Inteligência Artificial ameaça hambúrguer de extinção
Inovação

Inteligência Artificial ameaça hambúrguer de extinção

Mas não se preocupe, se isso acontecer seremos mais saudáveis e sustentáveis; e alguns investidores vão fazer fortuna com essa nova revolução tecnológica.

Eu confesso, sou um carnívoro. Mas também sei que as justificativas para que eu siga comendo carne e produtos animais são cada vez menores, à medida que a concorrência de alternativas à base vegetal aumenta e opções cada vez mais saborosas surgem no mercado.

Depois que o rival Burger King fez uma parceria com a Impossible Foods para produzir um hambúrguer sem carne, o próprio McDonald’s realizou um teste com a Beyond Meat,e anunciou que vai lançar seu próprio hambúrguer vegetariano ainda esse ano, o McPlant.

Os hambúrgueres sem carne não são exatamente uma coisa nova, mas nos últimos anos aconteceu uma revolução nesse mercado. No passado, o hambúrguer vegetal era sem gosto e sem graça, feitos de grão-de-bico ou soja. Mas graças às inovações de empresas como a Beyond Meat ou a Impossible Burgers, muitos hambúrgueres vegetarianos hoje em dia têm a aparência e até sangram como os burgers de carne.

O McDonald’s sozinho gerou uma receita total de US$ 19,21 bilhões em 2020. A estimativa é que o mercado global de alimentos valha USD 13.98 trilhões. Uma inovação capaz de agregar 1% a este mercado já agregaria bilhões. Nos últimos dois anos, a indústria de alimentos à base de vegetais cresceu 29%, em comparação com 2,2% com o varejo de alimentos em geral.

Uma revolução tecnológica está acontecendo no desenvolvimento de alimentos à base de plantas. Inclusive, não se surpreenda se a próxima big tech sair do setor de alimentos.

Inteligência Artificial

Jeff Bezos, fundador da Amazon, além de investir no setor espacial, investe em alimentos à base de plantas. Uma das empresas na liderança desse movimento é NotCo, que tem o fundo Bezos Expedition (de Bezos) entre seus investidores. Ela desenvolveu um algoritmo de Inteligência Artificial para pesquisa e desenvolvimento na indústria de alimentos. O algoritmo cruza informações de produtos de origem animal com uma grande biblioteca virtual de plantas e sugere receitas inimagináveis ​​para replicar alimentos animais, mas com vegetais.

“Giuseppe, nossa Inteligência Artificial, tem a tarefa de criar alimentos com o mesmo sabor, cor e textura dos alimentos animais. Além dos ingredientes, ele indica as proporções e como devem ser preparados”, me contou por Zoom, Karim Pichara, co-founder e CTO da The NotCo.

Essa inovação permite tirar os animais da equação, dando origem a produtos mais sustentáveis, mas sem interferir no sabor que o consumidor está acostumado. A empresa do Chile já vende seus produtos em países da América Latina, incluindo o Brasil, e América do Norte.

“O atual modelo da indústria de alimentos é baseado em um modelo de tentativa e erro. E isso leva muito tempo para gerar uma inovação. A inteligência artificial melhora esse processo porque tratamos a questão do protótipo, passando pela cor, textura e demais elementos até à escalabilidade do produto, reduzimos o processo de tentativa e erro. Tudo isso fica armazenado e estamos aumentando constantemente o volume de informações na plataforma. Isso torna tudo mais rápido”, afirma Pichara.

E como no caso das empresas de tecnologia, que se tornam mais valiosas à medida que aumentam a quantidade de dados que acumulam, a Inteligência Artificial da NotCo está acumulando dados desde seu primeiro dia de funcionamento, sendo aprimorados por cientistas e chefs que trabalham para tornar as respostas de Giuseppe cada vez mais efetivas.

E o uso de inteligência artificial para criar alimentos é o primeiro passo. A empresa avalia usar seus dados para determinar o tempo de vida dos produtos nas prateleiras de supermercado, por exemplo. Toda a cadeia alimentar pode ser revista com a ajuda da tecnologia.

A startup já recebeu mais de US$ 120 milhões em investimentos. O calibre dos investidores dá uma ideia do potencial. Além do Bezos Expeditions, os fundos The Craftory (que investe em marcas de consumo de alto crescimento), Kaszek Ventures (que investe em empresas de tecnologia de alto impacto), o American Life Science Accelerator IndieBio (com foco em biotecnologia) e o Maya Capital (liderado por Lara Lemann e Monica Saggioro) investiram na empresa.

Transformar commodity em propriedade intelectual é altamente disruptivo (e lucrativo). E a The NotCo está nesse caminho. Após lançar seu leite NotMilk nos Estados Unidos, a empresa de tecnologia alimentar obteve uma patente no país para sua tecnologia proprietária de inteligência artificial. O NotMilk é feito à base de abacaxi e repolho.

Outra vantagem da abordagem da NotCo é que como todos os ingredientes vegetais usados já são alimentos, o processo de aprovação por órgãos de saúde e controle de alimentos, como o FDA (nos Estados Unidos) ou o Ministério da Agricultura (no Brasil), se torna bem mais rápido.

Carne de fungo vulcânico

Além de Bezos, Bill Gates, é outro bilionário do mundo da tecnologia que investe em alimentos alternativos. “Financiei o Impossible [Burger]. Eu financiei a Beyond (Meat). A Breakthrough Energy (fundo venture de Gates) tem um monte de novos investimentos, incluindo a Nature’s Fynd, que é super interessante porque eles usam fungos para fazer a produção de proteínas, e parece que é muito, muito eficiente. Você sabe, todo setor está sujeito à competição. Portanto, deixe de lado a mudança climática. Se alguém pode fazer carne moída com um gosto tão bom por um preço mais baixo, isso não é americano? Você realmente tem que matar uma vaca?”, afirmou Gates em entrevista à Rolling Stone.

A Nature’s Fynd atraiu quase US$ 160 milhões em financiamento, e tem uma abordagem mais radical. Ela usa proteínas derivadas da fermentação de microorganismos, como fungos, que podem ser induzidas em uma forma carnuda, queijosa, cremosa ou leitosa.

A Fy, proteína com marca registrada da Nature’s Fynd, foi extraída de uma amostra de fungo vulcânico encontrado no Parque Nacional Yellowstone, nos Estados Unidos. Um hambúrguer à base de Fy consome 99% menos água, gera 99% menos gases como CO2 e metano; e usa 87% menos água. Bill Gates garante que provou o hambúrguer à base de fungo vulcânico e disse ser até melhor que o similar orgânico.

Levar proteína de qualidade para milhões de pessoas que, por limitações financeiras, não as consomem também seria revolucionário e um tremendo avanço para a humanidade.

Bill Gates e Jeff Bezos revolucionaram o mundo com suas tecnologias. Agora, apostam em uma nova revolução. Quem sou eu para contrariá-los? Sou um amante de carnes, mas se eu puder comer o meu hambúrguer suculento e com o sabor que conheço, mas pagando menos, reduzindo o impacto no meio ambiente e livre dos hormônios e bactérias cada vez mais resistentes na indústria de proteína animal, por que não?

Nossos tópicos