O que as drogas psicodélicas fazem ao nosso cérebro? A Inteligência Artificial pode nos ajudar a descobrir
Inteligência artificial

O que as drogas psicodélicas fazem ao nosso cérebro? A Inteligência Artificial pode nos ajudar a descobrir

As palavras que as pessoas usavam para descrever suas experiências ao consumirem drogas psicodélicas poderiam levar a melhores medicamentos para tratar doenças mentais.

Há muito drogas psicodélicas são apontadas como possíveis tratamentos para distúrbios de saúde mental, como depressão e transtorno de estresse pós-traumático (TSPT). Mas muito pouco se sabe sobre o que essas substâncias realmente fazem com nossos cérebros, e isso pode ser difícil de descobrir. Compreender este funcionamento pode ajudar a desbloquear seu potencial.

Alguns cientistas estão usando Inteligência Artificial (IA) para fazer essa descoberta. Pesquisadores da Universidade McGill em Montreal, Canadá, estão entre aqueles que usam Processamento de Linguagem Natural (NLP, pela sigla em inglês), a técnica que permite que assistentes de voz ou mecanismos de busca funcionem, para estudar “relatórios das experiências de usuários de drogas”. O trabalho pode esclarecer como os alucinógenos desencadeiam estados mentais específicos, seja euforia, ansiedade ou uma sensação de estar em harmonia com o mundo.

Danilo Bzdok, que co-liderou a pesquisa, espera que ela ajude no desenvolvimento de novos medicamentos para distúrbios de saúde mental. “É o maior estudo [do gênero] sobre psicodélicos de todos os tempos”, diz ele.

Ensaios clínicos randômicos, que envolvem dar a alguns participantes um medicamento, outros um placebo e comparar os efeitos de ambos, são considerados o padrão nesses estudos.

Mas esses ensaios são lentos e caros e tendem a envolver apenas um pequeno número de participantes. “[Leva] vários anos, custa uma quantia de sete dígitos em dinheiro, [e] as aprovações de ética levam uma eternidade”, diz Bzdok.

Em vez disso, ele e seus colegas da SUNY Downstate Health Sciences University em Nova York e do Broad Institute of MIT e Harvard em Cambridge, Massachusetts (ambos nos Estados Unidos), usaram NLP para avaliar 6.850 relatos escritos de uso de drogas alucinógenas. Cada relato foi escrito por uma pessoa que tomou uma das 27 substâncias estudadas (incluindo cetamina, MDMA, LSD e psilocina) em um cenário do mundo real, e não como parte de um experimento em laboratório. As contas foram acessadas no site da Erowid, uma organização autofinanciada de informações sobre produtos químicos.

Mais tarde, a equipe de Bzdok adicionou esses dados aos registros de receptores cerebrais com os quais cada composto interage. Ao unificar essas etapas, a equipe pode identificar quais receptores de neurotransmissores estão ligados a palavras sobre experiências específicas de uso de drogas.

Por exemplo, palavras ligadas a experiências místicas, como “espaço”, “universo”, “consciência”, “dimensão” e “descoberta” foram associadas a drogas que se ligam a receptores específicos de dopamina, serotonina e opioides.

Bzdok acredita que esse avanço pode fornecer novos pontos de partida para o desenvolvimento de medicamentos. Em teoria, as drogas que são projetadas para atingir esses receptores devem induzir aspectos específicos das experiências com drogas psicodélicas, diz Bzdok , cujo trabalho foi publicado em março na revista Science Advances.

Frederick Barrett, neurocientista psicodélico da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore (EUA), não está totalmente convencido. “As pessoas nem sempre sabem [que droga estão tomando]”, diz ele. “As doses nem sempre são bem dosadas no mundo real, e há muito mais variação nas experiências nesse contexto do que é possível reconhecer em sua totalidade”.

A abordagem de Bzdok é semelhante à adotada pela MindState Design Labs, uma empresa de biotecnologia que visa identificar drogas que desencadeiam estados mentais benéficos. O objetivo final da empresa é o desenvolvimento de novos tratamentos para distúrbios de saúde mental. “Acho que é um ótimo artigo científico”, diz Dillan DiNardo, CEO da empresa. Mas o foco da empresa está mais centrado em receptores individuais do que em grupos de receptores, diz ele.

O problema é que ninguém sabe realmente quais aspectos das experiências psicodélicas são benéficos para a saúde mental. Um ensaio clínico publicado no ano passado, por exemplo, sugeriu que o MDMA era útil para algumas pessoas com TSPT grave. Mas isso não significa que as pessoas que tomam MDMA recreativamente estarão protegidas de desenvolver o distúrbio.

E embora seja fácil pensar que o uso de substâncias que provocam emoções positivas ajudará as pessoas a se sentirem melhor, alguns especialistas acham que experimentar emoções negativas como ansiedade e tristeza as ajuda a enfrentar seu trauma, diz Barrett.

O uso de relatórios de experiências com drogas é valioso e complementa o trabalho tradicional, diz ele. Mas ele acrescenta que “qualquer resultado gerado a partir dessa análise ainda teria que ser validada e verificada em ensaios clínicos cuidadosamente controlados ou outros experimentos”.

Correção: Este artigo foi atualizado para refletir as contribuições de todos os autores do estudo.