O que é necessário para reconectar Tonga com o resto do mundo após a explosão do vulcão
Humanos e tecnologia

O que é necessário para reconectar Tonga com o resto do mundo após a explosão do vulcão

O mundo aguarda ansiosamente notícias da ilha, mas além da destruição física, a erupção do vulcão a desconectou da internet.

O vulcão submarino Hunga Tonga–Hunga Ha’apai, na costa de Tonga, entrou em erupção várias vezes nos últimos 13 anos, mas a mais recente, em 15 de janeiro, foi provavelmente o episódio mais destrutivo. A explosão teve consequências globais: as ondas causadas pela erupção tiraram a vida de duas pessoas no Peru, a cerca de 10.000 quilômetros de distância.

Mas os resultados da explosão vulcânica sobre os tonganeses que vivem mais perto da zona de impacto ainda não são conhecidos, embora teme-se que o tsunami que se seguiu possa ter matado muitas pessoas e desalojado muitas outras de suas casas. Isso porque Tonga foi repentinamente desconectado da Internet, tornando muito mais difícil coordenar missões de ajuda ou resgate. Em um mundo altamente interconectado, Tonga agora está completamente no escuro e é quase impossível obter informações sobre o que está acontecendo lá. Reestabelecer uma conexão com o país é vital, mas pode levar semanas.

De acordo com dados da empresa de desempenho de sites Cloudflare, o tráfego da Internet caiu para quase zero por volta das 17h30, horário local, em 15 de janeiro. Essa conexão ainda não foi restaurada, diz Doug Madory, da Kentik, uma empresa de observatórios da internet, que monitora o tráfego da web no país.

Ainda não se sabe com certeza a razão pela qual Tonga ficou offline, mas investigações iniciais sugerem que o cabo submarino que conecta sua internet ao resto do mundo foi destruído pela erupção vulcânica.

“Tonga usa essencialmente um único cabo submarino para se conectar à internet”, ressalta Madory. O sistema de cabos de Tonga percorre 827 quilômetros entre Tonga e Fiji, fornecendo serviço de internet para essas duas nações insulares. Antes, essa conexão era apoiada por uma conexão de internet via satélite. “Suponho que desta vez eles não poderão fazer isso, devido a alguma falha técnica que os impede de ir para aquela outra conexão”, diz Madory, que acredita que as ondas resultantes da explosão do vulcão podem ter afetado as antenas parabólicas.

A operadora de telefonia móvel Digicel, com sede na Jamaica, que possui uma participação minoritária no sistema de cabo junto ao governo tonganês, diz: “Todas as comunicações com o mundo exterior em Tonga são afetadas pelos danos”. A Southern Cross Cable, empresa com sede na Nova Zelândia que opera os cabos que se interligam com o sistema de cabos de Tonga, acredita que há um possível rompimento a cerca de 37 quilômetros da costa. Acredita-se também que o cabo submarino nacional esteja rompido a cerca de 48 quilômetros da capital tonganesa, Nuku’alofa. Essas interrupções geralmente são identificadas enviando um sinal de luz pelo núcleo do cabo de fibra óptica e calculando quanto tempo leva para ele retornar, explica o vice-presidente de Tecnologia de Conexão para rede de entrega de conteúdo da Akamai, Christian Kaufman.

Se isso for confirmado, é apenas a pior notícia possível para a conectividade de Tonga. “Levará dias, talvez semanas, até que o cabo seja consertado”, diz Madory.

Esta não é a primeira vez que a infraestrutura de internet de Tonga sofre com problemas. Em janeiro de 2019, o país experimentou um blecaute “quase total” na internet quando um cabo submarino foi cortado. Os relatórios iniciais indicavam que uma tempestade magnética e elétrica havia danificado a conexão, mas uma investigação posterior descobriu que um navio de bandeira turca cortou o cabo ao lançar sua âncora. Corrigir o problema custou cerca de US$ 200.000 e, enquanto estava sendo consertado, a ilha dependia de conexões de internet via satélite.

Essas mesmas conexões de satélite provavelmente serão as únicas salvadoras da internet de Tonga no curto prazo, mas com danos desconhecidos, o país pode passar por um período difícil. “Eles provavelmente estavam pensando: ‘Bem, se o cabo falhar, temos os satélites como alternativa”, diz Madory. “Mas se um vulcão explodir bem ao seu lado e destruir o cabo e o satélite, não há muito o que fazer”. Enormes quantidades de cinzas lançadas no ar pela erupção também podem estar afetando a conectividade dos satélites, diz Kaufmann.

Consertar o cabo quebrado não será fácil. Navios especializados devem ser enviados para reparar rupturas, que ocorrem todas as semanas em algum lugar do mundo, embora provavelmente com menor intensidade do que aquela causada pela erupção. Um navio que pode ajudar nesse caso é o CS Resilience, que atualmente está ao largo de Papua Nova Guiné, a quase 5.000 quilômetros de distância. Estima-se que qualquer navio pode levar dias ou até semanas para resolver o problema.

“Há uma prioridade sobre qual cabo é consertado primeiro”, diz Madory. “Os países pagam um pouco mais para terem prioridade”. Quando um desses navios chega ao local do incidente, o que pode levar dias, ele solta um gancho para pegar o cabo que está no fundo do mar. O cabo em forma de gancho, que quando no fundo do oceano pode ser tão fino quanto uma mangueira de jardim comum, é puxado até o convés do barco, de onde os técnicos tentam consertar a ruptura. “Os cabos em si não são muito resistentes”, diz Kaufmann. Em seguida, é suavemente abaixado de volta para a água. “Esse processo não mudou muito nos cerca de 150 anos em que os cabos submarinos existem”, lembra Madory.

Existem, é claro, alguns agravantes que podem complicar o processo. É provável que Tonga acabe cercada por navios que desejam ajudar o país, o que pode significar que a fiação da Internet fica em segundo plano para salvar vidas, restaurar a eletricidade e fornecer suprimentos vitais de comida e água. A localização precisa da ruptura também pode complicar as coisas: geralmente, quanto mais longe da costa o cabo estiver, mais profundo ele estará localizado e mais difícil será alcançá-lo e levantá-lo do solo. E você tem que pensar que as linhas de energia terrestre que ajudam a manter a conexão online também podem ser danificadas e seu reparo pode não ser fácil. “Tonga está em uma extremidade da internet”, diz Madory. “Ao sair de perto do núcleo da internet, você terá menos opções”.

Essa interrupção na Internet mostra o quanto a conectividade do mundo pode depender de um único ponto de falha. “É uma daquelas histórias que desmentem a ideia de que a Internet foi projetada para resistir a guerras nucleares”, diz Alan Woodward, professor de segurança cibernética da Universidade de Surrey, no Reino Unido. “Um pedaço de chiclete mantém colado a maior parte disso”. Woodward sugere que eventos físicos raros, como explosões vulcânicas, são difíceis de prever, mas os países devem tentar manter a redundância por meio de várias conexões submarinas e, idealmente, aquelas que seguem rotas diferentes para que um incidente localizado não afete várias linhas.

No entanto, a redundância não sai barato, especialmente para uma pequena nação de pouco mais de 100.000 pessoas como Tonga. Também é provável que, com uma erupção massiva como esta, o movimento do fundo do mar tenha causado uma fissura em qualquer cabo secundário, mesmo que estivesse do outro lado de Tonga.

“Há uma mensagem mais ampla sobre a resiliência da infraestrutura. Embora o Reino Unido ou os EUA não sejam como Tonga, há cada vez mais tensões geopolíticas e discussões em torno de coisas como cabos submarinos que estão nos levando a um lugar mais turbulento. Você não quer chegar ao ponto de ter cabos soberanos para aliados e cabos de segunda linha para todos os outros”, diz Andrew Bennett, analista de políticas de Internet do Tony Blair Institute for Global Change.

Bennett sugere duas opções para preencher a lacuna de conectividade. Uma é a rápida implantação da internet via satélite, e isso engloba as constelações de satélites que estão sendo lançadas no espaço enquanto falamos. A outra é dedicar mais dinheiro ao problema. “Se você olhar para a infraestrutura resiliente da Internet como um bem público, os países que podem pagar por ela devem pagar por ela e fornecê-la a outros”, diz ele. Fechar a exclusão digital global até 2030 custaria apenas 0,2% da renda nacional bruta dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) por ano, segundo o instituto.

Com a internet cada vez mais vista como o quarto serviço vital, juntamente ao aquecimento, energia e água, uma interrupção tão prolongada para 100.000 pessoas é uma grande catástrofe, agravando os efeitos físicos imediatos da erupção. E tudo isso destaca a fragilidade de certas partes da internet, especialmente fora do rico mundo ocidental. “A Internet não está desmoronando em sua essência. Mas sempre estará um pouco desgastada nas bordas”, conclui Woodward.