Esta é a primeira imagem do buraco negro no centro da nossa galáxia
Natureza e espaço

Esta é a primeira imagem do buraco negro no centro da nossa galáxia

A imagem impressionante foi obtida após conectar oito radio-observatórios existentes em todo o mundo.

FONTE DA FOTO: EVENT HORIZON TELESCOPE (EHT) COLLABORATION

O buraco negro supermassivo no coração da nossa Via Láctea foi fotografado pela primeira vez, dando aos astrônomos uma visão inestimável de como os buracos negros interagem com o ambiente.

Batizado de Sagitário A*, a imagem foi capturada pela Event Horizon Telescope Collaboration, a mesma equipe internacional que tirou a famosa primeira foto de um buraco negro dentro da galáxia Messier 87 (M87) em 2019. Embora o próprio buraco negro seja totalmente escuro, é cercado por um anel brilhante de gás brilhante que é deformado por sua própria gravidade.

A imagem foi possível ao conectar oito radiotelescópios existentes em todo o mundo para formar um único telescópio virtual do “tamanho da Terra” que coletou dados por muitas horas em várias noites.
Esta nova imagem pode ser muito semelhante à de 2019 do M87*, mas as massas dos dois buracos negros e os tipos de galáxias que os cercam são muito diferentes. Os pesquisadores conseguiram descobrir que Sagitário A*, que fica no centro de nossa pequena galáxia espiral, consome gás a uma taxa muito mais lenta do que M87*, que reside no centro de uma galáxia elíptica gigante e ejeta um poderoso jato de plasma.

Apesar de estar muito mais próximo de nós, a foto do Sagitário A* foi significativamente mais difícil de capturar do que a do M87*. Isso ocorre porque o gás ao redor de Sagitário A* completa uma órbita em apenas alguns minutos, em comparação com os dias ou semanas do muito maior M87*, fazendo com que o brilho e o padrão do gás mudem rapidamente. A equipe comparou a situação com a de “tentar tirar uma foto clara de um filhote perseguindo rapidamente seu rabo”. Para tornar o buraco negro visível, eles desenvolveram novas ferramentas sofisticadas para explicar o movimento do gás.

“Se Sagitário A* fosse do tamanho de uma rosquinha, M87* seria do tamanho da Allianz Arena, o estádio de futebol de Munique a poucos quilômetros de onde estamos hoje”, disse Sara Issaoun, pesquisadora da NASA Einstein no Harvard & Smithsonian Center para Astrofísica, em uma coletiva de imprensa no Observatório Europeu do Sul, na Alemanha.

“Essa semelhança nos revela um aspecto fundamental dos buracos negros, independentemente do tamanho ou do ambiente em que vivem. Quando você chega à borda de um buraco negro, a gravidade assume o controle”.