A ameaça oculta ao crescimento da energia solar
Natureza e espaço

A ameaça oculta ao crescimento da energia solar

A queda nos preços da energia solar em dias ensolarados está prejudicando o cenário econômico para a construção de mais fazendas solares — e colocando em risco as metas climáticas.

Alguns acadêmicos solitários vêm alertando há anos que a energia solar enfrenta um desafio fundamental que pode interromper o crescimento vertiginoso do setor: quanto mais energia solar você adiciona à rede, menos valiosa ela se torna.

O problema é que os painéis solares geram muita eletricidade em meio aos dias ensolarados, muitas vezes, produzindo mais do que o necessário, reduzindo os preços — às vezes até em níveis negativos.

Ao contrário de uma usina de gás natural, os operadores de usinas solares não podem facilmente regular a eletricidade conforme necessário, e muito menos seu armazenamento durante o dia, a noite e o inverno escuro. Está disponível quando está disponível, ou seja, quando o sol está brilhando. E é quando todas as outras usinas solares estão gerando eletricidade em níveis máximos também.

Um novo relatório descobriu que a Califórnia, que produz uma das maiores parcelas de energia solar do mundo, já está experimentando intensamente esse fenômeno, conhecido como deflação do valor solar.

Os preços médios da energia solar no atacado caíram 37% em relação aos preços médios da eletricidade de outras fontes desde 2014, de acordo com a análise do Breakthrough Institute, publicada em 14 de julho. Em outras palavras, as empresas estão pagando cada vez menos às usinas solares do que outras fontes em geral, devido aos seus padrões de geração flutuantes.

Os preços de atacado são basicamente o valor que as empresas de serviço público pagam às usinas pela eletricidade que fornecem para residências e negócios. Eles mudam ao longo do dia e do ano, voltando-se para os operadores solares durante as manhãs, tardes e outros momentos em que não há excesso de oferta. Mas, à medida que mais usinas solares entrarem em operação, os períodos que reduzem esses valores se tornarão mais frequentes e mais pronunciados.

Preços mais baixos podem parecer ótimos para os consumidores. Mas apresenta implicações preocupantes para o desejo mundial de expandir rapidamente a capacidade solar e cumprir as metas climáticas.

Pode ser difícil convencer desenvolvedores e investidores a continuar construindo cada vez mais usinas solares se eles ganharem menos ou até mesmo perderem dinheiro. Na verdade, a estrutura localizada na Califórnia já está estável desde 2018, observa o estudo. Mas o estado precisará que a indústria aumente significativamente o desenvolvimento se quiser cumprir suas ambiciosas metas de energia limpa.

Em breve, isso também poderá se tornar um problema maior.

“A Califórnia é uma pequena amostra do que está reservado para o resto do mundo à medida que aumentamos drasticamente a geração de energia solar”, diz Zeke Hausfather, diretor de clima e energia do Breakthrough Institute e autor do relatório.

Isso porque, embora a energia solar seja responsável por cerca de 19% da eletricidade gerada na Califórnia, outras regiões também estão instalando rapidamente painéis fotovoltaicos. Em Nevada e no Havaí, por exemplo, a porcentagem da geração solar ficou em torno de 13% em 2019, concluiu o estudo. Os níveis na Itália, Grécia e Alemanha foram de 8,6%, 7,9% e 7,8%, respectivamente.

A corrida

Até agora, pesados ​​subsídios à energia solar e o seu custo rapidamente decrescente compensaram a queda do valor dela na Califórnia. Enquanto ficar cada vez mais barato construir e operar usinas de energia solar, a deflação de valor será um problema menos grave.

Mas é provável que fique cada vez mais difícil realizar esse feito, à medida que a parcela do estado na geração solar continue a aumentar. Se os custos de construção e instalação de painéis solares diminuírem, a deflação solar da Califórnia pode avançar na corrida contra a queda dos custos já em 2022 e subir a partir daí, conclui o relatório. Nesse ponto, o preço no atacado estaria abaixo dos custos subsidiados da energia solar na Califórnia, prejudicando a lógica econômica para a construção de mais usinas, observa Hausfather.

A lei SB 100 do estado, aprovada em 2018, exige que toda a eletricidade da Califórnia venha de “recursos renováveis ​​e com níveis zero de carbono” até 2045. Ou seja, cerca de 60% da eletricidade do estado poderia vir da energia solar, com base no modelo da Comissão de Energia da Califórnia. 

O estudo da Breakthrough estima que o valor da energia solar — ou o preço médio no atacado em relação a outras fontes — cairá 85% nesse ponto, dizimando a economia das fazendas solares, pelo menos como é hoje a rede elétrica da Califórnia.

Como podemos consertar isso?

Existem várias maneiras de amenizar esse efeito, embora nenhuma delas seja provavelmente uma panaceia.

O setor solar pode continuar tentando encontrar maneiras de reduzir os custos dessa fonte de energia, mas alguns pesquisadores argumentaram que pode ser necessário mudar para novos materiais e tecnologias se quisermos chegar aos níveis extremamente menos custosos necessários para superar a deflação de valor.

Operadores de rede e desenvolvedores de usinas solares podem adicionar mais placas para o armazenamento de energia — e é o que cada vez mais estão fazendo.

Pesquisadores do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley destacaram valores solares em declínio semelhantes na Califórnia em um estudo mais amplo publicado em Joule no mês de junho. Mas eles também observaram que vários estudos de modelagem mostraram que a adição de opções de armazenamento de baixo custo, incluindo as chamadas plantas híbridas acopladas a baterias de íon-lítio, facilita a deflação de valor e permite que maiores parcelas de energias renováveis ​​operem economicamente junto a rede.

Existem provavelmente limites para isso, no entanto, estudo após estudo conclui que os custos de armazenamento e sistema aumentam drasticamente, uma vez que as energias renováveis ​​fornecem a grande maioria da eletricidade na rede.

Estados ou nações também podem aumentar os subsídios para energia solar; adicionar mais linhas de transmissão de longa distância para permitir que as regiões troquem eletricidade limpa conforme necessário; ou incentivar os clientes a mudar o uso de energia para horários do dia que combinem melhor com períodos de alta geração.

A boa notícia é que cada uma dessas opções ajudará a facilitar a transição para fontes de eletricidade limpas também de outras maneiras, mas, ao mesmo tempo, levarão muito tempo e dinheiro para serem implementadas.

O mercado solar da Califórnia serve como um lembrete de que o relógio climático está correndo.

Esta história foi atualizada para adicionar detalhes do estudo de Joule. 

Nossos tópicos