Não entre em pânico com as últimas mutações do coronavírus, dizem as empresas farmacêuticas
Biotecnologia

Não entre em pânico com as últimas mutações do coronavírus, dizem as empresas farmacêuticas

O patógeno que causa a Covid-19 continuará evoluindo. Mas a tecnologia líder de vacinas é particularmente hábil em acompanhar suas mutações.

No início de dezembro de 2020, uma variante mutante do coronavírus foi detectada no Reino Unido, disparando alarmes em toda a Europa e fazendo com que alguns países proibissem a entrada de viajantes da Grã-Bretanha.

Mas ainda não está claro se a nova variante seria muito mais facilmente transmitida, como alguns cientistas alertaram. Além disso, várias empresas com vacinas ou medicamentos terapêuticos autorizados para a Covid-19 — como a Moderna, Pfizer/BioNTech, Regeneron e Eli Lilly — disseram que estavam fazendo testes ou já tinham dados mostrando que seus tratamentos deveriam funcionar contra a nova forma do coronavírus.

E mesmo que esses tratamentos possam eventualmente precisar ser atualizados, a tecnologia por trás de algumas das principais vacinas os torna especialmente adequados para acompanhar um vírus em constante evolução.

Mutação fomentadora de medo

A nova variante foi descoberta por laboratórios britânicos de sequenciamento de genes e foi associada a um grupo de casos de Covid-19 em rápido crescimento em Londres e no sudeste da Inglaterra. Cientistas que assessoram o governo do Reino Unido especularam que ele poderia ser 70% mais transmissível do que as versões já conhecidas. Em 22 de dezembro, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês) dos EUA disseram que a nova variante não havia sido detectada no país; entretanto, isso pode ser apenas uma questão de tempo.

O vírus da Covid-19 vem acumulando mutações o tempo todo — milhares até agora. Alguns cientistas dizem que a preocupação com essa forma variante mais recente é provavelmente exagerada, e que o sequenciamento de genes agressivo por cientistas britânicos e uma reação desmensurada de políticos gerou um pânico desnecessário.

“Não precisamos nos preocupar com essa variante do vírus e não devemos proibir as pessoas de saírem do Reino Unido ou voarem de outros países”, disse Kári Stefánsson, CEO da DeCode Genetics, à Agência de Notícias RÚV da Islândia. Stefánsson, cuja empresa liderou o teste da Covid-19 e pesquisas genéticas na Islândia, disse que acha que não há “nada dramático” sobre a última variante, mas que os temores estão sendo alimentados para convencer as pessoas a manter as precauções e o distanciamento social.

“Isso poderia torná-lo mais transmissível? Poderia fazê-lo voar? Claro, tudo é possível”, disse Alan Dove, um virologista que codirige o podcast This Week in Virology, durante um episódio que foi ao ar em 20 de dezembro. Ele disse que a explicação mais plausível é que a variante do Reino Unido passou a dominar em certas áreas por puro acaso.

“É uma questão de quem infectou quem e qual vírus em particular se espalhou mais longe, e isso é uma questão de sorte”, disse ele. “Não se trata de o vírus ficar melhor na propagação”.

Como os vírus evoluem

A prova de se a variante infecta ou não mais facilmente, ou se tem outros efeitos biológicos, é esperada em breve.
Em 22 de dezembro, um grupo liderado por Ravindra K. Gupta, do Imperial College London, relatou que uma das mutações recentes torna o coronavírus mais contagioso, pelo menos em testes de laboratório. E o fato de que o vírus está acumulando mutações no gene de suas características proteínas spike, que são o que as vacinas e medicamentos se travam, levanta uma “possibilidade real” de que pode se tornar resistente a esses tratamentos, escreveram Gupta e outros pesquisadores.

Uma mutação específica vista no Reino Unido e na África do Sul, conhecida como N501Y, está chamando a atenção porque está no “domínio de ligação ao receptor” da proteína spike, a parte que determina a facilidade com que o vírus entra nas células humanas.

Mas também há razões para esperar que uma cepa resistente do vírus não apareça muito em breve.

Todos os vírus sofrem mutações aleatórias em seu material genético. Qualquer mudança que ofereça uma vantagem — como fazer o vírus infectar mais hospedeiros ou resistir a certos medicamentos — tende a ser favorecida, desde que também não crie uma desvantagem, como fazer com que o vírus se replique mais lentamente.

A rapidez com que um determinado vírus sofre mutação pode influenciar fortemente o quão bem as vacinas funcionam, se é que funcionam. Os vírus da gripe trocam de genes rapidamente, e é por isso que precisamos de uma nova vacina a cada ano. Por isso que ainda não há vacina contra o HIV, o vírus que causa a AIDS, em parte porque o HIV sofre mutações extremamente rápidas.

O coronavírus tem ordens de magnitude menos inconstantes. “Há mais diversidade viral em um único indivíduo infectado pelo HIV do que em toda a população do mundo com Covid-19”, diz Michael Farzan, biólogo da Scripps Research em Júpiter, Flórida. “Se eu encontrasse as versões mais divergentes do SARS-CoV-2 que existem, uma da China em 2019 e uma do Maine em 2020, elas seriam menos diferentes do que você vê em uma pessoa com HIV”.

O coronavírus tem um genoma comparativamente grande — cerca de 30.000 letras, três vezes mais do que no HIV ou no vírus da gripe — e muda muito menos rapidamente.

Além do mais, a proteína spike é uma estrutura bastante grande, consistindo em cerca de 1.270 aminoácidos. Isso oferece ao sistema imunológico do corpo um objetivo amplo; ele gera muitos anticorpos diferentes para diferentes partes do spike. As vacinas da Moderna e Pfizer/BioNTech desencadeiam essa resposta imunológica “poliespecífica”. Não se espera que uma única mutação na proteína spike, ou mesmo algumas, as torne significativamente menos eficazes. A variante do Reino Unido, por exemplo, inclui nove mutações no gene spike, mas ainda é 99% idêntica à versão que as vacinas podem neutralizar.

“Sabemos que este vírus não é estável. Nenhum é. Este vírus evolui”, disse Uğur Şahin, fundador e CEO da BioNTech, em uma coletiva de imprensa em 22 de dezembro na Alemanha. “Mas existem muitos outros que não sofreram mutação”. Şahin disse que, no último mês, sempre que uma nova mutação surgiu, os testes de laboratório da empresa mostraram que a vacina ainda deve ser eficaz. A BioNTech verificou cerca de 20 até agora e planeja executar os mesmos testes com a variante do Reino Unido. Esse experimento levará duas semanas, mas Şahin diz que “cientificamente é altamente provável” que a vacina ainda funcione.

Da mesma forma, a Moderna, que começou a distribuir sua vacina nos Estados Unidos em dezembro, disse acreditar que “a imunidade induzida pela vacina seria protetora contra as variantes descritas recentemente no Reino Unido”. A Eli Lilly, que fabrica um medicamento de anticorpo para a Covid-19, disse que já a testou contra a principal mutação observada na variante do Reino Unido e ainda funciona.

Acompanhando de perto o coronavírus

No entanto, alguns pesquisadores dizem que as mutações acabarão por tornar as vacinas e os tratamentos atuais menos eficazes. “Isso me mostra que vamos precisar de outra versão da vacina. Estou convencido disso,” diz Farzan. “Vamos seguir essas variantes como fazemos com a gripe”.

Se vacinas atualizadas forem necessárias, isso poderia favorecer fortemente a tecnologia por trás das disponibilizadas pela Moderna e Pfizer/BioNTech, ambas já autorizadas nos EUA. Eles usam dados genéticos do coronavírus, na forma de RNA mensageiro (mRNA), para preparar o sistema imunológico do corpo. A vacina é essencialmente um recipiente com o RNA nele, então quando qualquer nova variante do vírus surge, o RNA correspondente pode ser simplesmente substituído.

“Tecnicamente, é possível fazer uma nova vacina imitando a nova cepa em poucas semanas”, disse Şahin na coletiva de imprensa.

As doses iniciais da vacina da Moderna, por exemplo, foram fabricadas em fevereiro passado, apenas um mês depois que a China divulgou pela primeira vez o genoma do coronavírus.

“É por isso que as pessoas estão comprando ações das empresas de mRNA”, diz Farzan. “Eles serão os que terão a resposta mais rápida na segunda vez”.

E quanto aos medicamentos?

Embora as empresas digam que as vacinas não são facilmente afetadas por algumas mutações, os dois medicamentos com anticorpos autorizados nos Estados Unidos até agora são menos flexíveis. Isso porque, embora uma vacina faça com que o sistema imunológico produza um grande número de anticorpos diferentes, os medicamentos com anticorpos consistem em apenas um ou dois anticorpos particularmente poderosos.

No momento, entretanto, os fabricantes também estão otimistas.

O bamlanivimab, o medicamento vendido pela Eli Lilly, é baseado em um anticorpo encontrado em um dos primeiros pacientes da Covid-19 nos Estados Unidos. O medicamento é administrado por injeção em pessoas com sintomas moderados de coronavírus e foi autorizado em novembro de 2020. O ex-governador de Nova Jersey, Chris Christie, o recebeu após contrair a Covid-19, enquanto o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebeu um tratamento semelhante com anticorpos da Regeneron Pharmaceuticals.

Uma vez que o anticorpo Lilly visa um local no domínio de ligação ao receptor, o ponto mais importante do spike, qualquer mutação nessa região – como a mutação N501Y observada no Reino Unido – poderia tornar o medicamento menos eficaz. Mas Ajay Nirula , vice-presidente de imunologia da Eli Lilly, escreveu em um e-mail que os testes da empresa “sugerem que o bamlanivimab deve manter plena atividade contra a nova cepa”.

Da mesma forma, Regeneron disse que não estava preocupado com a variante do Reino Unido. Seu tratamento inclui dois anticorpos, que se ligam a diferentes partes da proteína spike, tornando mais difícil que uma mutação casual no vírus inutilize o remédio.

“Tudo o que sabemos até agora sobre essa variante e nossos anticorpos – incluindo dados de análises preliminares de neutralização e contra outras variantes atualmente em circulação – indica que nosso coquetel permanecerá eficaz contra essa nova cepa”, disse Alexandra Bowie, porta-voz da Regeneron.

Nossos tópicos