Como as escolas planejam eliminar a lacuna de aprendizagem da pandemia
Humanos e tecnologia

Como as escolas planejam eliminar a lacuna de aprendizagem da pandemia

Muitos alunos ficaram para trás como resultado do aprendizado remoto.  Agora, os educadores estão tentando descobrir como recuperar o tempo perdido.

Antes da época da escola por Zoom, a professora de alfabetização Andy Granados e seus colegas devotaram muito esforço para planejar seu tempo na sala de aula.  “Se você passar 10 minutos distribuindo seus materiais, são 10 minutos de aula que você perde”, diz ela.

Esses planejamentos cuidadosos parecem um luxo agora. Atualmente, Granados ensina de forma remota, observando crianças de seis, sete anos tentarem, em suas pequenas janelas de vídeo, pronunciarem a sílaba  SH- em  palavras como “shop”.  Os alunos dela assistem às aulas por apenas duas horas e meia por dia letivo, mas o pior é a frequência com que as crianças abandonam as chamadas de vídeo, normalmente interrompidas por conexões de internet ruins.

“É realmente difícil.  Elas voltam e não sabem onde estamos ou em que página estamos”, diz Granados.  Ela leciona no  Franklin Pierce School District  em Tacoma, Washington, onde 80% dos alunos vêm de famílias de baixa renda.  O distrito deu tablets ou laptops para todos os alunos e pontos de acesso para suas famílias, mas os problemas de conexão persistem.

Enquanto isso, Granados segue em frente.  Ela cobriu a ementa escolar tanto quanto já teria feito a essa altura do semestre, quando ensinava pessoalmente, mas duvida que seus alunos entendam o material da mesma maneira.  “Eu não sei qual é a solução.  É muito doloroso”, diz ela.

É claro que os estudantes americanos estariam em uma posição muito pior se o Zoom, o Google Classroom e outras plataformas de tecnologia não estivessem mantendo a educação à tona durante a pandemia.  Mas não está funcionando bem para todos, e a forte dependência dessas ferramentas está criando maiores desigualdades em um campo já irregular.  Os alunos pobres ou rurais e aqueles com deficiência de aprendizagem enfrentam as maiores barreiras com o ensino virtual e híbrido.  Os educadores estão preocupados que esses alunos, que eram os mais vulneráveis ​​antes da pandemia, tenham sofrido um golpe devastador.

O lado bom: a crise está estimulando ações para fechar algumas dessas lacunas de uma vez por todas.

O preço da pandemia

Muitos distritos escolares fizeram grandes esforços durante a primavera e o verão para distribuir tablets e Chromebooks aos alunos.  Isso ajudou um pouco a diminuir a exclusão digital, mas as famílias negras e hispânicas ainda eram menos propensas do que as brancas a ter conexões confiáveis ​​de internet e acesso a dispositivos, de acordo com dados do US Census Bureau de outubro de 2020  analisados ​​em um relatório  da consultoria McKinsey.

Isso significa que uma grande parte das crianças que não possuem as ferramentas básicas necessárias para o aprendizado online são negras e hispânicas.  “E quando eles têm acesso, [os dispositivos] são provavelmente de qualidade inferior”, diz  Emma Dorn, gerente de prática de educação global da McKinsey e co-autora do relatório.  Talvez como resultado dessas discrepâncias, essas crianças também tenham metade da probabilidade dos alunos brancos de terem tido contato ao vivo com o professor na semana anterior.

Assim, enquanto os alunos brancos podem terminar o ano letivo atual entre quatro e oito meses atrasados ​​em matemática, os alunos negros podem estar seis a 12 meses atrasados, de acordo com a análise da McKinsey.

Dorn diz que essas disparidades decorrem em parte da persistente exclusão digital e em parte do fato de que os alunos negros têm  maior probabilidade de aprender remotamente, de  acordo com pesquisas.  Entre outras razões, seus pais podem  mantê-los em escolas remotas  por causa das altas taxas da Covid-19 em suas comunidades e da desconfiança nas autoridades que dizem que é seguro voltar.

Jayda Williams, aluna do último ano do ensino médio em  Providence, Rhode Island, tem seu próprio laptop, um Chromebook fornecido pela escola e uma conexão doméstica estável à Internet.  Ela está envolvida com um grupo de estudantes ativistas e um grupo de arte, o que lhe dá um propósito.  Mas ela ainda tem enfrentado mais dificuldades este ano do que nunca com a escola, que ela frequentou pessoalmente cerca de três dias por semana em janeiro.

Durante os dias que passou aprendendo em casa, Williams teve dificuldade em se concentrar.  Ela pega o telefone para enviar mensagens de texto aos amigos com muito mais frequência e sente falta de sua vida social.  “Eu com certeza não estou aprendendo tanto”, ela admite. ”Eu acho não que retenho nada”.

As notas de Williams caíram um pouco durante o primeiro trimestre, mas ela ainda planeja se inscrever em faculdades.  Ela restringiu sua busca a escolas perto de casa porque teme que os campuses universitários se tornem os focos do coronavírus mais uma vez.

Outros alunos do último ano do ensino médio foram ainda mais prejudicados.  As inscrições para FAFSA, a  inscrição  gratuita para auxílio federal a estudantes,  caíram 10%  no final de janeiro de 2021. E a matrícula na faculdade foi  quase 22%  menor  em 2020 do que no ano anterior.  Os alunos que têm uma baixa frequência à faculdade têm  menos probabilidade  de concluir um curso, mostram os estudos.

A grande questão, é claro, é como a pandemia afetará o progresso educacional dos alunos e a economia em geral no longo prazo.  A resposta ainda não está clara e dependerá em grande parte do que acontecerá a seguir.  Mas os relatórios preliminares descrevem um cenário desolador.

Dorn e seus colegas  estimam que os obstáculos na educação  podem custar ao estudante americano médio US $ 61.000 a US $ 82.000 em ganhos vitalícios.  Novamente, essas médias ocultam uma divisão racial gritante: a renda dos alunos brancos pode cair 1,6%, enquanto os alunos hispânicos perdem 3% e os alunos negros 3,3% ao longo de sua vida profissional.  E o PIB dos Estados Unidos pode atingir uma taxa anual de 0,8% a 1,3% até 2040, quando a maior parte do grupo escolar atual estará trabalhando.

Preparando o terreno

Uma conclusão é clara: todos os alunos precisam de Internet confiável e de alta velocidade em casa, e precisarão mesmo quando a maioria estiver de volta à escola.  Os administradores escolares agora veem como seu trabalho garantir que os alunos tenham laptops ou tablets e conexões de banda larga sólidas para usá-los.

“Você pode discutir as diferenças entre a aprendizagem remota e presencial, mas educação à distância sem o benefício do acesso à Internet simplesmente não é viável”, disse  Phillip DiBartolo, diretor de informações  das Escolas Públicas de Chicago .

Alguns distritos escolares estão tentando acabar com a exclusão digital de uma vez por todas. O sistema escolar de Chicago fez parceria com a cidade e grupos filantrópicos para lançar o  Chicago Connected  em junho de 2020. O programa fornecerá internet de alta velocidade gratuita por quatro anos para aproximadamente 100.000 alunos e suas famílias.  Mais de 50.000 famílias se inscreveram até janeiro.

O fator crucial para o Chicago Connected é sua parceria com os provedores de serviços de Internet RCN e Comcast.  O distrito escolar assinou um acordo de compartilhamento de dados que fornece os endereços dos alunos — sem outras informações de identificação — aos Fornecedores de Acesso à Internet locais, que fazem uma verificação de elegibilidade do serviço.  Se um endereço pode ser conectado à banda larga com fio, as famílias recebem um código para ativar o serviço.  Se não puder, o distrito oferece a eles um ponto de acesso sem fio.

PESQUISA PULSE US CENSUS BUREAU HOUSEHOLD VIA MCKINSEY 

Alunos que sempre ou geralmente têm acesso a dispositivos para aprender / Alunos que sempre ou geralmente têm acesso à internet

Várias outras cidades deram início a esforços semelhantes, como o  PHL Connect ED  da Filadélfia.  Eric Gordon, CEO do  Cleveland Metropolitan School District em Ohio, está  desenvolvendo um programa  que permite ao distrito pagar pelo acesso dos alunos à Internet, desde que estejam na escola.

O modelo de Chicago também inspirou Evan Marwell, fundador e CEO da  Education Super Highway.  A organização sem fins lucrativos e seus parceiros haviam acabado de atingir sua meta de estabelecer banda larga em quase todos os prédios de salas de aula nos Estados Unidos. Em 2013, apenas 30% das escolas nos EUA tinham boas conexões de internet. Em 2020, 99,3% das salas de aula estavam conectadas a larguras de banda de alta velocidade e Marwell estava prestes a dissolver a organização.

Mas quando a Covid-19 apareceu, as coisas mudaram.  Pessoas que ele conheceu, nas capitais dos estados e em Washington, pediram conselhos sobre como conseguir serviço de internet para alunos que aprendiam em casa.  Depois de ouvir sobre o modelo de Chicago, ele contatou associações de cabo e telecomunicações para sondá-las sobre como replicá-lo em outros lugares.

Até agora, Marwell e sua equipe firmaram acordos com a  Internet and Television Association,  US Telecom  e outros para identificar alunos sem Internet de banda larga em casa e para ajudar estados e distritos escolares a comprá-la para eles.

Para fechar a lacuna para sempre, no entanto, esforços como o dele precisarão de financiamento estável.  No mais recente projeto de lei de auxílio contra os efeitos da pandemia da Covid-19, o Congresso forneceu US $ 3,2 bilhões para um  Programa de Benefícios de Banda Larga de Emergência  temporário, que dará um desconto de US $ 50 por mês para a qualificação de famílias de baixa renda.  Os legisladores podem optar por tornar esse benefício permanente.

Outra solução poderia vir do programa federal E-Rate, que tem financiado banda larga nas escolas. Ele tinha cerca de US $ 1,5 bilhão em fundos não utilizados no ano passado.  Usar esse dinheiro para o acesso doméstico dos alunos à Internet exigiria que a Comissão Federal de Comunicações (na sigla em inglês, FCC) fizesse mudanças nas regras, o que se recusou a fazer durante o governo Trump.

Marwell diz que, com financiamento suficiente, os Estados Unidos poderiam acabar com a exclusão digital doméstica na metade do tempo que levaram para acabar com ela nas salas de aula da América, porque muitas empresas e escolas estão agora focadas neste problema.

Uma abordagem holística

Por si só, expandir o acesso à Internet não fará com que o aprendizado remoto funcione para todos, nem fará muito para remediar a perda de aprendizado que já ocorreu.

Com o fim da pandemia à vista, educadores estão discutindo como ajudar os 53,1 milhões de alunos do jardim de infância e escolas do país a compensar o tempo perdido.  Eles estão começando a fazer planos para reiniciar a educação tradicional enquanto preservam os benefícios do aprendizado remoto.

“Estar pessoalmente construindo uma conexão com um aluno é a melhor coisa, e perder isso tem sido muito difícil”.
Andy Granados

Gordon, do distrito escolar de Cleveland, diz que sua equipe está considerando maneiras de ajudar os alunos a recuperar o atraso quando as escolas reabrirem, como organizando acampamentos nos finais de semana, oferecendo aulas noturnas ou agrupando alunos de várias idades e de níveis de aprendizagem semelhantes em uma mesma sala de aula.

Os pesquisadores também esperam ver suporte para intervenções acadêmicas, como  aulas de reforço de alta intensidade  e  academias de ensino acelerado de  verão, com  alunos participando remota ou pessoalmente.  O Reino Unido lançou um programa nacional de orientação escolar  para lidar com os contratempos de aprendizagem devido à Covid-19, e muitos pesquisadores em educação sugerem que os EUA façam o mesmo. Estudos mostram que orientação frequente e contínua além de aulas regulares pode fazer uma diferença real na vida do aluno.

DiBartolo, das escolas de Chicago, diz que a pandemia também está abrindo a mente dos educadores para novas maneiras de integrar a tecnologia na sala de aula, mas ele adverte que isso não pode substituir a instrução humana na aprendizagem. “No final do dia, sempre é preciso um professor talentoso para fazer isso acontecer”, diz ele.

Granados, a professora de alfabetização, está ansiosa para voltar para a escola quando for seguro. “Estar pessoalmente construindo uma conexão com um aluno é a melhor coisa, e perder isso tem sido muito difícil”, diz ela. “Acho que muitas pessoas estão pensando: ‘Mal posso esperar para voltar’”.

Nossos tópicos