O que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) diz que você pode fazer uma vez que for vacinado — e o que não
Biotecnologia

O que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) diz que você pode fazer uma vez que for vacinado — e o que não

Nos Estados Unidos, voltar a reuniões em pequenos grupos sem máscaras é um grande passo. Mas ainda há dúvidas sobre o que é seguro e o que é justo.

Americanos totalmente vacinados agora podem se reunir em ambientes fechados,  sem  máscara  e sem distanciamento — contanto que seja com outras pessoas que tomaram suas vacinas, de acordo com a  nova orientação  dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

O parecer, que vem à medida que a vacinação continua ganhando velocidade na América do Norte, é um sinal positivo para quem já tomou uma série de doses da vacina.  Mas mostra que ainda não sabemos muito sobre como o vírus se comporta — e deixa muitas perguntas sobre quem pode fazer o quê e o que é justo.

Três coisas que a nova orientação do CDC diz:

Ambientes fechados,  sem o uso de máscara, e encontros sem distanciamento são aceitos,  conquanto indivíduos tenham sido totalmente vacinados por pelo menos duas semanas.  O CDC diz que encontros de médio e grande porte ainda devem ser evitados, embora não especifique um número de pessoas para uma reunião pequena.

Em público, mantenha sua máscara e continue a se distanciar dos outros.  Quando você está fora de casa em sua comunidade, no trem ou no supermercado, você pode cruzar com pessoas que ainda não foram vacinadas.

Pessoas vacinadas e não vacinadas podem se reunir, com limitações.  Se você for vacinado, o CDC diz que você pode visitar locais fechados sem máscara com pessoas não vacinadas de  outra família.  Existem considerações importantes discutidas abaixo, como o perfil de saúde das pessoas não vacinadas envolvidas.

Três coisas que ainda não foram respondidas:

Se as pessoas vacinadas ainda são consideradas um sério risco de transmissão.  Sabemos que os indivíduos vacinados têm muito menos probabilidade de se infectar e muito menos de transmitir o vírus.  Mas é crucial que as pessoas vacinadas entendam que interagir com outras pessoas que não foram vacinadas ou infectadas carrega “um risco indefinido e finito”, diz Thomas Russo, professor de doenças infecciosas da Universidade de Buffalo.  Esse risco de transmissão pode ser reduzido, mas provavelmente não é zero.

Se as vacinas podem prevenir os efeitos de longo prazo da Covid-19 — e quais são.  Todas as vacinas aprovadas para uso de emergência nos Estados Unidos provaram ser altamente eficazes na prevenção de casos de morte, mas ainda estamos aprendendo sobre os efeitos de longo prazo da Covid-19.  Mesmo pessoas com casos relativamente mais brandos ainda podem lutar contra os sintomas por semanas ou meses.  A aposta mais segura, diz Russo, é fazer tudo o que puder para não se infectar.

Qual deve ser sua tolerância ao risco pessoal.  Embora as diretrizes do CDC digam que reuniões internas sem máscara são aceitáveis ​​entre uma pessoa vacinada e pessoas não vacinadas de uma mesma casa, há um grande alerta: se alguém na casa não vacinada tem um risco aumentado de contrair sintomas graves da Covid-19.

Mesmo que você leia sobre as condições de saúde que comprovadamente aumentam o risco, “ainda há pessoas que acabam pegando doenças graves por motivos que desconhecemos”, diz Russo.  “[As diretrizes] contam com o público para resolver isso”.  Esse cálculo de risco pode ser especialmente complicado se você mora com algumas pessoas que foram vacinadas, mas outras não.  Russo, que mora em uma família mista, diz que está adotando uma abordagem conservadora e sendo o mais cuidadoso possível.

Mais do mesmo … por enquanto

Embora essas novas diretrizes possam dar a algumas famílias a paz de espírito para organizar visitas muito necessárias aos avós, não mudam muito hoje a situação para a grande maioria dos Estados Unidos — especialmente para pessoas de cor.  Uma análise do New York Times  descobriu que os negros eram  sub vacinados em relação à sua população em cada um dos 38 estados que informam sobre raça e etnia para vacinação.  Existe uma lacuna para os hispânicos também.  E embora a nova orientação do CDC se aplique apenas a atividades privadas – não à reabertura pública em grande escala — os bioeticistas  alertaram  que usar o status de vacinação como um pré-requisito para participar da reabertura poderia consolidar ainda mais as desigualdades raciais existentes.

“Precisamos fazer todos os esforços [para garantir] que o processo de vacinação seja equitativo e justo”, diz Russo.  “E ainda estamos lutando para isso”.

Esta história faz parte do  Pandemic Technology Project , apoiado pela Rockefeller Foundation. 

Nossos tópicos