É assim que filtros bolha realmente se parecem
Computação

É assim que filtros bolha realmente se parecem

Os mapas das atividades do Twitter mostram como a polarização política se manifesta online e por que as divisões são tão difíceis de superar.

A vida pública americana tornou-se cada vez mais ideologicamente segregada, à medida que os jornais deram lugar às telas. Mas as sociedades experimentaram extremismo e fragmentação sem a assistência do Vale do Silício por séculos. E a polarização nos EUA começou há muito tempo, com o aumento das notícias 24 horas à cabo. Então, quanto a internet é responsável pelas divisões de hoje? E elas são realmente tão ruins quanto parecem?

Os mapas do Twitter a seguir mostram um panorama do cenário político dos EUA, as contas que se seguem mutuamente são agrupadas e codificadas por cores e pelos tipos de conteúdo que compartilham. À primeira vista, pode parecer reconfortante: embora existam claras câmaras de eco (usuários que se limitam a replicar as mesmas ideias nas quais acreditam), há também uma rede entrelaçada de funcionários, imprensa e de profissionais políticos. Embora existam extremos, eles são mediados por um centro sólido.

No entanto, como os diagramas a seguir mostrarão, o meio é muito mais fraco do que parece, e isso torna o discurso público vulnerável tanto aos extremistas locais quanto à manipulação por atores externos, como a Rússia.

Uma imprensa dividida

Se as redes sociais fossem uma mera distração diante do consumo regular de uma imprensa séria, seu impacto na democracia seria limitado. Mas este mapa (abaixo) de estudiosos do Berkman Klein Center de Harvard e do Media Lab do MIT, com base em “co-citações” (ou seja, quem se vincula a quem), mostra que o mundo da mídia também é bifurcado.

Gráfico de dados mostrando os nomes dos meios de comunicação, representados, em comparação, por diferentes tamanhos e cores relacionados à afiliação política

Gráfico de dados mostrando os nomes dos meios de comunicação, representados, em comparação, por diferentes tamanhos e cores relacionados à afiliação política

Imagem do gráfico com meios de comunicação marcados como pontos de dados.

Este gráfico mostra quais fontes de notícias são mais citadas pelas contas do Twitter no mapa político dos EUA, mostrado no topo da matéria. As fontes jornalísticas tradicionais e dominantes são citadas principalmente pela esquerda, enquanto a direita adota fontes como Fox, Breitbart e True Pundit.

Imagem do gráfico com pontos de dados vermelhos e azuis.

Se analisarmos os mesmos dados observando citações de artigos individuais ao invés de fontes de notícias, a divisão será ainda mais acentuada. Os artigos que obtêm o maior número de tweets representam as visualizações mais partidárias tanto da esquerda quanto da direita.

Como os trolls russos exploram a divisão

A polarização observada nos diagramas acima é um terreno fértil para operações de desinformação, como a que a Rússia realizou para influenciar as eleições nos EUA em 2016.

Em vez de tentar forçar suas mensagens para a massa, esses adversários têm como alvo comunidades polarizadas e se “infiltram” com contas falsas dentro delas. As falsas personas interagem com pessoas reais para construir credibilidade nessas comunidades. Uma vez estabelecida sua influência, eles podem inserir novos pontos de vista e amplificar narrativas polêmicas e inflamatórias que já estão circulando. É o equivalente digital a mudar para uma comunidade isolada e unida, usando suas próprias peculiaridades linguísticas e atendendo às suas obsessões, se candidatar como prefeito e depois usar essa posição para influenciar a política nacional.

O primeiro dos dois mapas no GIF abaixo mostra o espectro político dos EUA na véspera das eleições de 2016. O segundo mapa destaca os seguidores de uma mulher americana de 30 e poucos anos chamada Jenna Abrams, que ganhou um grande número de seguidores com seus tweets virais sobre escravidão, segregação, Donald Trump e Kim Kardashian. Sua visão de extrema-direita conquistou o amor dos conservadores e suas divertidas táticas de choque atraíram a atenção de vários meios de comunicação tradicionais e a levaram a discussões públicas no Twitter com figuras proeminentes, incluindo um ex-embaixador dos EUA na Rússia. Seus seguidores de direita na Twitteresfera lhe permitiram influenciar conversas políticas em um nível superior. Mas na realidade, ela era uma das muitas personas falsas criadas pela infame fábrica de trolls de São Petersburgo, conhecida como Agência de Pesquisa na Internet.


A blogosfera iraniana

O efeito da câmara de eco na internet não é novidade. Este mapa de 2008 mostra a blogosfera no Irã, agrupando blogs vinculados entre si e colorindo-os pelo seu conteúdo. Antes de uma repressão sustentada pelo governo ao discurso online, os partidários (canto inferior direito) e os opositores (canto inferior esquerdo) do regime clerical desfrutavam de seguidores substanciais.

Ilustração do mapa colorido composto por pequenos círculos

Twitter turco

Este mapa do Twitter do cenário político na Turquia, análogo ao mapa dos EUA no início desta matéria, mostra uma polarização multidimensional, com uma densa esfera de influência em torno dos apoiadores de Erdogan, no lado direito do mapa, e dois polos diferentes de oposição no outro. Esses “núcleos de amplificação” de contas altamente conectadas têm uma influência desproporcional na conversa e podem aumentar rapidamente as mensagens de polarização.

Ilustração do mapa colorido composto por pequenos círculos

Rússia: O mesmo, mas diferente

Este mapa do Twitter do cenário político russo mostra a polarização em outro contexto. Existem claros grupos pró e anti-Putin, mas eles estão unidos por um amplo conjunto de notícias principalmente pró-governo e contas orientadas para discussões. Um halo de contas “pessoais” e de marketing aparentemente automatizadas cercam os fãs de Putin.

Ilustração do mapa colorido composto por pequenos círculos

John Kelly é CEO e Camille François é diretora de pesquisa da Graphika, uma empresa de análise de redes sociais.

Nossos tópicos