O Facebook agora é oficialmente poderoso demais, diz o governo dos EUA
Governança

O Facebook agora é oficialmente poderoso demais, diz o governo dos EUA

Os legisladores entraram com uma ação judicial alegando que a empresa detém o monopólio das redes sociais e deveria se desfazer do Instagram e do WhatsApp.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, deu provas ao Congresso sobre os negócios da empresa várias vezes, inclusive nesta audiência em outubro de 2019. AP PHOTO / ANDREW HARNIK

O que aconteceu: a Comissão Federal de Comércio (em inglês, abreviado como FTC) dos Estados Unidos entrou com uma ação antitruste contra o Facebook por sua “conduta anticompetitiva e métodos desleais de concorrência”. Isso inclui a aquisição do Instagram em 2012 e a aquisição do WhatsApp em 2014. O Facebook, alega a FTC, tem o monopólio das redes sociais. 

“Desde que derrubou o rival MySpace e alcançou o poder de monopólio, o Facebook passou a jogar na defensiva por meios anticompetitivos”, escreveu a FTC em seu processo. “Depois de identificar duas ameaças competitivas significativas à sua posição dominante Instagram e WhatsApp o Facebook passou a reprimir essas ameaças comprando as empresas, refletindo a visão do CEO Mark Zuckerberg, expressada em um e-mail de 2008, de que ‘é melhor comprar do que competir’”. 

Como chegamos aqui: O Facebook está sob crescente escrutínio regulatório nos EUA desde 2017, quando as notícias revelaram que a empresa de dados políticos Cambridge Analytica havia coletado dados de usuários do Facebook sem consentimento antes da eleição presidencial de 2016 nos EUA.  

A FTC começou sua investigação sobre as políticas de privacidade do Facebook em março de 2018, o que resultou em uma multa de US $ 5 bilhões. Embora essa tenha sido a maior multa já aplicada a uma empresa de tecnologia, ela ainda representou apenas cerca de 9% da receita da empresa em 2018 e foi duramente criticada por organizações de defesa e legisladores democratas porque não tinha condições que exigiam que o Facebook fizesse qualquer alteração às suas práticas de negócios.   

Nos últimos meses, o escrutínio vem aumentando. Durante o verão, os democratas da Câmara publicaram um relatório de 449 páginas sobre as práticas monopolísticas da Apple, Amazon, Facebook e Google, defendendo o aumento da aplicação da legislação antitruste.    

Então, em outubro, o Departamento de Justiça abriu um processo antitruste contra o Google, argumentando que a empresa usou métodos ilegais para expandir seus negócios de busca e publicidade.  

Por que isso importa: O processo do Departamento de Justiça contra o Google já era o caso mais significativo de monopólio aberto em 20 anos, e os processos gêmeos do FTC e dos Estados estão, no mínimo, alinhados 

A ação de hoje, que se juntou a um processo separado em 47 estados dos EUA, bem como em Guam e no Distrito de Columbia, tem grande repercussão no Facebook e pode forçá-lo a vender o Instagram e o WhatsApp. Mas também pressagia um ambiente mais amplo que é cada vez mais crítico do domínio de um punhado de gigantes da tecnologia. 

Pode levar anos para que esses casos cheguem aos tribunais, mas mais processos estão chegando. Os procuradores-gerais estaduais disseram que entrarão com seus próprios processos judiciais contra o Google nas próximas semanas, bem como continuarão a fiscalização adicional da Amazon e da Apple. 

Nossos tópicos