fbpx
A Neuralink de Elon Musk é uma encenação de neurociências
Humanos e tecnologia

A Neuralink de Elon Musk é uma encenação de neurociências

O evento transmitido ao vivo do implante cerebral de Elon Musk fez promessas que serão difíceis de cumprir.

Escalar sem medo. Tocar uma sinfonia na sua cabeça. Ver um radar com visão super-humana. Descubra a natureza da consciência. Cure a cegueira, paralisia, surdez e as doenças mentais. Essas são apenas algumas das possibilidades que Elon Musk e os funcionários de sua empresa de neurociência, Neuralink, acreditam que as interfaces eletrônicas cérebro-computador um dia produzirão.

Nenhum desses avanços está ao alcance das mãos e alguns provavelmente nunca acontecerão. Mas em uma “atualização de produto” transmitida pelo YouTube em agosto, Musk, também fundador da SpaceX e da Tesla Motors, juntou-se à sua equipe usando máscara preta para discutir o trabalho da empresa para a criação de um implante cerebral acessível e confiável que Musk acredita que bilhões de consumidores pedirão no futuro.

“De várias maneiras”, disse Musk, “é como um Fitbit no seu crânio, com fios minúsculos”.

Embora o evento online tenha sido descrito como uma demonstração de produto, ainda não há nada que alguém possa comprar ou usar na Neuralink. (É melhor assim, já que a maioria das alegações médicas da empresa permanece altamente especulativa). No entanto, Neuralink está projetando uma tecnologia de eletrodo superdenso que está sendo testada em animais.

A empresa não é a primeira a acreditar que implantes cerebrais podem estender ou restaurar as capacidades humanas. Os pesquisadores começaram a colocar sondas no cérebro de pessoas paralisadas no final da década de 1990, a fim de mostrar que os sinais cerebrais emitidos por elas podiam permitir que braços de robôs ou cursores de computador se movessem. E ratos com implantes visuais realmente podem perceber os raios infravermelhos.

Com base nesse trabalho, Neuralink diz que espera desenvolver ainda mais essas interfaces cérebro-computador (ou BCIs, em inglês) a ponto de poderem ser instaladas em um consultório médico em menos de uma hora. “Isso realmente funciona”, disse Musk sobre pessoas que controlaram computadores com sinais cerebrais. “Não é algo que uma pessoa comum possa usar de forma eficaz”.

Durante todo o evento, Musk habilmente evitou falar de datas e prazos ou se comprometer com cronogramas em questões como quando o sistema do Neuralink poderia ser testado em seres humanos.

Até o momento, quatro anos após sua criação, a Neuralink não forneceu evidências de que possa (ou tenha tentado) tratar a depressão, a insônia ou uma dúzia de outras doenças que Musk mencionou em um slide. Uma dificuldade à frente da empresa é aperfeiçoar microfios que possam sobreviver ao interior “corrosivo” de um cérebro vivo por uma década. Esse problema sozinho pode levar anos para ser resolvido.

O objetivo principal da demonstração transmitida, em vez disso, era despertar o entusiasmo, recrutar engenheiros para a empresa (que já emprega cerca de 100 pessoas) e construir o tipo de base de fãs que torceu por outros empreendimentos de Musk e ajudou a impulsionar o preço das ações da fabricante de carros elétricos Tesla, que parece estar desafiando a gravidade.

Porcos na “Matrix”

Em tweets que antecederam o evento, Musk havia prometido aos fãs uma demonstração alucinante de neurônios disparando dentro de um cérebro vivo – embora ele não dissesse de que espécie. Minutos após o início da transmissão ao vivo, os assistentes puxaram uma cortina preta para revelar três porquinhos em cercados; eles foram submetidos aos experimentos de implante da empresa.

O cérebro de um porco continha um implante, e alto-falantes ocultos emitiram rapidamente toques que Musk disse serem registros dos neurônios do animal funcionando em tempo real. Para aqueles que aguardavam um efeito “Matrix dentro da Matrix”, como Musk havia sugerido no Twitter, a apresentação do animal fofo não foi exatamente o que esperavam. Para os neurocientistas, não era nada novo; em seus laboratórios, o zumbido e o crepitar de impulsos elétricos registrados em cérebros de animais (e alguns humanos) são ouvidos há décadas.

Um ano atrás, Neuralink apresentou um robô parecido com uma máquina de costura capaz de introduzir mil eletrodos ultrafinos no cérebro de um roedor. Essas sondas medem os sinais elétricos emitidos pelos neurônios; a velocidade e os padrões desses sinais são a base para o movimento, os pensamentos e a evocação de memórias.

Uma ilustração de um protótipo do robô “máquina de costura” neural com um capacete para proteger a cabeça de um paciente. WOKE STUDIO

Na nova transmissão ao vivo, Musk apareceu ao lado de um novo protótipo do “robô de costura” protegido por um capacete de plástico branco. Em tal capacete cirúrgico, Musk acredita, bilhões de consumidores um dia colocarão voluntariamente suas cabeças nele, submetendo-se a uma serra automatizada para que ela esculpe um círculo em seus crânios e um robô insira eletrônicos em seus cérebros.

A máquina futurista foi criada pela empresa de design industrial Woke Studio, de Vancouver. Seu designer-chefe, Afshin Mehin, diz que se esforçou para fazer algo “limpo, moderno, mas ainda amigável” para o que seria uma cirurgia cerebral voluntária com riscos inevitáveis.

Para os neurocientistas, o desenvolvimento mais intrigante mostrado em agosto pode ter sido o que Musk chamou de “o link”, um disco do tamanho de um dólar de prata contendo chips de computador, que os comprime e então transmite sem a necessidade de fios esses sinais gravados dos eletrodos. O “link” é quase tão grosso quanto o crânio humano, e Musk disse que ele poderia se encaixar perfeitamente na superfície do cérebro por meio de um orifício que poderia ser selado com supercola.

“Eu poderia ter um Neuralink agora e você não saberia”, disse Musk.

Elon Musk segura “o link”, um dispositivo circular carregado com chips de computador, durante uma demonstração. Serve para coletar e transmitir sinais cerebrais sem fio.

O “link” pode ser carregado sem fio por meio de uma bobina de indução, e Musk sugeriu que as pessoas, no futuro, o ligassem antes de dormir para carregarem seus implantes. Ele acha que um implante também precisa ser fácil de instalar e remover, para que as pessoas possam obter novos conforme a tecnologia melhora. Você não gostaria de ficar preso à versão 1.0 de um implante cerebral para sempre. O hardware neural desatualizado deixado para trás no corpo das pessoas é um problema real já encontrado por estudos de pesquisa.

O implante que a Neuralink está testando em seus porcos tem 1.000 canais e é provável que interprete um número semelhante de neurônios. Musk diz que sua meta é aumentar isso por um fator de “100, depois 1.000, depois 10.000” para ler o cérebro de forma mais completa.

Esses objetivos exponenciais para a tecnologia não atendem necessariamente às necessidades médicas específicas. Embora Musk afirme que os implantes “podem resolver a paralisia, a cegueira, e problemas de audição”, porque muitas vezes o que falta não são 10 vezes mais eletrodos, mas o conhecimento científico sobre qual desequilíbrio eletroquímico cria, digamos, depressão em primeiro lugar.

Apesar da longa lista de aplicações médicas apresentadas por Musk, Neuralink não mostrou que está pronta para se comprometer com qualquer uma delas. Durante o evento, a empresa não divulgou planos para iniciar um ensaio clínico, uma surpresa para quem acreditava que esse seria o próximo passo lógico.

Um neurocirurgião que trabalha para a empresa, Matthew MacDougall, disse que estavam considerando tentar o implante em pessoas paralisadas – por exemplo, para permitir que digitem em um computador ou formem palavras. Musk foi além: “Acho que, a longo prazo, você pode restaurar o movimento de corpo inteiro de alguém”.

Não está claro até que ponto a empresa está levando a sério o tratamento de doenças. Musk continuamente se afastava da medicina e voltava para a ideia de um “dispositivo para a população em geral” muito mais futurista, que ele chamou de objetivo “geral” da empresa. Ele acredita que as pessoas devem se conectar diretamente a computadores para acompanhar o ritmo da Inteligência Artificial (IA).

“A nível de espécie, é importante descobrir como coexistimos com IA avançada, alcançando certa simbiose”, disse ele, “de modo que o futuro do mundo seja controlado pela vontade combinada das pessoas da Terra. Isso pode ser a coisa mais importante que um dispositivo como este alcança”.

Como os implantes cerebrais produziriam uma mente eletrônica mundial coletiva, Musk não disse. Talvez na próxima atualização.

Nossos tópicos