fbpx
Jardins digitais permitem cultivar seu próprio cantinho de internet
Humanos e tecnologia

Jardins digitais permitem cultivar seu próprio cantinho de internet

Um número cada vez maior de pessoas está criando sites individualizados e criativos que estão longe dos padrões atuais das redes sociais.

Sara Garner tinha a sensação incômoda de que algo não estava certo.

Engenheira de software, ela estava reformulando seu site pessoal, mas não conseguia deixá-lo com a sua cara. Claro, tinha os links necessários para suas redes sociais e seu portfólio profissional, mas não refletia realmente sua personalidade. Então ela criou uma página focada em museus, pelo que ela é obcecada. Ainda está em construção, mas ela visualiza uma página que inclui sua opinião sobre seus museus favoritos, descreve as emoções que eles evocaram e convida outras pessoas a compartilhar seus museus favoritos e o que aprenderam.

“Estou buscando um sentimento de admiração, uma conexão através do tempo”, diz ela.

Bem-vindo ao mundo dos “jardins digitais”. Essas reimaginações criativas de blogs silenciosamente invadiram os cantos mais nerd da internet. Um movimento crescente de pessoas está usando o código de back-end para criar sites que são mais parecidos com colagem e são mais artísticos, similares ao MySpace e Tumblr – menos previsíveis e formatados do que o Facebook e o Twitter. Os jardins digitais exploram uma ampla variedade de tópicos e são frequentemente ajustados e alterados para mostrar crescimento e aprendizado, especialmente entre pessoas com interesses específicos. Por meio deles, as pessoas estão criando uma internet que tem menos a ver com conexões e feedback e mais com espaços silenciosos que eles podem chamar de seus.

“Todo mundo faz suas próprias coisas estranhas”

O movimento pode estar ganhando força agora, mas suas raízes remontam a 1998, quando Mark Bernstein introduziu a ideia do “jardim hipertexto”, defendendo espaços na internet que permitissem a uma pessoa mergulhar no desconhecido. “Os jardins … ficam entre as terras agrícolas e a selva”, escreveu ele. “O jardim é uma fazenda que deleita os sentidos, projetada para isso e não para a comodidade”. (Seu jardim digital inclui uma crítica recente de um prato carbonara da Baía de São Francisco e reflexões sobre seus ensaios favoritos.)

A nova onda de jardins digitais discute livros e filmes, com comentários introspectivos; outros oferecem reflexões sobre filosofia e política. Alguns são obras de arte em si mesmos, obras-primas visuais que convidam o observador a explorar; outros são mais simples e utilitários, usando modelos do Google Docs ou do WordPress para compartilhar listas profundamente pessoais. Leitores ávidos, por exemplo, abraçaram o conceito, compartilhando estantes digitais criativas e bonitas que ilustram sua jornada de leitura.

Apesar do termo genérico, no entanto, jardins digitais não seguem regras. Eles não são blogs, mas “weblogs”, um termo que sugere um registro de pensamento com data e hora. Eles não são uma plataforma de rede social – as conexões são feitas, mas muitas vezes é por meio de links para outros jardins digitais ou reunião em fóruns como Reddit e Telegram para debater sobre o código.

Tom Critchlow, um consultor que cultiva seu jardim digital há anos, explica a principal diferença entre os blogs tradicionais e a jardinagem digital. “Com o blog, você está falando para um grande público”, diz ele. “Com a jardinagem digital, você está falando sozinho. Você se concentra no que deseja cultivar ao longo do tempo”.

O que eles têm em comum é que podem ser editados a qualquer momento para refletir a evolução e a mudança. A ideia é semelhante à edição de uma página da Wikipedia, embora jardins digitais não devam ser encarados como a palavra final em um tópico. Como uma forma mais lenta e antiga de explorar a internet, eles se divertem em não ser a fonte definitiva, apenas uma fonte, diz Mike Caulfield, um especialista em alfabetização digital da Washington State University.

Na verdade, o objetivo dos jardins digitais é que eles podem crescer e mudar, e que várias páginas sobre o mesmo assunto podem coexistir. “É menos sobre aprendizagem iterativa e mais sobre aprendizagem pública”, diz Maggie Appleton, uma designer. O jardim digital de Appleton, por exemplo, inclui opiniões sobre carne vegetal, resenhas de livros e digressões sobre Javascript e capitalismo mágico. É “uma coleção aberta de notas, recursos, esboços e explorações que estou cultivando no momento”, declara sua introdução. “Algumas notas são mudas, algumas estão brotando e outras são plantas perenes totalmente crescidas”.

Appleton, que se formou como antropóloga, diz que se sentiu atraída pelos jardins digitais por causa de sua profundidade. “O conteúdo não está no Twitter e nunca é excluído”, diz ela. “Todo mundo faz suas próprias coisas estranhas. O céu é o limite”.

Esse espírito de criatividade e individualidade foi compartilhado por várias pessoas com quem conversei. Alguns sugeriram que o jardim digital foi uma reação à internet à qual nos acostumamos de má vontade, onde as coisas se tornam virais, as mudanças são desprezadas e os sites são unidimensionais. Os perfis do Facebook e do Twitter têm espaços perfeitos para fotos e postagens, mas os entusiastas dos jardins digitais rejeitam esses elementos fixos de design. A sensação de tempo e espaço a explorar é fundamental.

Caulfield, que pesquisou boatos e desinformação, fez um post no blog em 2015 sobre “tecnopastoral“, em que descreveu a estrutura wiki federada promovida pelo programador de computador Ward Cunningham, que achava que a internet deveria apoiar um “coro de vozes” ao invés dos poucos recompensados nas redes sociais hoje.

“Essa corrente tem dominado nossas vidas desde meados dos anos 2000”, disse Caulfield. Mas isso significa que ou as pessoas estão postando conteúdo ou consumindo. E, diz Caulfield, a internet em seu estado atual recompensa o valor do choque e emburrece as coisas. “Ao se envolver na jardinagem digital, você está constantemente encontrando novas conexões, com mais profundidade e nuances”, diz ele. “O que você escreve não é um comentário fossilizado para um post de blog. Quando você aprende mais, você adiciona algo novo. É menos sobre choque e raiva; é mais conectivo”. Em uma era de navegação da perdição e fadiga do Zoom, alguns entusiastas do jardim digital dizem que a internet em que vivem é, como diz Caulfield, “otimisticamente esperançosa”.

Enquanto muitas pessoas procuram comunidades mais íntimas na internet, nem todos podem criar um jardim digital: você precisa ser capaz de trabalhar pelo menos alguns códigos rudimentares. Fazer uma página do zero oferece mais liberdade criativa do que sites de rede social e hospedagem na web, que permitem arrastar e soltar elementos em sua página, mas pode ser assustador e demorado.

Chris Biscardi está tentando se livrar dessa barreira com um editor de texto para jardins digitais que ainda está em seu estágio alfa (primeira versão de teste). Chamado de Toast, é “algo que você pode experimentar com o WordPress”, diz ele.

Em última análise, se os jardins digitais serão uma tentativa escapista do infernal 2020 ou murcharão em face a uma rede social mais simples, ainda está para ser visto. “Estou interessada em ver como funcionará”, diz Appleton.

“Para algumas pessoas, é uma reação à rede social e, para outras, é uma tendência”, afirma Critchlow. “Se vai ou não atingir um número crítico de uso… precisamos esperar para ver”.

Nossos tópicos