O dinheiro como conhecemos hoje está prestes a entrar em uma nova era de competição
Humanos e tecnologia

O dinheiro como conhecemos hoje está prestes a entrar em uma nova era de competição

A tecnologia digital está destinada a mudar nossa relação com o dinheiro e, para alguns países, a capacidade de gerenciar suas economias.

O dinheiro é uma das inovações mais notáveis da humanidade. Possibilita a comercialização de produtos e serviços em grandes distâncias geográficas, entre pessoas que podem não se conhecer e não têm motivos específicos para confiar umas nas outras. Pode até ser usado para transferir riqueza e recursos ao longo do tempo. Sem dinheiro e comércio, toda atividade econômica humana, para ser honesto, seria severamente restringida em termos de tempo e espaço.

O privilégio de emitir dinheiro é sinônimo de poder econômico. Portanto, não deve surpreender que a história esteja repleta de exemplos de competição cambial, tanto dentro dos países quanto entre eles. Na China, lar do primeiro papel-moeda do mundo, moedas emitidas por comerciantes privados e governos provinciais competiram por muitos séculos. De fato, notas emitidas por bancos governamentais e privados coexistiram na China até a primeira metade do século XX.

GARY LEE TODD COLLECTION/WIKIMEDIA COMMONS; PHGCOM/WIKIMEDIA COMMONS; ALAMY

O que acabou definitivamente com essa competição foi o surgimento dos bancos centrais, aos quais foi dado o privilégio exclusivo de emitir moeda legal e incumbidos da tarefa de manterem a estabilidade delas. Essa mudança aconteceu bem cedo na Suécia; o banco central mais antigo do mundo, o Riksbank, foi estabelecido no país no século XVII. Na China, a competição terminou com a fundação do Banco Popular da China em 1948, pouco antes da criação formal da República Popular da China. Desde que os bancos centrais entraram em cena, a concorrência tem sido principalmente internacional, com o valor relativo das moedas dependendo da reputação e estabilidade dos bancos centrais que as emitem.

Estamos agora no limiar de outra era de turbulência. O dinheiro está acabando, e as tecnologias digitais que o estão substituindo podem transformar a própria natureza e as capacidades do dinheiro. Hoje, a moeda do banco central serve ao mesmo tempo como unidade de conta, meio de troca e reserva de valor. Mas as tecnologias digitais podem levar essas funções a se separarem à medida que certas formas de dinheiro digital privado, incluindo algumas criptomoedas, ganham força. Essa mudança pode enfraquecer o domínio do dinheiro do banco central e desencadear outra onda de competição cambial, que pode ter consequências duradouras para muitos países, particularmente aqueles com economias menores.

Nas sociedades antigas, objetos como conchas, contas e pedras serviam como dinheiro. O primeiro papel-moeda surgiu na China no século VII, na forma de certificados de depósito emitidos por mercadores respeitáveis, que garantiam o valor das notas com estoques de commodities ou metais preciosos. No século 13, Kublai Khan introduziu o primeiro papel-moeda sem lastro do mundo. As notas de seu reino tinham valor simplesmente porque Kublai decretou pena de morte a todos em seu domínio que não a aceitassem como pagamento.

Os sucessores de Kublai foram menos disciplinados do que ele no controle da emissão de papel-moeda. Os governos subsequentes na China e em outros lugares cederam à tentação de imprimir dinheiro de forma imprudente para financiar os gastos do governo. Essa compulsão normalmente leva a surtos de inflação ou mesmo hiperinflação, o que, na verdade, equivale a uma queda vertiginosa na quantidade de bens e serviços que uma determinada quantia de dinheiro pode comprar. Este princípio é relevante mesmo nos tempos modernos. Hoje, é a confiança em um banco central que garante a ampla aceitação de suas notas, mas essa confiança deve ser mantida por meio de políticas governamentais disciplinadas.

COLEÇÕES DIGITAIS DA BIBLIOTECA PÚBLICA DE NOVA YORK; DOMÍNIO PÚBLICO; JEAN-MICHEL MOULLEC DE VERN SUR SEICHE, (35, BRETAGNE), FRANÇA/WIKIMEDIA COMMONS

Para muitos, no entanto, o dinheiro agora parece amplamente anacrônico. Literalmente lidar com dinheiro físico tornou-se cada vez menos comum, pois nossos smartphones nos permitem fazer pagamentos com facilidade. A forma como as pessoas em países ricos como Estados Unidos e Suécia, assim como habitantes de países mais pobres como Índia e Quênia, pagam até mesmo suas compras básicas dessa forma, uma mudança drástica de apenas alguns anos. Essa mudança pode parecer um potencial impulsionador da desigualdade: é de imaginar que se o dinheiro desaparecer isso poderia privar os idosos, os pobres e outros em desvantagem tecnológica. Na prática, porém, os telefones celulares estão quase saturados em muitos países. E o dinheiro digital, se implementado corretamente, pode ser uma grande força de inclusão financeira para famílias com pouco acesso a sistemas bancários formais.

O dinheiro ainda tem alguma vida nele. Durante a pandemia da Covid-19, mesmo quando os pagamentos sem contato se tornaram mais prevalentes, a demanda por dinheiro aumentou nas principais economias, incluindo os EUA, presumivelmente porque as pessoas o viam como uma forma segura de economia. Muitos estados dos EUA têm leis em vigor para garantir que o dinheiro seja aceito como forma de pagamento, algo que protegeria as pessoas que não podem ou não querem pagar por outros meios. Mas consumidores, empresas e governos no geral saudaram a mudança para formas digitais de pagamento, especialmente porque as novas tecnologias as tornaram mais baratas e convenientes.

O declínio do dinheiro físico, antes valorizado como a forma mais definitiva de dinheiro, é apenas uma pequena característica do cenário financeiro em rápida mudança. Uma das forças de mudança mais drásticas foi a ascensão das criptomoedas, que abalaram preceitos de longa data sobre dinheiro e finanças.

Bitcoin, a criptomoeda que começou tudo, pode não desempenhar um papel muito importante neste futuro monetário.

O Bitcoin foi projetado para permitir que as pessoas concluam transações com pseudônimo (usando apenas identidades digitais em vez de reais) e sem a intervenção de um terceiro confiável, como um banco central ou instituição financeira. Em outras palavras, qualquer pessoa com um computador poderia realizar transações, sem necessidade de cartão de crédito ou conta bancária. As moedas são emitidas e as transações validadas por meio de um algoritmo de computador que funciona de forma autônoma. A identidade de seu criador permanece desconhecida até hoje.

O momento em que o Bitcoin foi introduzido no início de 2009, quando a crise financeira global dizimou a confiança em governos e bancos, não poderia ter sido melhor. Mas mesmo ganhando popularidade, o Bitcoin falhou em seus usos básicos. A volatilidade do valor do Bitcoin, com grandes oscilações de preço de um dia para o outro, o tornou um método de pagamento não confiável. Além disso, parece que a criptomoeda não garante o anonimato, as identidades digitais dos usuários podem, com algum esforço, ser conectadas às suas identidades reais (de certa forma, isso é bom, pois as transações em Bitcoin que alimentaram a dark web, onde se realiza o comércio desagradável e ilícito, caíram acentuadamente). Hoje, Bitcoin e outras criptomoedas como ela, se tornaram ativos financeiros especulativos, com pouco valor intrínseco e avaliações altíssimas que não são apoiadas por nada além da fé dos investidores.

Está surgindo uma nova geração de criptomoedas que promete corrigir muitas das falhas do Bitcoin: as stablecoins, criptomoedas cujo valor estável vem do fato de serem apoiadas por reservas de dólares americanos ou outras moedas fiduciárias respeitáveis. Stablecoins são anunciadas como sistemas de pagamento digital confiáveis ​​e de fácil acesso que tornarão os pagamentos domésticos e internacionais mais baratos e rápidos. No entanto, ao contrário do Bitcoin, que é totalmente descentralizado, elas exigem que as transações sejam validadas pela instituição emissora, que pode ser um banco, uma corporação ou apenas uma entidade online. Isso significa que os usuários devem confiar nessa instituição para validar apenas transações legítimas e manter reservas adequadas, e os reguladores atualmente não exigem verificação independente de nenhuma dessas ações. Assim, apesar de seu louvável objetivo de atender à demanda por melhores sistemas de pagamento, as stablecoins levantaram uma série de preocupações.

Mesmo com todas essas dores de crescimento, a revolução das criptomoedas expandiu as fronteiras das tecnologias de pagamento digital e se tornaram uma ameaça aos bancos centrais. Há muito vistas como instituições conservadoras resistentes a grandes mudanças, muitas agora estão entrando na corrida digital.

Diante da crescente irrelevância de suas moedas de papel, muitos bancos centrais em todo o mundo estão procurando emitir seu dinheiro em formato digital. Grandes economias como China, Japão e Suécia estão experimentando moedas digitais de banco central (CBDCs), que na verdade são apenas versões digitais das moedas que eles emitem como notas. As Bahamas e a Nigéria já lançaram suas CBDCs em todo o país. Países como Brasil, Índia e Rússia estão iniciando seus próprios experimentos.

Alguns países veem as CBDCs como uma forma de ampliar o acesso ao sistema financeiro formal: mesmo famílias sem contas bancárias ou cartões de crédito teriam acesso a um sistema de pagamento digital seguro e barato. Outros países estão buscando CBDCs para aumentar a eficiência e a estabilidade dos sistemas de pagamento digital. A moeda sueca, e-krona, está sendo lançada como um respaldo no caso de o sistema de pagamento administrado por empresas do setor privado, que pode funcionar perfeitamente na maioria das circunstâncias, falhar devido a problemas técnicos ou questões de confiança.

SLAV|ARIEL PALMON/WIKIMEDIA COMMONS; DOMÍNIO PÚBLICO; BIBLIOTECA DO CONGRESSO

As CBDCs também podem ajudar a manter a relevância do dinheiro do banco central em países onde os pagamentos digitais estão se tornando a norma. A China, por exemplo, está promovendo sua moeda digital estatal (renminbi) em um momento em que dois titãs financeiros, Alipay e WeChat Pay, estão se esforçando para dominar o cenário de pagamentos.

As CBDCs também têm muitas outras vantagens. Elas podem trazer certos tipos de atividade econômica para fora das sombras e para a rede tributária (ao contrário das transações em dinheiro, que muitas vezes não são informadas às autoridades fiscais), reduzir a falsificação e dificultar o uso de dinheiro oficial para fins ilícitos, como lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e financiamento do terrorismo. Mas elas podem ameaçar quaisquer vestígios mínimos de privacidade que ainda desfrutamos, afinal, tudo o que é digital deixa um rastro. As transações usando CBDCs provavelmente serão auditáveis ​​e rastreáveis, já que nenhum banco central gostaria de permitir que seu dinheiro fosse usado para transações ilícitas.

Como será o mundo do dinheiro daqui a cinco ou 10 anos? Poderíamos imaginar um mundo onde muitas pessoas possuem carteiras digitais com uma mistura de dinheiro em contas bancárias tradicionais, stablecoins gerenciadas por empresas privadas e talvez uma ou mais CBDCs, movendo-as dependendo das condições globais. Mas ninguém sabe o quão bem as stablecoins e as CBDCs coexistirão. A Meta (anteriormente Facebook), por exemplo, planejava lançar sua própria stablecoin. Mas o projeto foi desfeito pelos reguladores dos EUA, que estavam preocupados com os objetivos da Meta e com a possibilidade de que a stablecoin pudesse ser usada para financiar transações ilícitas dentro e fora das fronteiras nacionais.

GETTY IMAGENS; FREEPIK; ALAMIA; PIXABAY

O uso básico das stablecoins como formas de pagamento digital mais eficientes e facilmente acessíveis pode ser prejudicado pelas CBDCs. No momento, as stablecoins parecem estar se mantendo, havia mais de 30 em circulação em março de 2022, com um valor total de cerca de US$ 185 bilhões. E existe a possibilidade de que stablecoins construídas sobre ecossistemas comerciais de grande escala, como o da Amazon, possam ganhar tração significativa como meio de pagamento. De qualquer forma, na medida em que sua estabilidade depende de serem apoiadas por moedas fiduciárias, é improvável que as stablecoins se tornem reservas independentes de valor. Em outras palavras, elas seriam usadas principalmente porque seriam meios de pagamento mais baratos ou mais convenientes.

Seja como for, a revolução da moeda digital terá implicações para o sistema monetário internacional. Por exemplo, isso afetaria pagamentos internacionais, que são inerentemente complicados porque envolvem várias moedas, instituições que usam diferentes protocolos tecnológicos e conjuntos variados de regulamentos. Tudo isso torna os pagamentos internacionais lentos, caros e difíceis de rastrear em tempo real. As criptomoedas, que podem ser compartilhadas livremente entre fronteiras, reduzirão esses impedimentos, permitindo pagamentos e liquidações quase instantâneos. Até as CBDCs podem aliviar os atritos se forem disponibilizadas para uso internacional e ganharem ampla aceitação.

Sistemas de pagamentos internacionais mais eficientes trarão uma série de benefícios. Por um lado, eles tornarão mais fácil e barato para os migrantes econômicos enviar remessas de volta para seus países de origem, um processo que atualmente custa em média 6% do valor da transação, de acordo com o Banco Mundial. Os custos estimados são ainda maiores para remessas destinadas a países de baixa renda, muitos dos quais dependem desses fluxos para uma grande parcela da renda nacional.

Em princípio, o capital financeiro poderá fluir mais facilmente dentro e entre os países para as oportunidades de investimento mais produtivas, aumentando o bem-estar econômico global, pelo menos conforme medido pelo PIB e capacidade de consumo. Mas fluxos de capital mais fáceis através das fronteiras nacionais também representam riscos para muitos países, tornando muito mais difícil gerenciar suas taxas de câmbio e suas economias.

Os desafios resultantes serão especialmente espinhosos para países menores e menos desenvolvidos.

As moedas nacionais emitidas por seus bancos centrais, particularmente aquelas consideradas menos convenientes de usar ou mais voláteis em valor, podem ser substituídas por stablecoins privadas e talvez também por CBDCs emitidas pelas principais economias. Isso resultaria em uma perda de soberania monetária: bancos centrais menos proeminentes perderiam o controle sobre a circulação de dinheiro em suas economias. O fenômeno da “dolarização”, em que uma moeda estrangeira confiável supera uma moeda doméstica volátil (há muito a ruína de muitos países latino-americanos), pode ser intensificado pela proliferação de moedas digitais. Em lugares como Irã e Turquia, já vimos pessoas usarem criptomoedas para contornar restrições à saída de capital quando as moedas perderam seu valor, permitindo-lhes que extraíssem fundos de seus países para fazer investimentos mais seguros no exterior.

Mesmo para as principais moedas de reserva, há algumas mudanças planejadas, embora o sonho de longa data de muitos governos ao redor do mundo, de derrubar o dólar americano de seu pedestal como a moeda de reserva global dominante, provavelmente continuará sendo só um sonho no futuro próximo. De fato, é provável que stablecoins lastreadas em dólar ganhem ampla aceitação em relação a stablecoins lastreadas em outras moedas, aumentando indiretamente sua proeminência relativa. Mas o renminbi digital está prestes a ganhar força como método de pagamento, e mesmo um aumento gradual e modesto no uso do renminbi, juntamente com um aumento nas stablecoins, poderia reduzir a importância de outras moedas de reserva, incluindo o euro, a libra esterlina, o iene japonês e o franco suíço.

Quando se trata da função do dinheiro como meio de troca, podemos esperar mais concorrência entre moedas privadas e fiduciárias. Em princípio, isso deve levar a pagamentos mais baratos e rápidos, beneficiando consumidores e empresas, ao mesmo tempo em que motiva os emissores, privados ou oficiais, a exercer disciplina para preservar o valor de suas moedas.

Mas vale a pena ter em mente que a tecnologia pode ter consequências imprevisíveis. Em vez de levar a uma proliferação de moedas privadas e oficiais que competem em igualdade de condições, a digitalização das moedas pode tornar o poder econômico ainda mais concentrado. Se as principais moedas, como o dólar, o euro e o renminbi, estiverem facilmente disponíveis em todo o mundo em formato digital, elas podem substituir as moedas de nações menores e menos poderosas. As moedas digitais emitidas por grandes corporações, aproveitando os ecossistemas comerciais ou de rede social já dominantes das empresas, também podem ganhar força. A menos que sejam anulados pelos governos, eles podem um dia se transformar em reservas independentes de valor, desistindo de seu lastro em moeda fiduciária. Isso poderia criar ainda mais instabilidade monetária se países individuais acabassem tendo vários emissores de dinheiro, com moedas domésticas concorrentes flutuando em valor umas em relação às outras.

Tudo o que é certo é que o sistema monetário internacional está no limiar de uma mudança importante provocada pela revolução digital. Resta saber se isso beneficia a humanidade em geral, ou exacerba as desigualdades domésticas e globais existentes.