Computação em nuvem nos serviços financeiros
Negócios e economia

Computação em nuvem nos serviços financeiros

Os bancos precisam redefinir o papel da TI.

Trabalhando na nuvem? Os bancos quase não aderiram a esse movimento. Em forte contraste com a concorrência internacional, alguns países já levaram processos bancários importantes para a nuvem, e agora estão se beneficiando de processos ágeis e rápidos, tempo de posicionamento no mercado, escalabilidade considerável e a possibilidade de acesso distribuído geograficamente aos recursos de TI. Isso tem consequências graves, como fica evidente na crise atual.

Com a Covid-19 um maior número de funcionários passou a trabalhar em casa em todo o setor bancário. No momento, a maioria dos bancos ainda está trabalhando para disponibilizar capacidade suficiente para acesso remoto, no nível básico, para que os funcionários tenham a oportunidade de se conectar à rede da empresa. Como esse acesso está se revelando um gargalo, alguns bancos introduziram o trabalho por turnos, parte da força de trabalho tem acesso pela manhã, outros pela tarde.

A situação é muito diferente nos poucos bancos que já mudaram para a nuvem, onde plataformas de colaboração e produtos são operados. A rede da empresa é automaticamente aliviada porque o tráfego de dados nos centros de dados do provedor de nuvem público está em execução. Os funcionários podem acessar todos os documentos de que precisam na nuvem. Ligar de casa é fácil e seguro. O resultado é que esses processos bancários continuam a funcionar normalmente.

Os microsserviços estão revolucionando as arquiteturas de TI

Uma conclusão clara já pode ser posta: os dias das arquiteturas de TI no data center do próprio banco acabaram. Aqueles que não mudam saem da equação competitiva. O processo de mudança não terminará da noite para o dia, mas as arquiteturas de TI mudaram e estão soando em um novo paradigma, microsserviços, plataformas de orquestração e malhas de serviço estão substituindo os monolitos legados.

Microsserviços e sem servidor são considerados a transformação mais significativa desde a introdução da virtualização de servidor com máquinas virtuais. O avanço veio com a introdução de tecnologias de contêiner em 2013, com os chamados contêineres Docker, os microsserviços contêm apenas os componentes necessários para executar uma função encapsulada e claramente definida. Isso os torna adequados para abordagens de desenvolvimento ágil e DevOps. Especialmente com grandes equipes de desenvolvimento que são utilizadas para desenvolver monolitos de software, limites organizacionais e de interface divergem e causam erros e problemas de integração.

Kubernetes: divisor de águas para o Cloud Native

A vantagem dos microsserviços é que grandes sistemas podem ser divididos em pequenos sistemas individuais que funcionam como um todo em rede. Outro avanço é a portabilidade. Como pacotes de aplicativos fechados, os microsserviços podem ser executados em sistemas diferentes, utilizados ​​no desenvolvimento offline, bem como em servidores produtivos — a maioria independentemente da nuvem selecionada. Além disso, os microsserviços são altamente escalonáveis. Se instâncias adicionais de um serviço forem necessárias porque o tráfego está aumentando, a capacidade pode ser aumentada ou diminuída em questão de segundos.

Uma plataforma de orquestração é necessária para gerenciar esse grande número de microsserviços. Ele automatiza a implantação, operação e escalonamento dos microsserviços. O Kubernetes se estabeleceu como o padrão de fato no mercado.

Malhas de serviço permitem uso produtivo

Mas as arquiteturas distribuídas trazem consigo novos desafios. Por exemplo, os bancos devem criptografar dados em trânsito e em repouso devido a requisitos regulatórios na nuvem. Isso também se aplica à comunicação entre os microsserviços. Os bancos também precisam de abordagens padronizadas para registro, rastreamento, depuração e gerenciamento de autorização. As arquiteturas de microsserviço são sistemas distribuídos — fornecer-lhes uma abordagem de registro, depuração e criptografia é uma grande arte. A malha de serviço surgiu no ecossistema Kubernetes em resposta a esse desafio. Malhas de serviços fecham a lacuna entre a orquestração de contêineres e microsserviços.

A complexidade do nível de orquestração aumenta ainda mais com o uso de malhas de serviço. Outro obstáculo é a comunicação entre os microsserviços. É importante escolher o corte funcional por meio de um design orientado por domínio dos serviços individuais e programar a transferência de dados entre os serviços de forma que os tempos de execução e os volumes de dados permaneçam pequenos. A curva de aprendizado de uma arquitetura de microsserviço é íngreme, muitos valores empíricos de computação distribuída também são utilizados aqui, como as “falácias da computação distribuída”.

Os bancos estão se estabelecendo como pioneiros na nuvem

Por último, mas não menos importante, os efeitos da crise da COVID-19 mostram que o mundo bancário não pode evitar essa transformação. Microsserviços, plataformas de orquestração e malhas de serviço estão disponíveis para operar. Se os bancos reagirem agora, poderão acompanhar a concorrência internacional, redefinindo o papel de sua própria TI e se estabelecerem como pioneiros para a nuvem.


Este artigo foi produzido por Lenildo Morais, Mestre em Ciência da Computação pelo Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco e Gerente de Projetos na Ustore/Claro.

Nossos tópicos