O que a China deseja de sua próxima estação espacial
Natureza e espaço

O que a China deseja de sua próxima estação espacial

O projeto tem tudo a ver com prestígio e influência internacional — e talvez até mesmo um ou dois experimentos científicos legais.

Às 11h23, horário local, no dia 29 de abril, em Wenchang, Ilha de Hainan, China, Tianhe-1, o primeiro módulo de uma nova estação espacial orbital, foi lançado. Está programado para entrar em operação no final de 2022. O lançamento, que ocorreu perfeitamente, aumenta as expectativas de que os próximos dois anos da China sejam muito agitados, à medida que busca aproveitar os sucessos da década e dar continuidade a um de seus projetos espaciais mais ambiciosos até então.

Embora este projeto tenha sido concebido e aprovado no início de 1992, sua consolidação final coincide com o momento em que o futuro dos humanos na órbita terrestre baixa (LEO, em inglês) está em jogo. A Estação Espacial Internacional (EEI) se aproxima dos seus anos finais. A Rússia pode, na verdade, abandonar a EEI mais cedo do que o esperado para construir sua própria estação espacial independente. E empresas como a Axiom Space e a Sierra Nevada Corporation estão perseguindo agressivamente planos para estações comerciais como potenciais sucessores.

“Uma estação espacial é uma estação espacial”, diz Namrata Goswami, especialista em política espacial e geopolítica e co-autor da Scramble for the Skies. É uma demonstração clara de que a China é tecnologicamente capaz de enviar pessoas ao espaço por períodos significativos de tempo. “Os benefícios geopolíticos de conduzir experimentos e hospedar astronautas estrangeiros são os mesmos da EEI, mas agora com a China como ator principal”, diz ela.

O módulo Tianhe-1 é o núcleo do que deveria ser uma estação espacial de três partes. Por fora, não se pode comparar com o trabalho que a EEI faz há 22 anos. A EEI é um gigante do tamanho de um campo de futebol pesando cerca de 420 toneladas métricas, enquanto a muito menor Estação Espacial Chinesa (CSS, em inglês) em forma de T terá apenas 80 a 100 toneladas, mais perto do tamanho e da massa da antiga estação Mir da Rússia. O módulo Tianhe-1 tem apenas 22 toneladas e 16,6 metros de comprimento. E depois de 12 missões programadas para este ano e as próximas para o ano que vem a fim de montarem tudo, a estação completa ainda terá cerca de metade do comprimento da EEI.

A China parece estar bem com isso. “Não tínhamos a intenção de competir com a EEI em termos de escala”, disse Gu Yidong, cientista-chefe do programa de exploração humana da China, a Scientific American.

E isso não significa que a estação não conte com algumas capacidades espaciais úteis. Tianhe será o principal alojamento de qualquer astronauta a bordo, e os próximos dois módulos, Wentian e Mengtian, apoiarão uma série de experimentos científicos aproveitando a microgravidade da estação. Eles podem investigar o estudo da dinâmica dos fluidos e mudanças de fase, por exemplo, ou o crescimento e evolução dos organismos.

Haverá 14 racks para experimentos do tamanho de uma geladeira dentro da estação e outros 50 pontos de encaixe para experimentos que podem ser montados do lado de fora para expor os materiais ao vácuo do espaço. A China já procurou parceiros internacionais para solicitar testes. Cinco portos de ancoragem e uma série de braços robóticos garantirão visitas seguras de outras espaçonaves e criarão a possibilidade de expandir a própria estação.

Talvez o mais empolgante seja o fato de a estação desempenhar um papel importante em ajudar a China a implantar e operar um telescópio espacial totalmente novo, o Xuntian, destinado a competir com o velho Telescópio Espacial Hubble da NASA. Por ter um campo de visão 300 vezes maior e uma resolução semelhante ao Hubble, o Xuntian fará observações em luz ultravioleta e visível, conduzindo investigações relacionadas à matéria escura e energia escura, cosmologia, evolução galáctica e detecção de objetos próximos. Com lançamento previsto para 2024, ele poderá ser acoplado ao CSS para facilitar os reparos e manutenção.

Além disso, a estação pode atuar como uma plataforma para testar tecnologias que serão críticas para sustentar uma presença de longo prazo na Lua e em Marte um dia. Isso inclui habitação e sistemas de suporte à vida, energia solar e proteção contra impactos de radiação e micrometeoritos.

Tudo isso é legal, mas como Lincoln Hines da Universidade Cornell aponta, o verdadeiro objetivo da estação parece ser prestígio — posicionar a China como parte de um clube exclusivo de potências espaciais que operam um posto avançado permanente em órbita, aumentando o apoio nacionalista dentro de suas fronteiras. “Não tenho dúvidas de que há pessoas na comunidade científica da China que estão genuinamente entusiasmadas com o que podem fazer por meio do CSS”, diz Hines. “Mas, da perspectiva do governo central para apoiar este grande e ambicioso projeto, é um símbolo realmente forte que permite que a China diga à sua população: ‘Somos tecnologicamente poderosos e podemos competir com os Estados Unidos’.”

E também coloca a China mais perto de competir com os EUA em “poder brando ou de convencimento”. Os Estados Unidos são o principal financiador da EEI, um bem público extraordinariamente caro que beneficia o resto do mundo. Ajuda a realizar alguns experimentos científicos e tecnológicos interessantes, mas o maior impacto da estação provavelmente veio de seu status como modelo de cooperação internacional.

Podemos esperar que o CSS forneça o mesmo tipo de benefício diplomático para a China, ajudando a fortalecer os laços do país com outras nações, especialmente em um momento em que o país está enfrentando um escrutínio bastante feroz por abusos dos direitos humanos contra os uigures — dissidentes políticos e ativistas em Movimento pela democracia de Hong Kong.

“O esforço da China é novo e vibrante”, diz Goswami, enquanto o futuro da EEI é obscuro. “Isso sinaliza para o mundo que a China está disputando abertamente contra os EUA pela liderança espacial em todas as áreas e que é um parceiro hábil”.

Mesmo que esses benefícios potenciais nunca sejam percebidos, isso pode não fazer muita diferença para a China. Ao contrário dos funcionários públicos dos Estados Unidos, o Partido Comunista Chinês não precisa justificar seus gastos aos cidadãos.

“Do meu ponto de vista, o objetivo número um do governo chinês é sua própria sobrevivência”, diz Hines. “E, portanto, esses projetos estão muito alinhados com esses interesses domésticos, mesmo que não façam muito sentido em considerações geopolíticas mais amplas ou se não oferecem tantas contribuições científicas”.

Nossos tópicos