrelas mais próximas de sua lista.

Mesmo que a humanidade venha emitindo ondas de rádio há cerca de 100 anos, isso não é nada comparado com os bilhões de anos de evolução planetária da Terra.

Enquanto isso, grande parte de nossa própria vizinhança solar ainda está inexplorada, mas é aí que as missões como TESS, Gaia e Kepler entram. O TESS passa meses olhando para diferentes setores do universo em sua procura por exoplanetas, e o Gaia busca criar um mapa tridimensional de toda a Via Láctea. Contudo, o Kepler foi feito para observar um pedaço do céu por períodos mais longos – a maneira perfeita de detectar exoplanetas usando o método de trânsito.

“Uma das grandes vantagens do Kepler e do Gaia é que eles foram capazes de observar as estrelas por um período longo de tempo”, diz Douglas Caldwell, pesquisador do SETI e cientista de instrumentos para a missão Kepler.

Caldwell diz que missões dedicadas a objetivos científicos específicos, como o Gaia, oferecem um tipo de precisão que ele espera ser um bom agouro para futuras descobertas astronômicas.

“O espaço é muito, muito grande, e essas estrelas estão todas muito longe de nós, em comparação com o que estamos acostumados como pessoas”, diz ele. “Estamos olhando para nossos vizinhos mais próximos e tentando entender nossa pequena vizinhança na galáxia”.

Embora, do nosso ponto de vista atual, ainda possamos ser invisíveis para qualquer civilização extraterrestre, é bom pensar que um dia conseguiremos dizer olá.

Nossos tópicos