Keynes estava errado. Geração Z ficará com o pior
Humanos e tecnologia

Keynes estava errado. Geração Z ficará com o pior

Em vez de um progresso sem fim, as crianças de hoje enfrentam um mundo à beira do colapso. E agora?

O fundador da macroeconomia previu que o capitalismo duraria aproximadamente 450 anos. Esse é o período entre 1580, quando a rainha Elizabeth investiu ouro espanhol roubado por Francis Drake e 2030, ano em que John Maynard Keynes assumiu que a humanidade resolveria o problema de nossas necessidades e passaria a lidar com preocupações maiores.

É verdade que hoje o sistema parece à beira da transformação, mas não da maneira que Keynes esperava. O destino da geração Z deveria ser o de aproveitar uma vida de lazer e criatividade. Ao invés disso, eles se preparam para salários estagnados e uma crise ecológica.

Em um famoso ensaio do início dos anos 30 chamado “Possibilidades econômicas para nossos netos”, Keynes imaginou o mundo 100 anos no futuro. Ele previu fenômenos como a automação do emprego (que ele chamou de “desemprego tecnológico”), mas essas mudanças, ele acreditava, aumentavam o progresso: em direção a uma sociedade melhor e à libertação coletiva do trabalho. Ele estava preocupado que a transição para este mundo sem trabalho pudesse ser psicologicamente difícil e, por isso, sugeriu que as jornadas de três horas pudessem servir como um programa de transição, permitindo-nos adiar a profunda pergunta sobre o que fazer quando não há mais nada a fazer.

Bem, conhecemos os netos do título do ensaio de Keynes: eles são as crianças e os jovens adultos de hoje. A principal força de trabalho de 2030 nasceu entre 1976 e 2005. E, embora as previsões precisas que ele fez sobre a taxa de crescimento econômico e acumulação sejam surpreendentemente precisas, o que elas significam para esta geração é muito diferente do que ele imaginava.

Em vez de avançar em direção a uma utopia livre de trabalho, os EUA experimentaram o desaparecimento de empregos como uma espécie de mudança climática econômica. Previsões apocalípticas aparecem enquanto as comunidades pobres e da classe trabalhadora sofrem os efeitos dos primeiros impactos: estagnação salarial, locais de trabalho desregulados e inseguros, uma epidemia de dependência de opioides. A riqueza cada vez mais esbanjadora de uma ponta da sociedade não é menos perturbadora.

O que diabos aconteceu? Para descobrir por que a geração Z não será como Keynes previu, precisamos fazer algumas perguntas fundamentais sobre economia, tecnologia e progresso. Depois de presumirmos por um século que um mundo melhor apareceria no topo de tudo o que temos acumulado, as suposições parecem infundadas. As coisas estão piorando.


Há pouco tempo, como quando o primeiro boom da web ocorreu duas décadas atrás, ainda era possível falar sobre desenvolvimento tecnológico e expansão econômica como sendo bom para todos. Pegue o exemplo de Webvan, a primeira (e posteriormente muito ridicularizada) startup de entrega de supermercado. A empresa planejava combinar a eficiência da internet e outros avanços em informações e logística para fornecer produtos de melhor qualidade a preços mais baixos, entregues diretamente aos consumidores por trabalhadores mais bem pagos e mais bem treinados. É uma visão unívoca e keynesiana do desenvolvimento: não apenas todos os envolvidos se beneficiam individualmente como consumidores, funcionários ou capitalistas, mas a própria sociedade melhora eliminando necessidades e ascendendo a um plano mais elevado do ser.

Quando a Webvan foi à falência, os analistas assumiram que isso significava que a ideia principal estava irremediavelmente errada: simplesmente não faz sentido usar humanos para trazer às pessoas seus pedidos de supermercado. John Deighton, professor da Harvard Business School, quando perguntado sobre o futuro da indústria em 2001, disse: “Mercearias entregues em casa? Nunca”. No entanto, menos de 20 anos depois, posso pedir a uma das mais bem avaliadas empresas bilionárias do mundo (Amazon) entregue meu pedido por meio de sua marca de supermercado (Whole Foods) dentro de uma hora. E se isso não for rápido o suficiente, existem vários serviços de plataforma (Instacart, Postmates e outros) através dos quais posso contratar alguém para pegar meu pedido e trazê-lo para mim imediatamente. Profissionais independentes, sempre em movimento.

Para os consumidores, esses serviços tornaram a vida mais conveniente. Para os proprietários, os preços das ações e os lucros das empresas têm aumentado cada vez mais há décadas. Mas como trabalhadores, nós temos sofrido. A visão da Webvan de entregadores altamente treinados e pagos e em ascensão ficou para trás. O tratamento da Amazon a seus funcionários em todos os níveis é tão intensamente explorador que os ex-funcionários criaram sua própria forma de escrever: o “relatório”, um ensaio que expõe as dificuldades particulares e comuns de se trabalhar na empresa. Uma parte seria um inquérito do trabalhador, outra, um diário do trauma.

Veja como um funcionário do armazém descreveu o fluxo de trabalho:

Nicolás Ortega

O fundador da macroeconomia previu que o capitalismo duraria aproximadamente 450 anos

“A Inteligência Artificial (IA) é o seu chefe, o chefe do seu chefe e o chefe do chefe do seu chefe: define as taxas alvo de produtividade, as cotas de turnos e a divisão do trabalho no armazém… Em última análise, o que isso significa para é que você raramente trabalha com as mesmas pessoas duas vezes, você fica isolado, realiza tarefas aleatórias de um turno para outro, trabalha para guardar, classificar, escolher ou embalar taxas que excedem bem sua média – porque seu supervisor disse isso e um programa disse a ele antes disso”.

Em vez de aliviar os trabalhadores do trabalho duro, as melhorias na tecnologia mecanizam sua eficiência, moldando os trabalhadores em formas irracionais. Em todos os departamentos, os funcionários da Amazon relatam serem forçados pelas circunstâncias de seus empregos a urinar em garrafas e latas de lixo. Usando camadas de acordos de subcontratação, as maiores empresas se isentam da responsabilidade de e para os trabalhadores com salários mais baixos. Investigações recentes sobre o transporte da última milha de entrega da Amazon revelam motoristas exaustos cujo descuido, sem surpresa, mata pessoas. Mas quando se trata da comunidade empresarial, a empresa permanece exemplar.

Em todos os lugares, a ideia de libertação do trabalho parece um sonho. Trabalhadores que fabricam peças para iPhones foram expostos a produtos químicos tóxicos; a gigante manufatureira taiwanesa Foxconn está regularmente no centro das atenções por más condições de trabalho. Os funcionários da Instacart Delivery entraram em greve para reclamar das mudanças que levaram a menos gorjetas; dois dias depois, a empresa cortou seus bônus (a Instacart diz que os dois eventos não têm relação). Os trabalhadores da plataforma de áudio Rev.com descobriram recentemente um corte salarial que significou que o Rev agora recebe 70 centavos de cada dólar que o cliente gasta na transcrição do áudio, e eles recebem apenas 30.

Os jovens americanos estão atingindo a idade de trabalhar em uma economia dominada pela Amazon, e não pela Webvan. De acordo com o Instituto de Política Econômica (em inglês, EPI), enquanto a produtividade do trabalhador aumentou 69,6% entre 1979 e 2019, o salário por hora aumentou apenas 11,6%. “A renda, os salários e a riqueza geradas nas últimas quatro décadas falharam em ‘gotejar’ para a grande maioria, ao que tudo indica porque as escolhas de políticas feitas em favor daqueles com maior renda, riqueza e poder exacerbaram a desigualdade”, diz o EPI. A diferença entre produtividade e remuneração é um aumento na exploração: trabalhadores fazendo mais e recebendo menos. Esse não era o plano.


Keynes e sua visão política saíram de moda quando o fundamentalismo do laissez-faire defendido por Milton Friedman levou Reagan e Thatcher ao poder global. A visão antiga do futuro deu lugar a uma era de desregulamentação e privatização. Este foi o “fim da história”, com o livre mercado como o veículo adequado – talvez até inevitável – para a natureza humana.

Aqui, todos buscam seus interesses individuais e, juntos, isso resulta no melhor de todos os mundos possíveis – pelo menos enquanto o governo permanecer fora do caminho. Foram nos ensinado como fatos, por exemplo, que as políticas de controle de aluguel aumentam os aluguéis de maneira contraditória, que as leis de salário mínimo prejudicam contraditoriamente os salários, que o que se ganha dos cortes de impostos “gotejam” aos trabalhadores. (Hoje em dia, as atitudes sobre o controle do aluguel são mais sutis, enquanto os aumentos do salário mínimo aumentaram a renda na extremidade mais inferior. A teoria da economia do gotejamento foi a pior de todas; os ricos guardam e não reinvestem suas reduções fiscais.) A maioria das pessoas compraram o hype libertário e, quando a crise financeira global ocorreu em 2008, muitos ficaram surpresos ao descobrir que os mercados não estavam realmente se autorregulando da maneira como haviam sido informados.

Os resgates subsequentes, no entanto, dificultaram o debate sobre se os governos deveriam interferir no bom funcionamento da economia. E assim os economistas trouxeram as ideias de Keynes à tona novamente. Os países que seguiram com entusiasmo seus conselhos e usaram fundos públicos para estimular a demanda saíram da recessão muito melhor do que aqueles que hesitaram. Em retrospecto, a decisão da China em 2008 de injetar gastos com estímulos de mais de 12% do PIB parece inteligente. Nos Estados Unidos, democratas e republicanos concorrem à presidência com a promessa de propostas de trilhões de dólares, não com apelos bipartidaristas para um orçamento equilibrado e um governo cada vez mais reduzido que costumávamos ouvir. O pêndulo balançou e Keynes voltou.

No entanto, mudar de Friedman para Keynes significa mais do que mexer com o sistema operacional da economia. Os dois homens tinham ideias diferentes, não apenas sobre como o capitalismo funciona, mas sobre para que serve. Friedman e seus seguidores viam o mercado como maximizando a liberdade do homem individual de buscar seu próprio interesse e, portanto, uma vez que a busca pelo interesse próprio é simplesmente a natureza humana, maximizando o bem-estar coletivo. O capitalismo era o meio e o fim.

Keynes, por outro lado, um excelente exemplo da nobreza inglesa que ele era, não podia considerar o mais alto exemplo de virtude o ato de só pensar em dinheiro. Tinha que ter algo a mais. Para Keynes, o tipo mais perigoso de avareza não era tentar ganhar dinheiro, mas mantê-lo nos bolsos por muito tempo. A única maneira de manter o bem-estar popular e os empregos em alta era produzir e consumir cada vez mais – não porque é da nossa natureza, mas porque é assim que o sistema funciona: ele deve crescer para sobreviver. Mas, um dia, ele previu, a corrida terminará, e todos nós poderemos parar de fingir que o capitalismo não é uma maneira psicótica e destrutiva de viver na Terra.

Em “Netos”, Keynes aguardava ansiosamente o dia em que “seremos capazes de estimar o dinheiro pelo seu verdadeiro valor”. Ele continuou:

“O amor ao dinheiro como uma possessão – distinto do amor ao dinheiro como um meio para atingir os prazeres e as necessidades da vida – será reconhecido pelo que ele é, uma morbidez um tanto repugnante, uma dessas propensões semicriminosas, semipatológicas que se encaminham com horror aos especialistas em doença mental”.

O capitalismo, para Keynes, não se justifica sozinho. “Haverá”, escreveu ele, “classes e grupos de pessoas cada vez maiores, dos quais os problemas de necessidade econômica foram praticamente eliminados”. Mas ele nunca identificou o mecanismo que acabaria com o jogo de acumulação capitalista. Mesmo se produzíssemos coisas suficientes para passar essa linha de chegada, como saberíamos? E quem vai fazer a parte rica compartilhar ou até mesmo que parem de ganhar mais? Ele sabia que poderíamos continuar crescendo nesse sentido por apenas um certo período de tempo, mas descartou a revolução. Em vez disso, ele pensou que os proprietários fariam a coisa certa.

Não ser Milton Friedman não é o mesmo que estar certo sobre como o mundo funciona. Keynes estava certo sobre as previsões de crescimento e ciclos de negócios e política fiscal, mas se ele estiver errado quando disse que o capitalismo simplesmente terminaria por si próprio, a justificativa fundamental para todo o seu programa desmorona. Nesse caso, toda a sociedade está amarrada ao banco da frente da corrida semicriminosa e semipatológica para consumir o futuro com antecedência, sem fim virtuoso no horizonte.

Ops…

Para grande surpresa de todos, os netos de Keynes tornaram-se marxistas.

Se o espectro da economia tradicional vai de Friedman a Keynes – do capitalismo como um fim em si mesmo ao capitalismo como um meio para algo além dele – então o que precisamos agora é de uma crítica do que os dois compartilham: uma crítica da própria economia. A maioria dessas críticas foi trancada em um baú e empurrada para debaixo da cama no final dos anos 80 e início dos anos 90, mas não desapareceram.

O crítico mais famoso e influente da economia continua sendo Marx. Keynes não pensava muito bem do homem; nas reflexões do economista britânico sobre sua visita à Rússia soviética em 1925, ele se recusou a nomeá-lo, fazendo referências pontuais a judeus “avarentos”. Mas o comunista que não deve ser nomeado tinha uma visão diferente para o futuro do desenvolvimento econômico.

A “teoria do pauperismo” de Marx é uma ideia bastante fácil de resumir: como os capitalistas ganham dinheiro com cada hora de trabalho dos trabalhadores, eles ficam cada vez mais ricos com o tempo, enquanto os trabalhadores não o fazem porque estão ocupados demais ganhando dinheiro para os capitalistas. Uma maré alta move apenas grandes barcos; todo os demais têm que nadar.

Se a tecnologia reduzisse a necessidade de trabalho, imaginou Marx, os trabalhadores seriam simplesmente obrigados a trabalhar mais, com mais esforço, com mais eficiência ou em outras coisas. A tecnologia criaria uma população de desempregados desesperados que poderiam trabalhar para fabricar artigos de luxo, para os quais haveria um mercado sempre crescente – embora crescessem apenas em termos de dinheiro, não em termos do número de pessoas ricas o suficiente para comprá-los. Em vez de aumentar o bem comum, são a desigualdade, a exploração e a miséria que se acumulam. O que os trabalhadores vêm construindo esse tempo todo é sua própria subordinação, e eles estão fazendo um bom trabalho.

Depois de décadas em aberto, mesmo entre os supostos marxistas, a teoria do pauperismo parece empiricamente forte – especialmente quando comparada com a visão de Keynes de grupos cada vez maiores de pessoas se formando com o peso da necessidade econômica no paraíso do lazer em tempo integral, ou com a crença de Friedman de que quanto maior a riqueza no topo da sociedade, maior ela será para todos.

E os trabalhadores não eram a única coisa que Marx via se acostumando: “Todo progresso na agricultura capitalista é um progresso na arte de roubar não só o trabalhador, mas o solo”, escreveu ele. “Todo progresso em aumentar a fertilidade do solo por um dado tempo é um progresso para arruinar as fontes de longa duração dessa fertilidade.” O ambientalismo não era um princípio básico do pensamento de Marx, mas, diferentemente dos economistas, ele compreendeu intuitivamente que a produção extrativa tinha limites naturais. A única resposta para essa espécie neste planeta é descartar toda a forma de produção, com seus trabalhadores e capitalistas, suas cidades e áreas rurais, seus vastos montes de coisas e seu globo vazio.


À medida que nos aproximamos de 2030 – o ano em que o capitalismo deveria terminar, o tempo em que deveríamos avançar e nos elevar – as previsões não são as melhores. Em outubro de 2018, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) concluiu que o aquecimento global provavelmente atingirá 1,5ºC entre 2030 e 2052 se as temperaturas continuarem a aumentar na taxa atual. No caso de atingirmos essa marca, os especialistas preveem um aumento entre 26 e 77 centímetros (10 e 30 polegadas) no nível do mar, um rápido aumento nas extinções de espécies, centenas de milhões de pessoas experimentando escassez de água e alimentos e condições meteorológicas extremas que a espécie humana moderna nunca encontrou. Temos armazenado não apenas riqueza, mas também desastres.

Um sinal de protesto na greve climática da juventude colocou sucintamente: “Você morrerá de velhice. Nós vamos morrer pela mudança climática”. As crianças de hoje nunca tiveram a chance de acreditar em uma narrativa de progresso simples. A jovem líder do movimento, Greta Thunberg, levou a mensagem ecogeracional à Cúpula de Ação Climática das Nações Unidas: “As pessoas estão sofrendo e estão morrendo. Os nossos ecossistemas estão entrando em colapso”, ela repreendeu. “Nós estamos vivenciando o começo de uma extinção em massa. E tudo o que vocês fazem é falar de dinheiro e de contos de fadas sobre um crescimento econômico eterno. Como ousam!”

O grupo mais jovem, as pessoas em todo o mundo que Thunberg representa, não têm escolha a não ser estabelecer novos padrões de bem-estar social – padrões além do crescimento do PIB. Precisamos tirar o carbono da atmosfera e os plásticos do oceano, manter o petróleo no solo e conservar as espécies não domesticadas que ainda estão vivas. Qualquer outra coisa é um fracasso catastrófico. Os jovens parecem estar à altura do desafio e, mesmo que a imprensa tenha exagerado de vez em quando, a afinidade dos millennials e da geração Z pelo socialismo é real. Passou-se mais de uma década desde a crise de 2008 e, nos Estados Unidos, estamos na maior expansão econômica da história, mas cada vez mais pesquisas mostram políticas de esquerda que persistem nos grupos mais jovens. Uma pesquisa da YouGov constatou que o apoio ao capitalismo entre os americanos com menos de 30 anos caiu de 39% para 30% entre 2015 e 2018 – 14 pontos percentuais abaixo da média e 26 pontos abaixo da média para idosos.

As crianças reconhecem que o capitalismo tem usado recursos humanos e naturais em vez de construir uma sociedade melhor. Em vez de uma mera reação contra a bolha imobiliária e ao aquecimento global, podemos ver uma compreensão profunda e emergente. Para grande surpresa de todos, os netos de Keynes tornaram-se marxistas.


Quando Keynes escreveu que esperava pela “maior mudança que já ocorreu no ambiente material da vida para os seres humanos em conjunto”, ele estava se referindo a nós, agora. E parece que ele estava certo, pelo menos de certa forma. O destino de nossa espécie – e muitas outras – está por um fio.

Embora a conclusão final de Keynes agora pareça fantasiosa, há pontos de sua previsão de 1930 que não estavam totalmente errados. Além de acertar mais ou menos a taxa de crescimento, Keynes achava que seríamos o grupo geracional responsável por acabar com o capitalismo. O sistema não seria sustentável por mais 500 anos. Em um certo nível de desenvolvimento tecnológico e acumulação de capital, o capitalismo se torna não apenas explorador ou mesmo genocida (algo há muito provado); torna-se difícil reconciliar com a própria humanidade.

Como o futebol americano, onde o tamanho e a força cada vez maiores dos jogadores causam danos cerebrais quase certos nos níveis mais altos do jogo, a produção capitalista se tornou um risco objetivo para toda a sociedade humana.


De uma maneira ou de outra, é provável que a força de trabalho de 2030 seja a última verdadeira coorte do capitalismo de mercado. É difícil dizer o que vem a seguir, mas isso deve acontecer muito em breve. Os netos de quem Keynes falou estão aqui há um tempo. Quer consigamos ou não entender o que isso significa com antecedência, o novo está aqui.

Malcolm Harris é editor na Filadélfia e autor de Kids These Days e de Shit Is Fucked Up and Bullshit.

Nossos tópicos