Esta família levantou milhões para ter acesso à terapia genética experimental para seus filhos
Biotecnologia

Esta família levantou milhões para ter acesso à terapia genética experimental para seus filhos

Trilhões de vírus foram injetados no cérebro de Benny Landsman em uma tentativa de tratar uma doença nervosa rara.

Quando Gary Landsman faz suas orações, ele imagina que está em Israel e seus filhos Benny e Josh estão correndo em sua direção.  Eles estão usando quipás, e as franjas de algodão chamadas  tzitzit  voam de suas cinturas.  Ele abre os braços à espera de um grande abraço.

A realidade é que Benny e Josh têm a  doença de Canavan (CD), uma doença cerebral hereditária fatal.  Eles estão presos em cadeiras de rodas, não falam e não podem controlar seus membros.

No dia 8 de abril, em Dayton, Ohio, Estados Unidos, Landsman e sua família levaram o menino mais velho, Benny, para um hospital onde, durante várias horas, neurocirurgiões perfuraram  seu crânio e injetaram trilhões de partículas virais com a versão correta de um gene que seu corpo não tem.

O procedimento marcou o clímax de uma busca de quatro anos feita pela família Landsman, que mora no Brooklyn, Nova York, para obter  uma terapia genética que eles acreditam ser a única esperança de salvar seus filhos.

A MIT Technology Review primeiro traçou o perfil da  odisseia de  Landsmans  na história de capa de nossa  edição especial de 2018 sobre medicina de precisão .  Os avanços na tecnologia da terapia genética estão possibilitando o tratamento de doenças como a hemofilia.  Mas, como o Canavan é uma doença ultrarrara, poucas empresas estão trabalhando em uma cura.  Portanto,  a família financiou o ousado tratamento genético por conta própria, usando fundos que arrecadou online.

Avanços impressionantes no sequenciamento do genoma, substituição e edição de genes significam, em teoria, que milhares de doenças genéticas raras poderiam ser tratadas.  Mas como as empresas não estão à frente dessas investigações, dizem os pais, eles estão sendo forçados a embarcar em buscas multimilionárias para financiar os experimentos necessários.  Aumentando o dilema ético: em alguns casos, os pais estão designando seus próprios filhos como os primeiros destinatários.

O ensaio clínico em Dayton, por exemplo, está priorizando crianças cujas famílias conseguiram arrecadar fundos para financiar o experimento, cujos custos até agora estão perto de US$ 6 milhões.  “Isso levanta a questão da equidade eterna de quem tem acesso aos testes e quem não tem”, diz Alison Bateman-House, bioética da Universidade de Nova York que está estudando questões éticas em testes de terapia genética pediátrica.

A família Landsman arrecadou mais de US$ 2 milhões, e famílias da Rússia, Polônia, Eslováquia e Itália também usaram doações em dinheiro para garantir uma vaga no teste.  Uma família russa  postou  até mesmo  uma cópia de uma fatura  de “tratamento de terapia genética” no valor de US$ 1.140.000, que incluía US$ 800.000 para compensar os custos de fabricação do tratamento genético usado no estudo.

De acordo com o apelo urgente de arrecadação de fundos da família russa, se eles não pagassem essa quantia, sua filha Olga “não terá a única chance de se recuperar e participar do tratamento caro nos Estados Unidos”.  Eles acabaram contribuindo com pelo menos US$ 700.000.

Embora esses testes “pagos para participar” sejam legais, eles denotam sinais de alerta, incluindo questões sobre se os pais — e doadores — entendem que a maioria dos tratamentos experimentais falham.  “Eles não são necessariamente antiéticos.  Mas você deve analisar a fundo por que o paciente está sendo solicitado a pagar”, diz Bateman-House.  “Se é um ensaio válido, por que o NIH [National Institutes of Health] ou uma empresa de biotecnologia não estão interessados?  Por que não há outro financiamento?”

Será que vai dar certo?

A doença de Canavan é causada quando uma criança herda duas cópias quebradas de um gene chamado  ASPA.  Sem a enzima  produzida pelo  ASPA, o cérebro não consegue formar corretamente os feixes de nervos que transmitem seus sinais.  O resultado, para Benny e Josh, é que os meninos não conseguem falar ou controlar seus membros e sua cognição é limitada.

“Eles são como bebês em corpos com ELA”, diz Paola Leone, pesquisadora  da Rowan University em New Jersey  que idealizou a terapia genética e liderou o esforço para iniciar um ensaio clínico.

Benny Landsman chegando ao Hospital Infantil de Dayton em 8 de abril, onde se tornou a primeira criança a  receber  uma nova terapia genética para a doença de Canavan. CORTESIA DE JENNIE LANDSMAN

Jennie e Gary Landsman com Benny.  A família Landsman arrecadou mais de US$ 2 milhões em doações para financiar o desenvolvimento de um tratamento de substituição de genes. CORTESIA DE JENNIE LANDSMAN

O ensaio clínico em Dayton busca usar vírus para entregar cópias funcionais do  gene  ASPA  ao tecido cerebral de crianças.  Foi o que aconteceu no dia 8 de abril no Hospital Infantil de Dayton.  Depois que Benny foi saudado por um golden retriever que anima os pacientes, neurocirurgiões perfuraram seu crânio e usaram uma agulha para introduzir 40 trilhões de partículas de vírus em seu cérebro.

A aposta científica de Leone é que adicionar cópias corretas de  ASPA  a células cerebrais específicas chamadas oligodendrócitos pode impedir o progresso da doença e talvez permitir alguma recuperação.  O tratamento tem sido eficaz em camundongos, diz ela, mas “isso vai funcionar em pacientes?  A única maneira é testá-lo”.

Pais atuando como cientistas

Existem agora meia dúzia de exemplos de tratamentos de terapia genética financiados por famílias com o objetivo de tratar seus próprios filhos, e mais experimentos desse tipo estão planejados.  Os cientistas até começaram a desenvolver uma medicina  hiperpersonalizada sob medida para crianças  que sofrem de problemas genéticos únicos.

Esses esforços desesperados pedem aos pais que superem obstáculos quase impossíveis.  Eles devem se tornar especialistas em desenvolvimento de medicamentos, arrecadar milhões e incansavelmente persuadir os cientistas.  Poucas pessoas conseguem fazer isso.

“Há muitas pessoas que sabem fazer terapia gênica, mas o conhecimento é fragmentado e muita coisa pode dar errado”, diz  Sanath  Kumar Ramesh, um desenvolvedor de software cujo filho sofre de uma doença rara diferente.  Ramesh fundou uma organização,  Open Treatments, que está construindo software que famílias podem usar para organizar pesquisas em terapia genética, incluindo etapas como a contratação de cientistas para criar modelos de uma doença em animais.

“Acho que, no futuro, a distinção entre cientistas e pais ficará confusa”, diz ele.

Para os pais cujos filhos já foram aceitos no estudo de Dayton, a terapia genética pode ser sua última chance.  Uma delas é Meagan Rockwell, uma manicure em Cedar Rapids, Iowa, cuja filha,  Tobin Grace, agora com três anos e meio, foi diagnosticada com Canavan em 2018.

“Eles nos pediram desculpas, não há nada que possamos fazer — nenhum tratamento, nenhuma cura — você terá sorte se ela completar cinco anos de idade.  Foi um golpe duro saber que seu único filho tem uma doença cerebral que limita sua vida”, diz Rockwell.

Rockwell diz que descobriu online o esforço de terapia genética de Leone e acabou levantando mais de US$ 250.000.  “Na época, Tobin era a pessoa mais jovem nos Estados Unidos com Canavan, e acho que isso desempenhou um grande fator em sua aceitação”, diz ela, acrescentando que Leone diz aos pais que o dinheiro os coloca na linha de frente, mas não garantia de tratamento.

Bateman-House, o bioético, diz que outro risco é se os pais podem realmente julgar os benefícios de um procedimento experimental de uma forma “desapaixonada”, especialmente se eles investiram uma fortuna no esforço.  “Não é apenas que seu filho está enfrentando uma condição perigosa; é que seu sangue, suor e lágrimas é o que está financiando esta intervenção”, diz ela.  “Pode ser extremamente difícil para um pai mudar de ideia e dizer ‘Não vamos fazer isso.’“

Esperança versus risco

O estudo de Dayton atualmente tem suprimentos suficientes da droga genética para tratar apenas nove ou dez crianças.  Foi fabricado na Espanha, mas só depois que os pesquisadores e famílias superaram o que eles chamam de uma provação de burocracia, atrasos e obstáculos, alguns levantados por reguladores do governo que decidem quais tratamentos genéticos podem ser tentados e se os testes são planejados adequadamente.

A certa altura, em 2019, os Landsmans levaram seus filhos à Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para uma reunião que realizaram após dezenas de ligações para legisladores. “Antes, éramos só mais um caso na grande pilha de papel deles”, diz Jennie Landsman, a mãe dos meninos.  “Eles tinham objeções muito técnicas.  Na reunião, seguramos Benny e Josh e dissemos: ‘Esperamos que esse problema tão técnico não pare o tratamento’”.

Benny Landsman e seu irmão mais novo, Josh, sofrem da doença de Canavan, uma doença hereditária fatal. Em abril, Benny passou por um procedimento de terapia genética em uma tentativa de adicionar um gene corrigido às suas células cerebrais. CORTESIA DE JENNIE LANDSMAN

O ensaio clínico de Dayton ganhou permissão para prosseguir em dezembro e começou bem a tempo para Benny, que atingirá o limite de idade de cinco anos em junho. “Benny é o teste piloto.  Benny é a criança que recebe todos os nossos ‘Deus, esperamos que funcione’”, diz Rockwell, que ainda não tem uma data para o procedimento de sua filha.

Qual é a chance de a terapia funcionar?  As técnicas de substituição de genes têm obtido sucessos notáveis,  curando crianças que não têm sistema imunológico  e  prevenindo doenças cerebrais. Desde 2017,  um pequeno número  de terapias gênicas também foi aprovado para venda nos Estados Unidos, a  preços de até US$ 2,1 milhões  por criança.

Os preços recordes despertaram o interesse entre as empresas especializadas em biotecnologia, que agora veem oportunidades de negócios até mesmo em doenças superaras.  Uma, chamada  Aspa  Therapeutics, diz que tem planos para iniciar um teste de terapia genética diferente para a doença de Canavan.  Seu CEO, Eric David, estima que haja 1.000 crianças com a doença nos Estados Unidos e na Europa.  “Isso, para nós, é o suficiente”, diz ele.

Não há certeza de que a terapia genética terá sucesso para os casos de Canavan.  Mesmo que o gene corrigido impeça a progressão da doença, os cérebros das crianças podem já ter sido irreversivelmente danificados.

“Espero que ela se sente sozinha, talvez diga mamãe e papai”, diz Rockwell sobre sua filha.  “Estou esperançosa, mas é puramente experimental.  Estamos entregando nossos bebês à ciência e esperando e rezando para que funcione”.  Levará um mês até que os médicos saibam se o novo gene está funcionando no cérebro de Benny, mas provavelmente muito mais para saber de qualquer efeito em seus sintomas.

Em uma mensagem aos doadores, Gary Landsman respondeu ao que chamou de pergunta “capciosa” sobre o que ele espera que o procedimento alcance.

“Eu ponderei essa questão inúmeras vezes”, escreveu ele.  “Posso querer mais?  É normal querer segurar suas mãos enquanto caminham ao meu lado?  Posso querer ouvi-los falar comigo?  Talvez eu esteja jogando um jogo perigoso com minha psique.  Mas acho que a esperança que as terapias fornecem valem o risco”.

Nossos tópicos