fbpx
Asiáticos-americanos estão usando grupos do Slack para explicar o racismo a seus pais
Humanos e tecnologia

Asiáticos-americanos estão usando grupos do Slack para explicar o racismo a seus pais

As traduções colaborativas coletadas são uma forma de iniciar uma conversa difícil.

Jess Fong estava se sentindo inquieta. Os protestos de Black Lives Matter decorrentes da morte de George Floyd estavam se espalhando, e ela queria ajudar. Então, ela começou a percorrer a infinidade de listas com recursos sobre como combater o racismo que apareceram online nos dias após a morte de Floyd. Ela achou as orientações limitantes, especialmente para a comunidade asiático-americana.

“Não somos negros e não somos brancos”, diz Fong, que se identifica como sino-americana. “Muitos dos recursos que existem voltados para não negros, são para brancos. Recomendações de livros e listas de doações são destinadas a pessoas brancas. Eu pessoalmente senti muita dificuldade em me conectar com eles”.

Em vez disso, o que Fong achou útil foi Letters for Black Lives (LFBL), um canal privado do Slack de um site do Medium que teve quase 2.000 novos voluntários nas últimas semanas. A LFBL foi fundada em 2016 por Christina Xu, uma etnógrafa radicada em Nova York, após os tiroteios de Alton Sterling em Baton Rouge, Louisiana, e Philando Castile nos arredores de Minneapolis. A noiva de Castile identificou seu atirador (incorretamente, como se descobriu) como “chinês”. Xu disse à NPR que ela achava que isso poderia fazer com que os asiáticos-americanos ficassem do lado da polícia contra a comunidade negra, mas ela também achava que isso poderia ser tratado com delicadeza usando cartas traduzidas destinadas a ajudar os asiáticos-americanos a falar sobre a antinegritude e antirracismo com suas famílias – algo que pode ser complicado para filhos de imigrantes.

Huy Hong, que ajuda a administrar o grupo do Slack, começou a participar porque precisava de uma maneira delicada, mas eficaz, de discutir raça com sua família. “Meus pais são refugiados vietnamitas e me sinto afortunado por ser americano, mas preciso reconhecer que eles têm dificuldades e razões pelas quais têm certos preconceitos e perspectivas”, diz ele. “Não quero desrespeitar isso, mas, ao mesmo tempo, precisamos reconhecer e corrigir esse [comportamento]”.

Os asiáticos-americanos há muito são “triangulados” nas conversas raciais nos Estados Unidos, de acordo com Claire Kim, cientista política da Universidade da Califórnia, Irvine – ou seja, eles são vistos como estando de fora de uma conversa  ocorrendo entre negros e pessoas brancas.

Como ser um aliado

A premissa do grupo é surpreendentemente simples: usando um modelo básico de carta dirigido a membros da família, o grupo o traduz em várias línguas e dialetos com o objetivo de compartilhar o que é antirracismo e como os asiáticos-americanos podem agir como aliados da comunidade negra. Até 22 de junho, havia 31 cartas traduzidas. O grupo também está recebendo cartas lidas em vários idiomas como uma peça de áudio a ser postada no YouTube, expandindo ainda mais o alcance do projeto para idosos, cegos e deficientes visuais.

Tudo isso foi organizado por meio do Slack, um aplicativo de produtividade de escritório que foi adotado em 2020 como uma ferramenta de organização. Ele foi usado por famílias para dividir tarefas e por grupos locais que faziam compras para vizinhos deficientes e idosos durante a pandemia do coronavírus.

Hong diz que, embora o design do Slack tenha ajudado a incentivar a conversa e a organização, grande parte da coordenação em torno da tradução de cartas é mantida sob rígido controle. Por um lado, o grupo é privado. Até mesmo descobrir como pedir para entrar não é fácil. “Temos um Código de Conduta muito longo, e enterrado nesse código está o convite do Slack”, diz ele. “Isso é intencional. Não queremos escondê-lo, mas ele neutraliza o comportamento do usuário que pode se opor ao nosso grupo e também ajuda a evitar trolls”.

Recursos vitais

O Slack não é a única ferramenta usada dessa forma. Os sites da Carrd, onde os usuários criam páginas da web interativas simples e personalizáveis, surgiram em ferramentas de colaboração para falar sobre raça. Este da Black Lives Matter, por exemplo, usa flashcards clicáveis ​​para traduzir informações sobre recursos acerca do trabalho antirracismo em diferentes idiomas.

O Carrd de Prinita Thevarajah apresenta várias traduções do sul da Ásia de vocabulários que são necessários para discussões antirracismo. Thevarajah, que mora na Austrália, é uma Eelam Tamil, filha de pais ativistas do Sri Lanka afetados pela guerra civil no país, e seu novo trabalho é o resultado de anos pensando profundamente sobre o racismo. Ela trabalhou com a mãe na tradução do Tamil e, em seguida, recrutou amigos e outros ativistas que a procuraram no Instagram para ajudar na tradução.

No LFBL, Fong, que diz que sua fluência em chinês é “medíocre”, descreve um processo elaborado de forma semelhante, pelo qual a carta chinesa simplificada tomou forma. Cerca de 100 membros do grupo Slack contribuíram, adicionando frases que são específicas para a experiência sino-americana de microagressões que favorecem a pele mais clara (as versões do sul da Ásia, enquanto isso, tocavam na questão de casta e no colorismo, traçando conexões entre esse comportamento e o racismo americano).

Tradutores millennials pediram ajuda aos próprios pais, o que por si só se tornou uma maneira de entrar em contato com eles sobre o antirracismo. “Minha mãe foi muito prestativa”, diz Fong. “Eu dizia: ‘Vou ler esta frase para você e você me dirá se ela está boa’, e ela me ajudaria a consertar se soasse gramaticalmente incorreta”.

É assim que Adrienne Mahsa, que é iraniana-americana, também se sentiu. Ela traduziu a carta para o persa com sua mãe “sentada no sofá ao meu lado” e descobriu que a experiência ajudou a consolidar os pontos que ela e seus irmãos haviam feito sobre as visões antinegros ao longo de décadas – tanto que quando um tio expressou a opinião de que as pessoas simplesmente tinham que ser educadas com a polícia para obter um bom tratamento, seus pais intercederam.

Mahsa agora está pensando em como compactar as mesmas informações para o TikTok. Ela, junto a muitas outras pessoas com quem conversei, reconhece que a carta é apenas um primeiro passo para falar abertamente e reconhecer comportamentos antinegros e outros racistas.

Fong diz que também viu recentemente esse desenrolar no WeChat, o site de mídia social chinês que é semelhante ao Facebook. Seu feed baseado em Nova Jersey do WeChat é normalmente sem graça, ela diz – “São principalmente alertas sobre vendas na Macy’s”. Mas logo após o assassinato de George Floyd, ela percebeu teorias da conspiração surgindo, sugerindo que Floyd era uma peça que ativistas de esquerda estavam usando para minar a polícia e o governo. Ela diz que sua experiência com Letters for Black Lives a compeliu a agir, entrando em discussões do WeChat para falar sobre racismo. Outros fizeram o mesmo.

A função de stories no Instagram e no WeChat também tem sido uma forma poderosa de chegar aos imigrantes para falar sobre o racismo. “O Instagram nos ajuda a disseminar informações aos membros da comunidade, e eles podem nos responder”, diz Garima Raheja, voluntária do South Asians for Black Lives, um grupo comunitário localizado na área da baía de São Francisco. “Nosso grupo aprende coisas com os comentários e entendemos as histórias complicadas de eventos específicos quando as pessoas oferecem mais ideias”.

Raheja diz que uma dessas foi a necessidade de gráficos compartilháveis ​​nas mensagens de grupo do WhatsApp e do Facebook. “Queremos ter certeza de que os gráficos são pequenos e fáceis de entender, o que significa não usar jargão acadêmico ou palavras complicadas que podem alienar as pessoas”, diz ela. Ela acrescenta que um grande benefício é a capacidade de atingir um público mais amplo em todos os fusos horários. As chamadas de Zoom também se tornaram cada vez mais importantes.

Mas o trabalho está longe de terminar para muitos asiático-americanos. Emily Lai, que trabalha com o grupo de defesa Asian Accountability for Black Lives e é participante da LFBL, costuma usar memes para discutir e educar sobre raça. Ela admite que é um trabalho em progresso. “Minha família ainda usa emojis loiros e brancos”, diz ela. “Estou a um oceano de distância da minha família e sei que a tecnologia não é um fim em si mesma. Precisamos aprender quais conversas podem ser realizadas online e quais precisam ser feitas pessoalmente”.

Raheja concorda. “Nosso objetivo é ter essas conversas pessoalmente”, diz ela.

Nossos tópicos