EUA planejam aumentar o uso de tecnologia de reconhecimento facial
Inteligência artificial

EUA planejam aumentar o uso de tecnologia de reconhecimento facial

Uma nova pesquisa mostra que os sistemas controversos estão prontos para desempenhar um papel ainda maior nos assuntos federais.

Um relatório de 90 páginas publicado pelo US Government Accountability Office (GAO) detalha como as agências federais usam atualmente e planejam expandir o uso de sistemas de reconhecimento facial. Dez das 24 agências avaliadas no estudo planejam ampliar o uso da tecnologia até 2023. Dez agências também estão investindo em pesquisa e desenvolvimento da ferramenta.

O relatório, publicado em 24 de agosto, é resultado de um estudo solicitado pelo Congresso sobre o uso de reconhecimento facial por agências federais durante o ano fiscal de 2020. Ele caracteriza o uso da tecnologia como “cada vez mais comum”, com a maioria das agências pesquisadas usando-a para segurança cibernética, aplicação da lei nacional ou segurança física. O relatório também perguntou a todas as agências participantes sobre seus planos futuros para o reconhecimento facial.

Os resultados vêm após um ano de reação pública dos defensores da privacidade e das liberdades civis contra o uso da tecnologia pela polícia e pelo governo. O reconhecimento facial provou ser menos preciso em pessoas com pele mais escura, mulheres e pessoas mais jovens e mais velhas. Um relatório do GAO divulgado no início deste verão também descreveu a falta de supervisão por parte das agências federais que usam a tecnologia.

Dezoito das 24 agências federais pesquisadas atualmente usam alguma forma de reconhecimento facial, muitas possuindo mais de um sistema. Algumas agências federais que fazem uso da tecnologia estão fora do escopo deste relatório, e nenhuma pesquisa abrangente sobre o uso dela pelo governo foi feita. A maioria dos sistemas em uso pelos pesquisados ​​são de propriedade federal, embora seis sistemas venham de fornecedores comerciais, incluindo Clearview AI, Vigilant Solutions e Acuant FaceID.

Os Departamentos de Agricultura, Comércio, Defesa, Segurança Interna, Saúde e Serviços Sociais, Interior, Justiça, Estado, Tesouro e Assuntos de Veteranos planejam expandir o uso do reconhecimento facial entre 2020 e 2023. Essas 10 agências estão implementando 17 sistemas de reconhecimento facial diferentes. Treze desses sistemas serão propriedade das agências, dois serão das autoridades locais e duas agências estão usando o Clearview AI.

Muitas agências já estão usando ou planejam usar o reconhecimento facial para ajudar a proteger dados confidenciais e tecnologia, bem como localizações físicas. Outras aplicações enfocam a justiça e questões militares.

O Escritório do Inspetor-Geral, por exemplo, começou a usar o Vintra em maio de 2021 para ajudar em suas investigações, analisando vídeos de vigilância de “movimento direcional, veículos ou pessoas”. O US Marshals Service está desenvolvendo um sistema de identificação de prisioneiros sem contato para auxiliar os processos de reserva de celas e no transporte de prisioneiros. O Departamento de Imigração e Alfândega dos EUA está trabalhando com o Gabinete do Procurador do Distrito de Lehigh County, na Pensilvânia, para expandir o acesso ao sistema de reconhecimento facial existente por meio da integração com um “aplicativo de inteligência contra gangues”.

O Departamento de Agricultura planeja usar sistemas de reconhecimento facial para monitorar vídeos de vigilância ao vivo para indivíduos em listas de observação, se o financiamento for aprovado.

Tanto a Força Aérea dos Estados Unidos (parte do Departamento de Defesa) e o Serviço de Pesca e Vida Selvagem (parte do Departamento do Interior) estão trabalhando em projetos com Clearview AI que as agências planejam expandir. O Clearview AI é controverso porque seu algoritmo de combinação faz referência a um banco de dados de mais de três bilhões de imagens públicas retiradas da Internet. Outros sistemas de reconhecimento facial usados ​​por policiais são baseados em bancos de dados muito menores, geralmente desenvolvidos e pertencentes ao governo, como um banco de dados de fotos em que os incluídos foram previamente indiciados por um crime.

Dez agências também estão trabalhando em pesquisa e desenvolvimento nessa área, incluindo os Departamentos de Justiça, Defesa, Segurança Interna e Estado. As agências variaram em seus objetivos, mas algumas relataram pesquisar a parcialidade bem conhecida de muitos sistemas de reconhecimento facial. O Departamento de Justiça, por exemplo, estudou a relação entre o tom de pele e as taxas de correspondência falsa em algoritmos de reconhecimento facial. Outros estão pesquisando como tornar esses sistemas mais precisos, mesmo durante a varredura de pessoas que usam máscaras.

O relatório também mostrou ampla cooperação entre agências e compartilhamento de sistemas e informações de reconhecimento facial. Muitas agências federais relataram que adquiriram seus sistemas de reconhecimento facial de governos estaduais e locais. O Departamento de Segurança Interna revelou que sua rede de informações “contém um mecanismo para solicitar pesquisas de reconhecimento facial de terceiros por meio das entidades estaduais e locais listadas, como centros de fusão”.

Um porta-voz para o grupo de direitos digitais sem fins lucrativos da Electronic Frontier Foundation, disse: “Este importante relatório do GAO expõe crescente dependência do governo federal em tecnologia de vigilância facial. O mais preocupante é seu uso por agências de forças de segurança. No entanto, a vigilância facial é tão invasiva em relação à privacidade, tão discriminatória contra pessoas de cor e tão provável de desencadear falsas prisões, que o governo não deveria usá-la de forma alguma”.

Em junho, o GAO divulgou um relatório sobre as capacidades de reconhecimento facial de 42 agências federais que empregam policiais. Ele mostrou que várias agências de segurança usaram o reconhecimento facial depois dos protestos pela justiça racial no verão passado e do ataque de janeiro ao Capitólio dos Estados Unidos. O relatório também mostrou que 13 das 42 agências não entendem completamente seu próprio uso da tecnologia. Relatórios do BuzzFeed News mostram que o estudo do GAO provavelmente estava incompleto, com cinco agências federais dizendo que não haviam usado o sistema Clearview AI quando o fizeram.

A adoção da tecnologia está crescendo em todos os níveis de governo. Em março passado, a Clearview AI disse que 3.100 das 18.000 agências policiais federais, estaduais e municipais, cerca de 17%, usaram seu software. Não há regulamentação federal nos Estados Unidos sobre o uso de tecnologia de reconhecimento facial pela polícia, embora legislação seja aguardada. Muitos estados e cidades proíbem o uso do software pelas forças de segurança e pelo governo, embora proibições locais não impeçam o uso federal.

Nossos tópicos