fbpx
O coronavírus está forçando os fãs do Bitcoin a perceberem que, afinal, ele não é um “porto seguro”
Computação

O coronavírus está forçando os fãs do Bitcoin a perceberem que, afinal, ele não é um “porto seguro”

A mais recente crise econômica expôs a criptomoeda de 10 anos como apenas mais um ativo financeiro. Por enquanto.

Um verdadeiro inferno parece estar surgindo nos mercados financeiros à luz da pandemia de coronavírus. Mas se você já passou algum tempo conversando com um entusiasta do Bitcoin, provavelmente já foi informado (talvez muitas vezes) que momentos como esse são justamente para o quê a criptomoeda foi criada. Alguns de seus fãs mais fervorosos afirmaram que, como o ativo digital é “não correlacionado” com ativos tradicionais, como ações, é um “porto seguro” contra quedas de mercado como as que estamos vendo agora.

Para o desapontamento dos seguidores mais fiéis, no entanto, o Bitcoin – na verdade, todo o mercado de criptomoedas – entrou em colapso junto ao mercado de ações. Embora o preço tenha subido no final de março, no dia 29/03 havia caído cerca de 40% em relação a abril. Isso quer dizer que o Bitcoin não é um porto seguro, afinal? Embora pareça ter falhado no maior teste da ideia original até agora, o debate provavelmente continuará servindo como um lembrete de que ainda estamos descobrindo exatamente o que o Bitcoin é e não é.

Também não está claro que o Bitcoin deva ser qualquer coisa em particular. Mas Satoshi Nakamoto, o pseudônimo de seu criador cuja identidade ainda não foi descoberta, deixou algumas pistas. O título do relatório de Nakamoto chamado Bitcoin, que introduziu o conceito no mundo, refere-se a “dinheiro eletrônico entre iguais”. Na introdução, Nakamoto pediu uma alternativa ao sistema tradicional de comércio online, que depende muito de “terceiros confiáveis”.

Depois, há a mensagem misteriosa que o criador do Bitcoin deixou no primeiro registro de transações na blockchain, conhecido como bloco de gênese: “Chanceler do Times 03 / Jan / 2009 à beira de um segundo resgate aos bancos”. Nakamoto nunca explicou o que significava essa mensagem. Ainda assim, é difícil não ver o Bitcoin como uma reação ao último colapso financeiro global, que começou em setembro de 2008. O relatório do Bitcoin atingiu uma lista de e-mail de criptografia popular no Halloween daquele ano, e em janeiro o sistema já estava sendo executado.

Na prática, o Bitcoin é muito lento e ineficiente para agir como dinheiro eletrônico. Hoje, muitos entusiastas o veem como uma espécie de “ouro digital”. O ouro real há muito tempo foi considerado uma reserva confiável de valor, e os investidores tendem a vê-lo como uma forma de seguro contra uma crise econômica.

O ouro também é famoso como um ativo “refúgio”, que a Investopedia define como “um investimento que se espera reter ou aumentar em valor durante períodos de turbulência no mercado”. Outros produtos, como prata, milho e gado, também podem ser refúgios. O mesmo vale para títulos do Tesouro dos EUA e dinheiro. Muitos defensores do Bitcoin afirmaram que o ativo digital também pertence a este grupo. Então, a segunda metade de março aconteceu.

“Observamos surpreendidos o preço do Bitcoin cair nesse ambiente, seria de esperar o contrário”, Brian Armstrong, CEO da popular bolsa norte-americana Coinbase, postou em seu Twitter no dia 9 de março, provavelmente expressando o que muitos fãs do Bitcoin estavam sentindo. E isso foi antes da carnificina de 12 de março, quando a criptomoeda perdeu mais de 40% de seu valor.

Então o que aconteceu? Uma parte da explicação é de certa forma irônica. Nos seus primeiros dias, a maioria das pessoas que investiram no Bitcoin estavam comprometidas em construir um sistema financeiro alternativo. Eles viram isso como um investimento de longo prazo. A criptomoeda costumava ser “o ativo do futuro”, escreve Noelle Acheson, diretora de pesquisa da CoinDesk. Realmente era separado do sistema financeiro tradicional.

Mas, como uma indústria emergiu em torno da moeda nos últimos anos, fez um grande esforço para promover a adoção por investidores “institucionais”, como fundos de cobertura e outras mesas de negociação profissionais. A venda recente é uma evidência de que o esforço funcionou. Negociadores profissionais estavam desesperados para angariar dinheiro, escreve Acheson: “O Bitcoin foi apenas mais um ativo financeiro sendo pisoteado enquanto os investidores se dirigiam para a saída”.

Portanto, em sua curta vida, o Bitcoin passou de um ativo extremamente obscuro mantido principalmente por seguidores fiéis para “apenas outro ativo financeiro”. À luz da mais recente crise financeira global, ele não se parece em nada com um porto seguro. Mas em outros contextos – como em países com inflação alta, como a Venezuela – ele se tornou um tipo de refúgio seguro, pelo menos em comparação com a moeda nacional. E embora tenha caído junto ao mercado de ações desta vez, o Bitcoin ainda pode ser considerado um “ativo alternativo”, pois, como o ouro, não depende do fluxo de caixa de outras instituições para o seu valor, escreve Acheson: “Quanto maior o alcance de ativos alternativos, melhor para os investidores, especialmente em tempos difíceis como esses”.

Daqui a uma década, quão distinto de um ativo será o Bitcoin? Ainda parecerá mais ouro do que dinheiro digital? Quem estará investindo nele e por quê? O que o Bitcoin é deve mudar constantemente junto com esses fatores. O mesmo acontece com as ideias sobre o papel que ele pode desempenhar para os investidores e a sociedade, “porto seguro” ou não.

Nossos tópicos