5G e a oportunidade empresarial
Cidades inteligentes

5G e a oportunidade empresarial

Como as principais operadoras de telecomunicações estão desenvolvendo estratégias de ecossistema, nuvem e Inteligência Artificial para liderar na tecnologia 5G.

“5G e a oportunidade empresarial: como as principais operadoras estão desenvolvendo estratégias de ecossistema, nuvem e Inteligência Artificial para liderar na tecnologia 5G” é um relatório da MIT Technology Review Insights que examina como as operadoras estão transformando seus ambientes de negócios e tecnologia para fornecer serviços corporativos 5G, especialmente com foco na nuvem, automação e nos ecossistemas que estão surgindo para impulsionar a transformação digital em todos os setores. O relatório foi produzido por meio de entrevistas com chefes de TI, soluções de negócios 5G e inovação de plataforma na Vodafone Business, Deutsche Telekom, AT&T, Vodacom, Rogers Communications, SK Telecom, Telia Company, SmarTone e Korea Telecom.

Este relatório foi escrito pela Insights, a ramificação de conteúdo personalizado da MIT Technology Review. Não foi produzido pela equipe editorial.

Ao contrário das gerações anteriores de tecnologia de rede que pavimentaram o caminho para inovações como smartphones e banda larga sem fio, as tremendas melhorias do 5G em termos de menor latência, velocidades de transmissão mais rápidas e capacidade de rede amplamente aumentada estão abrindo as portas para a transformação digital empresarial em grande escala. Para as operadoras, o 5G representa mais um ciclo de investimento – aquele em que a monetização exige apostas estratégicas em tecnologia, plataformas, modelos de negócios e parceiros. No entanto, com uma previsão de CAGR (Compound Annual Growth Rate, ou em português taxa de crescimento anual composta), de 11% para o mercado de serviços de valor agregado entre 2020 e 2030 em comparação com um CAGR de 0,75% para os serviços existentes atualmente, o 5G é considerado uma fonte líder de novas receitas para a indústria. As operadoras líderes estão usando seus pontos fortes e entendem que entregar soluções corporativas transformacionais envolve trabalhar em ecossistemas de capacidades complementares.

Mais que apenas um outro G

Os executivos entrevistados para este relatório argumentam que as oportunidades de mercado mais atraentes para 5G estão nos programas de digitalização empresarial e no setor público. Isso envolve o aproveitamento dos poderosos recursos do 5G em relação ao rendimento, mobilidade, confiabilidade, latência e volume de dados para hospedar e gerenciar um rico conjunto de aplicativos e funções de tecnologia em um conjunto explosivo de usos potenciais em setores como saúde, manufatura, construção e engenharia , mineração, agricultura, varejo, eventos e espaços públicos, transporte, cidades inteligentes e gestão de recursos. No entanto, fornecer esses recursos, especialmente em escala, requer uma enorme mudança para as operadoras em termos de cultura e habilidades, modelo de negócios, arquitetura e recursos técnicos.

“5G não é apenas outro G. Definitivamente não é ‘4G +1’. É a base para a nova economia em tempo real,” Alexander Brock, vice-presidente sênior de estratégia de tecnologia, inovação e parcerias na Rogers Communications

“5G não é apenas outro G. Definitivamente não é ‘4G +1’. É a base para a nova economia em tempo real,” disse Alexander Brock, vice-presidente sênior de estratégia de tecnologia, inovação e parcerias da Rogers Communications no Canadá. “Pela primeira vez, há novos recursos em redes sem fio que são verdadeiramente transformacionais, como de taxa de bits variável, latência diferencial sob demanda, capacidade de levar transações ao limite e aumentar serviços personalizados por meio de mecanismos como divisão de rede. É mais provável que eles vejam a luz do dia no mercado corporativo do que no consumidor, pelo menos inicialmente”. Os desafios nessa migração, diz Brock, são técnicos e também operacionais – considerando redes e sistemas de TI que eram amplamente homogêneos a outros totalmente personalizáveis.

Indo mais fundo nas cadeias de valor do cliente

Tornar-se um parceiro de transformação digital está levando as operadoras mais fundo do que nunca aos negócios de seus clientes – o digital e o físico. A área de solução ao cliente envolve explorar os requisitos e casos de uso do consumidor e, em seguida, aprender como é o ambiente operacional real. “Curiosamente, o segundo é muitas vezes mais difícil do que o primeiro”, diz Ryan van den Bergh, chefe de arquitetura de tecnologia da Vodacom na África do Sul, especialmente em ambientes de mineração que podem ser subterrâneos e ter vários obstáculos físicos ou tecnológicos.

A SmarTone em Hong Kong desenvolveu uma série de setores verticais, incluindo construção, hotelaria e propriedade – as maiores oportunidades da indústria no território asiático. O diretor de tecnologia Stephen Chau enfatiza a importância de discutir o valor sobre os produtos no design de soluções corporativas. “Podemos estar vendendo capacetes inteligentes ou detectores de água, mas não falamos (para os clientes) sobre a IoT (Internet Of Things). Falamos sobre a experiência do usuário ou o clima operacional. No final do dia, os clientes não estão procurando um sensor, mas procurando uma solução que resolva suas dores”.

“Não se trata de 4G ou 5G, é mais uma questão sobre que tipo de valor oferecemos ao cliente em sua jornada digital”, diz Lars Klasson, gerente de programa 5G da Telia, a maior operadora de linha fixa, móvel e banda larga na Escandinávia e nos países nórdicos.

Embora certo nível de alinhamento da indústria esteja surgindo organicamente nas divisões de negócios corporativos das operadoras, tornar-se muito focado em verticais neste momento pode ser limitante, diz Yoon Kim, diretor de tecnologia da SK Telecom. “Existem setores estratégicos nos quais queremos nos concentrar mais,” como saúde e manufatura, “mas não queremos ser limitados por um enfoque ‘vertical por vertical’”. O risco, diz ele, é perder as aplicações 5G com potencial e apelo mais amplo da indústria.

Da homogeneidade à heterogeneidade

Abdurazak (Abdu) Mudesir, vice-presidente sênior de serviço e plataforma da Deutsche Telekom, observa a dificuldade de fornecer ofertas personalizadas para várias indústrias verticais diferentes. “A heterogeneidade dos requisitos do cliente é um desafio: você tem verticais completamente diferentes e, embora haja alguns pontos em comum, também há enormes diferenças. Para uma indústria de serviços como a nossa, que tenta desenvolver ofertas para o mercado de massa, tanta customização não é fácil. Para oferecer redes empresariais dedicadas de maneira econômica, você precisa trabalhar com muitos parceiros diferentes e especializados”.

Rogers Communications no Canadá está construindo experiência específica de IoT em automotivos, bens naturais, gestão de frotas, cidades inteligentes e gestão de ativos, mas geralmente a estratégia também inclui a construção de uma organização de entrega de serviços empresariais com soluções neutras, com base no atendimento de requisitos de múltiplas nuvens e por meio de APIs abertas.

Focar demais em casos de uso específicos pode se tornar uma distração, particularmente, uma ênfase exagerada em casos de uso individuais, diz Brock. Em vez disso, ele diz: “Estamos investindo em plataformas de informações e sistemas de TI para criar a ‘rede como plataforma’”. Isso significa ter a maioria das solicitações dos clientes como soluções prontas para uso, ele diz, e ajudar os clientes a se conectar e inovar. “Trata-se de construir uma série de recursos básicos e permitir que os aplicativos floresçam na rede. Não seremos os especialistas em todas as verticais – o que precisamos é ser especialistas em ter um conjunto exposto de recursos para permitir que essas verticais se conectem a nossa empresa”.

As operadoras pretendem entregar cerca de 80% das solicitações corporativas por meio de soluções gerais e imediatas, deixando apenas 20% com necessidade de uma resposta personalizada.

Parcerias e o ecossistema 5G

Abordar o número aparentemente infinito de oportunidades empresariais, com todas as complexidades de hardware e software, significa que as operadoras não podem trabalhar sozinhas. Uma característica central da mudança para 5G são as parcerias e ecossistemas que estão evoluindo para atender às metas exclusivas e complexas dos clientes para a transformação digital.

Esta é uma mudança significativa nas funções da maioria das operadoras. No passado, as equipes de vendas corporativas vendiam assinaturas de serviços de conectividade. Agora, diz Chau da SmarTone, “Essas equipes precisam entender toda a jornada do cliente e como atender a todos os seus requisitos de rede de comunicação e TI. Isso é bem diferente do que uma empresa de telecomunicação costumava ser”. Fazer isso sozinho não é mais uma opção, e o sucesso das operadoras na era 5G depende cada vez mais da força e do alcance de seus parceiros do ecossistema com quem estão trabalhando.

“Administrar este ecossistema [5G] é provavelmente o que requer mais reflexão e gerenciamento. Um dos maiores desafios é o grande número e variedade de solicitações de clientes que chegam. É empolgante, mas também estica a capacidade de qualquer operadora de gerenciar o volume”. Justin Shields, diretor de tecnologia, plataformas e soluções da Vodafone Business

Justin Shields, diretor de tecnologia, plataformas e soluções da Vodafone Business, cuja equipe está atualmente trabalhando em centenas de oportunidades empresariais, observa que a grande variedade de componentes dos serviços empresariais 5G exige que as operadoras trabalhem em um ecossistema. “Administrar esse ecossistema é provavelmente o que exige mais reflexão e gerenciamento. Um dos maiores desafios é o grande número e variedade de solicitações de clientes que chegam. É empolgante, mas também estica a capacidade de qualquer operadora de gerenciar o volume”. A complexidade das solicitações vem do fato de que atravessam vários dispositivos (com implicações de segurança), aplicações que muitas vezes são executadas no limite, processos de negócios e, além disso, muitos exigem gerenciamento de mudanças por parte do cliente.

Investimentos em ecossistemas, escolhas e compensações

Conforme os ecossistemas 5G evoluem e amadurecem, há uma série de escolhas e compensações que as operadoras precisam fazer. Um aprendizado fundamental na Telia, diz Klasson, é a importância de trabalhar dentro dos próprios ecossistemas dos clientes. “Quais integradores de sistema eles já usam? Que tipo de fornecedores de aplicativos ou fornecedores de hardware eles usam? Você pode tentar especular que tipo de ecossistema ou parceria você precisa, mas então, quando você está com a mão na massa no negócio com o cliente, ele já vem para a mesa com seus parceiros preferidos”.

Outra opção é quanto confiar nos recursos técnicos ou de plataforma dos parceiros em vez de criá-los internamente. Além de cultivar relacionamentos mutuamente benéficos com hiperscaladores de nuvem pública, diz Kim, a SK Telecom investiu em um empreendimento conjunto com a HP Enterprise para desenvolver sua própria plataforma MEC com software e hardware que pode ser oferecido a operadoras no sudeste da Ásia que estão apenas começando em suas jornadas com o 5G.

“Vemos isso como uma jogada interessante de operadora móvel onde, além de fazer parceria com hiperscaladores, o que já estamos fazendo ativamente, também podemos construir um ecossistema próprio, baseado em nossa rede 5G, parcerias com provedores de soluções terceirizados, robô fabricantes, fábricas inteligentes e outros agentes de dispositivos para criar um novo ecossistema válido e viável”, diz Kim. De fato, estima-se que o mercado Mobile Edge Computing (MEC) esteja crescendo 35,2% ao ano de acordo com Markets and Markets, com a Ásia crescendo mais rapidamente.

“Não há muitas operadoras com todos os ingredientes – a conectividade, a oferta de ponta e também os serviços de TI”, diz Abdu Mudesir, e é por isso que a Deutsche Telekom está desenvolvendo os três. Isso permite que os clientes executem suas redes de forma isolada, se necessário, e permite que a Deutsche Telkom faça camadas de serviços de TI gerenciados. “Ter todos esses recursos é o que pode tornar uma operadora realmente única”.

APIs e o caminho para a monetização

Em contraste com os modelos fechados e monolíticos do passado, operar com sucesso dentro de um ecossistema 5G – e de fato monetizar com ele – só pode ser realizado com uma arquitetura desagregada e interfaces abertas. Com todo um conjunto de novos recursos 5G, diz van den Bergh da Vodacom, a questão é: “Como podemos expô-los da melhor forma, a fim de monetizar a rede? APIs padronizadas, gateways de API externos, garantindo que a arquitetura seja completamente aberta – esses são requisitos fundamentais”.

Na Rogers, no Canadá, isso levou a uma abordagem de “fábrica de serviços” para o desenvolvimento de serviços padronizados e interfaces API expostas por meio de plataformas comuns para permitir o consumo fácil para clientes corporativos, permitindo que eles se conectem à rede. Os sistemas de TI também devem ser o mais simples possível, com um manual, em vez de tudo ser personalizado.

As operadoras entrevistadas para este relatório dizem que a monetização e a divisão de valor entre os parceiros ainda são acordadas caso a caso.

5G fornece uma nova dinâmica para a nuvem

Nos últimos anos, as operadoras têm reduzido custos e simplificado a infraestrutura de rede herdada e os processos operacionais, movendo as aplicações para a nuvem. Com o 5G abrindo a porta para uma colaboração mais próxima com clientes corporativos e uma inovação mais ampla do ecossistema, a nuvem assume um novo nível de importância. Na verdade, a nuvem está no centro da estratégia operadora para empresas 5G.

Recursos baseados em nuvem são essenciais para o funcionamento de parcerias de ecossistema, para fornecer serviços corporativos, como MEC e SD-WAN, e para apoiar plataformas que permitem aos desenvolvedores escalar serviços para cima e para baixo por meio de funções de rede expostas à API. A velocidade, flexibilidade e abertura da arquitetura em nuvem permitem que as operadoras gerenciem de forma mais simples suas operações de TI e serviços de rede. A nuvem também facilita o acesso a ferramentas de automação e IA, avanços que impulsionam o desempenho em operações de TI e gerenciamento de rede, e criam os dados que compõem grande parte do valor intrínseco da empresa 5G.

As operadoras entrevistadas para este relatório afirmam que suas estratégias de “nuvem em primeiro lugar” cobrem a rede, as operações de TI e também os sistemas de TI internos, embora estejam em diferentes estágios de migração. Eles concordam que o objetivo final é mover o máximo possível de funções de rede e TI para a nuvem. No entanto, existem diferentes fluxos, prioridades dentro deles e um ambiente totalmente 100% nativo da nuvem pode não ser alcançável ou desejável.

“Contamos com a nuvem para fornecer todas as nossas tecnologias – precisamos absolutamente da tecnologia em nuvem para nos dar a escala e a flexibilidade de que precisamos para lidar com essas soluções”, diz Shields da Vodafone Business, apontando que o acesso à nuvem também é um requisito cada vez mais difundido para clientes corporativos. No entanto, a seleção de um determinado serviço de nuvem deve ser em função do custo, desempenho ou área de cobertura necessária para cada aplicação. “Quer seja em uma nuvem pública ou em nossa nuvem privada, é apenas uma questão de ‘Está funcionando bem?’”

Chegar à nuvem nativa (cloud native) pode não ser possível, dados parâmetros técnicos específicos, diz Shields. “Operamos em um mundo híbrido: às vezes usando infraestrutura física, local e tradicional e, às vezes, a execução nativa da nuvem em nossa nuvem privada e, em outras ocasiões, a execução nativa na nuvem pública”. Nos últimos cinco anos, a Vodafone migrou 50% de sua rede da União Europeia e 65% de aplicativos de TI para a nuvem. O caminho da migração tem sido mover primeiro os aplicativos que são menos arriscados e, com a tecnologia de nuvem em rápido desenvolvimento, eles têm sido capazes de acelerar esses esforços.

Determinando as prioridades da nuvem

O plano de migração para nuvem da AT&T tem categorias para todas as funções de rede e TI que ajudam a determinar a velocidade com que serão movidos para a nuvem. A primeira categoria inclui funções empresariais que precisam ser aposentadas. A segunda inclui aplicativos não dependentes de latência que podem ser movidos para um dos seis centros de dados restantes da operadora (diminuídas para 28). A terceira e a quarta categorias são aplicativos que podem ser virtualizados e em conteinerizados, respectivamente. A quinta categoria são os aplicativos que podem ser movidos para um estado totalmente nativo da nuvem: baseado em microsserviço, orientado por dados e totalmente automatizado.

“Em primeiro lugar, tudo tem que ter uma lógica de negócios. A decisão de levar uma função para um estado nativo em nuvem deve ser baseada no que é mais importante para o negócio”. Sorabh Saxena, vice-presidente executiva, atendimento ao cliente e operações da AT&T Business.

Ao avaliar essas categorias, diz Sorabh Saxena, vice-presidente executiva de atendimento ao cliente e operações da AT&T Business, “Antes de mais nada, tudo precisa ter uma lógica de negócios. A decisão de levar uma função para um estado nativo em nuvem deve ser baseada no que é mais importante para o negócio”. Isso requer uma estreita colaboração entre a unidade de negócios relevante e os líderes de tecnologia. Entre os mais desafiadores estão os “aplicativos tagarelas” (com alta dependência intersistema) que produzem e trocam dados constantes em várias zonas de nuvem ou nós geográficos. Eles podem consumir mais recursos da nuvem e aumentar os gastos com serviços de nuvem pública.

Os desafios atuais em torno da migração da nuvem se concentram na prontidão do aplicativo, risco de desestabilizar o ambiente herdado, implicações de custo e de segurança de diferentes tecnologias de nuvem. Como resultado, as operadoras estão sendo pragmáticas, desenvolvendo ambientes de nuvem híbrida e gerenciando várias nuvens. É possível que, no futuro, a entrega de serviços corporativos neste ambiente de nuvem se torne uma fonte de complexidade para as operadoras, e elas possam buscar outras práticas que sejam melhores para gerenciar recursos de nuvem e otimizar suas operações.

Ficando à frente da complexidade operacional

Mesmo antes da era 5G, o gerenciamento da complexidade era um fator chave para tendências como automação e terceirização. O 5G e o aumento resultante na conectividade corporativa estão acelerando rapidamente essa tendência. Nem a rede nem as operações de TI podem ser gerenciadas sem automação quase total, dizem as principais operadoras.

“A automação está em toda parte; junto a IA, é fundamental para tudo o que fazemos, dada a escala e complexidade de nossa rede e operações”, disse Andre Fuetsch, presidente da AT&T Labs e diretor de tecnologia da AT&T. “A indústria está desenvolvendo ambientes de computação muito mais distribuídos – o núcleo do pacote móvel torna-se muito mais distribuído do que nas gerações anteriores. E quando você está lidando com tantas funções diferentes que você precisa gerenciar em uma escala maior e mais distribuída, você precisa ter a automação embutida”.

A automação forneceu agilidade para a AT&T escalonar com eficácia durante a pandemia de coronavírus. Em março de 2020, a grande mudança para o trabalho remoto levou a um aumento de 25% no volume de chamadas corporativas em redes WiFi domésticas. Uma crise de gerenciamento de tráfego foi evitada porque funções e componentes de rede automatizados conseguiram aumentar a capacidade funcionamento em questão de horas.

Automação, IA e SLAs corporativos

Os requisitos de SLA em relação à confiabilidade e latência exigirão que as operadoras tenham um alto grau de controle sobre a qualidade do serviço para resolver os problemas quase em tempo real. Isso é crítico porque, como Abdu Mudesir da Deutsche Telekom aponta, fábricas inteligentes e outros serviços corporativos da Indústria 4.0 dependem de computação e análise de alto desempenho que aumentam as expectativas de serviço do cliente. “Os KPIs de disponibilidade [indicadores-chave de desempenho] ​​para 5G são realmente muito mais altos do que nossos KPIs de rede hoje, e esses ou outros SLAs não podem ser gerenciados manualmente. Você precisa automatizar totalmente o gerenciamento de incidentes e a análise da causa raiz”, pois seria impraticável realizar essas tarefas examinando os incidentes registro por registro. A análise de causa raiz automatizada permite que as operadoras mudem para um gerenciamento de SLA preditivo e proativo, o que significa a detecção e prevenção de anomalias antes que elas aconteçam.

Saxena, da AT&T, descreve como os recursos da plataforma de análise de IA são usados ​​para a experiência do cliente empresarial. A plataforma AI esteve em desenvolvimento no ano passado e busca acompanhar o desempenho em relação aos “momentos principais que importam” para as empresas e até mesmo se estende a IoT industrial. Ao compreender a experiência e a satisfação do cliente com os elementos do serviço, como pedidos, contratos e preços, diz Saxena, “podemos analisar quando o SLA de um cliente potencialmente não está sendo cumprido”. O sistema, então, recomenda proativamente as próximas melhores ações para retomar o cumprimento do SLA, bem como “evitar que o cliente passe de um promotor a um detrator”.

Conclusão

Apenas um ano depois de ter sido introduzido pela primeira vez (e muito dele dominado por uma pandemia global), a hesitação da indústria de telecomunicações em torno dos casos de uso em potencial e da estratégia de monetização para 5G está desaparecendo. Quer os clientes corporativos realmente precisem ou não de todos os recursos avançados do 5G agora, o hype em torno disso está abrindo a porta para uma colaboração mais profunda com os clientes, um lugar estratégico na mesa com parceiros do ecossistema e um caminho para decorrer valor da inovação. As conclusões do relatório são as seguintes:

  • A estratégia de serviço empresarial ocupará a maior parte de atenção do CIO. As questões de “onde ir” e “como” permanecerão críticas para CIOs de operadoras e chefes de negócios corporativos. Essas perguntas moldarão as decisões sobre quais parcerias formar, quais capacidades técnicas construir ou adquirir e como obter o máximo valor dos serviços corporativos. As operadoras devem decidir o quanto desejam se concentrar em soluções padrão versus soluções personalizadas e quanto conhecimento vertical ou conhecimento de desenvolvimento de aplicativos desejam acumular, além de depender de parceiros.
  • A nuvem é a plataforma para 5G. As operadoras com grandes ambições para 5G têm uma estratégia de nuvem para a rede e TI. Na verdade, a facilidade de trabalhar em ambientes de nuvem das operadoras é um diferencial para empresas, desenvolvedores e outros participantes do ecossistema. No entanto, a combinação de tecnologias de nuvem está evoluindo continuamente, à medida que as operadoras buscam otimizar o equilíbrio entre nuvens públicas e privadas, aproveitando a melhor tecnologia disponível e, ao mesmo tempo, avaliando os custos e riscos. E um ambiente totalmente nativo em nuvem pode permanecer fora de alcance. Um desafio emergente será gerenciar diferentes componentes da nuvem e garantir uma experiência perfeita entre elas, para evitar a formação de silos novamente.
  • Alcance a simplicidade, prepare-se para a complexidade. Embora alguns desafios na jornada 5G sejam conhecidos, outros ainda estão para surgir. O impacto total nas operações ainda não é conhecido – o verdadeiro desafio de entregar SLAs de “cinco noves” ou a complexidade que surgirá por ter centenas de APIs. As principais operadoras veem a automação e a IA como centrais para o gerenciamento de operações de maneira eficiente, econômica e em escala. As operadoras devem refletir sobre os tipos de desafios que enfrentarão quando os serviços corporativos 5G realmente escalonarem e prepararem seu ambiente para esse futuro.

Esse conteúdo, patrocinado pela Ericsson, foi publicado anteriormente em inglês no site da MIT Technology Review.

Nossos tópicos